Siga nossas redes

Finanças

Giant Steps quer captar R$ 2 bi com última reabertura do fundo Zarathustra

Pedro Simonetti explica por que a gestora decidiu levantar os recursos a partir de 1º de março, fala sobre as lições do caso Gamestop e o futuro dos fundos ‘quant’.

Publicado

em

Pedro Simonetti, da Giant Steps
Pedro Simonetti, da Giant Steps/Divulgação

Em meio ao intenso debate sobre o futuro dos “fundos quant“, a gestora Giant Steps anunciou nos últimos dias que vai reabrir pela última vez o Giant Zarathustra, seu fundo multimercados mais famoso, criado há quase nove anos com a ajuda de uma extensa base de dados e algoritmos. A captação terá início no dia 1º de março, após quase dois anos praticamente sem aportes. A meta é atingir uma “capacity” (limite de captação) de R$ 2 bilhões.

Pedro Simonetti, sócio da Giant Steps e responsável pelo relacionamento com investidores da gestora, explica que a ideia da reabertura é reinvestir quase todo o lucro gerado pelo fundo em infraestrutura e aumentar ainda mais a capacidade da equipe, que já havia dobrado para 30 pessoas em 2020. “Queremos dar um salto ainda maior este ano”, conta. O Zarathustra estará disponível com aporte mínimo de R$ 10 mil.

Com rentabilidade acumulada de 9,33% em 2020 (o equivalente a 337% do CDI), o Zarathustra chamou atenção no auge da crise do novo coronavírus, entre março e abril, por resistir bem à sangria do mercado. Desde sua criação, ostenta um retorno ao redor de 280%, (enquanto o CDI acumulava 110% no mesmo período).

Um dos segredos para ter resistido ao choque da crise é que ele costuma ir “contra a maré”. Em outras palavras, o fundo funciona com uma lógica “descolada” dos momentos de pânico ou euforia dos investidores, sem qualquer correlação com o Ibovespa e outros fundos da indústria, amparado por ferramentas quantitativas.

Fundos quantitativos (ou sistêmicos, como alguns preferem chamar) são aqueles que trabalham com algoritmos e uma grande base de dados para explorar padrões de comportamento e ineficiências do mercado e lucrar com isso. Softwares fazem o trabalho após uma análise de profissionais especializados. Estes fundos se enquadram como multimercados, por serem livres para investir em ativos diversos como ações, câmbio ou juros.

No caso da Giant, são duas famílias de fundos com estratégias diametralmente opostas, mas complementares. Enquanto uma delas explora momentos dominados pelas emoções do mercado (o Zarathustra e seu espelho menos volátil, o Darius), o outro par de fundos costuma performar melhor quando a racionalidade e os fundamentos predominam entre os investidores (Sigma e Axius).

Em entrevista ao InvestNews, Pedro Simonetti comenta como as gestoras estão incorporando o uso de dados e inteligência artificial e explica por que a nomenclatura “quant” deve cair em desuso em meio à disseminação da ferramenta na indústria de fundos. Segundo ele, é um caminho sem volta. “Em uma guerra de canhão, não adianta entrar com arco e flecha, senão não é uma guerra justa”, compara, justificando a corrida das gestoras para abraçar a tecnologia. Simonetti também comenta o caso Gamestop, que segundo ele foi um alerta para o mercado sobre a importância de monitorar as redes sociais mais de perto.

IN$ – Por que a Giant Steps decidiu reabrir o fundo agora?

Pedro Simonetti – Um dos motivos para abrirmos essa captação grande é que temos um histórico de 9 anos reinvestindo quase tudo o que lucramos no processo, praticamente 90% dos lucros foram devolvidos tanto em equipe como em infraestrutura. Principalmente no último ano, tivemos um investimento brutal em uma área chamada “dados alternativos”, uma tentativa de fugir do escopo do mercado financeiro e buscar informações relevantes em outros canais. Por exemplo, monitorar as redes sociais ou observar o fluxo de pessoas no site de uma empresa de e-commerce antes que ela divulgue seu resultado. Estamos incorporando esse escopo e queremos dar um salto ainda maior este ano.

Qual a lógica por trás dessa estratégia?

A ideia é monitorar cada vez mais fontes de informação para ter uma visão melhor do que está acontecendo. A lógica é que enxergamos os dados do mercado financeiro como peças de quebra-cabeças. Hoje há um volume infinito de informações que o gestor pode usar para tomar uma decisão de investimento. Nossa ideia é que quanto mais peças eu tiver na mão e conseguir encaixar, melhor minha visão do que está acontecendo e melhor minha capacidade de gerar retorno aos investidores. Agora tentamos capturar o máximo de peças possível para ter uma visão melhor do todo.

Monitorar os movimentos das redes sociais pode virar uma tendência no mercado financeiro?

Está bem em voga agora, ainda mais depois do movimento da Gamestop [as ações da empresa dispararam após investidores combinarem a compra do papel em um fórum do Reddit]. A definição de dado alternativo é que são dados públicos que poucas pessoas estão procurando, por isso você consegue encontrar distorções grandes no mercado e ganhar dinheiro com isso. O grande valor é que tem poucas pessoas tentando explorar. 

O caso Gamestop deixou lições para os agentes do mercado?

Foi um alerta para a importância da tecnologia. Todo mundo sabe que tem gente fazendo coisas muito diferentes no mercado, mas este caso deixou claro o valor de monitorar redes como o Twitter ou fóruns. No ano passado, nasceram cerca de 90 novas gestoras e, ao observar quem são, percebe-se que quase todas mencionam tecnologia na descrição. É algo que começou a vir muito forte, agora que as pessoas perceberam que, em uma guerra de canhão, não adianta entrar com arco e flecha, senão não é uma guerra justa. Acho que é um caminho sem volta.

Qual o futuro dos fundos quantitativos com a disseminação da tecnologia nos investimentos?

O fundo quantitativo usa tecnologia como ferramenta para tomar decisões e estratégias. Essa expressão ganhou força porque eles eram bem diferentes do que havia até então. É parecido com o que aconteceu com o celular. Há 10 anos, quando o consumidor comprou a primeira versão do iPhone, o nome era smartphone porque o aparelho enviava e-mails e tinha aplicativos. Hoje, quando se compra um celular, todo mundo já sabe que é um smartphone e a palavra caiu em desuso. É o que deve acontecer com os fundos quant. Vai ser tudo fundo, porque todos vão usar tecnologia. Já aconteceu nos Estados Unidos e vai acontecer a passos largos aqui no Brasil.

Tecnologia não é um termo vago e muito abrangente para definir um fundo?

De fato, os fundos quant são totalmente descorrelacionados entre si. A tecnologia é só uma ferramenta e a verdadeira estratégia sai da cabeça do gestor. O algoritmo é um conjunto de “ses”. Se acontecer tal coisa, você faz o quê? De fato, o termo tecnologia pode ser incorporado em várias camadas do processo de gestão e cada um usa como achar melhor. 

Se a definição de “fundo quant” vai sumir, o que será destes fundos?

Vamos acabar caindo como fundos multimercados. O que vai sumir é essa subdivisão. Somos hoje multimercados conhecidos como quantitativos e seremos conhecidos apenas como multimercados. Mas na escala de tecnologia, tentaremos ficar sempre lá na frente.

Qual a lógica por trás da estratégia do Zarathustra?

Temos duas famílias de fundos porque enxergamos dois regimes no mercado: a racionalidade (quando as pessoas olham os fundamentos e fazem o valuation de uma empresa) e outro de quando tudo isso “vai para o espaço” (dominado pela emoção), seja pânico ou euforia. É quando pessoas param de olhar os fundamentos e passam a agir por impulso. Um bom exemplo é o coronavírus. Durante o Carnaval do ano passado, houve um banho de sangue lá fora e o mercado ficou fechado aqui. Na Quarta-Feira de Cinzas aconteceu o primeiro circuit breaker na bolsa, e já começou a pipocar de gente dizendo que a bolsa estava barata e “Black Friday antecipada”. Naquele dia, se você fizesse o valuation das empresas, veria que estava tudo descontado, então a tendência era comprar mais. Mas no dia seguinte, eram mais 10% de queda e assim por diante. O mercado parou de olhar o fundamento e um pânico generalizado fez o preço cair sem parar. É isso que o Zarathustra explora. Pense em um grande radar que monitora mercados no mundo todo, como bolsa, juros, câmbio e commodities e tente ver quando o mercado será dominado pela emoção para tentar ganhar dinheiro com isso.

Diversifique a sua carteira e deixe que um gestor especializado cuida pra você! Invista em Fundos de Investimento!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.