Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa sobe e volta ao patamar dos 110 mil pontos após 3 meses; dólar cai

O principal índice da bolsa brasileira avançou mais de 2% com a alta de ações de bancos e da Petrobras.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

renda variável

O principal índice de ações da B3, o Ibovespa, que chegou a operar parte do dia em queda refletindo as tensões geopolíticas envolvendo Rússia e Ucrânia e expectativas da reunião de política monetária do Federal Reserve, nos EUA, ganhou força no decorrer da tarde e fechou em alta. Já o dólar encerrou em queda.

No dia, o Ibovespa avançou 2,10%, aos 110.204 pontos, o primeiro fechamento acima dos 110 mil pontos desde 20 de outubro. Já a moeda norte-americana recuou 1,22%, negociada a R$ 5,4346.

A bolsa brasileira, operada pela B3, passou a funcionar nos feriados estaduais e municipais a partir de 2022. Portanto, diferentemente de anos anteriores, o pregão ocorreu normalmente nesta terça-feira, feriado do aniversário da cidade de São Paulo.

Destaques da B3

As ações de Cielo (CIEL3), Qualicorp (QUAL3) e Locaweb (LWSA3) registraram as maiores altas do Ibovespa, com avanço de 6,34%, 7,51% e 6,44%, respectivamente, enquanto CSN Mineração (CSNA3), Suzano (SUZB3) e Alpargatas (ALPA4) ficaram entre as maiores quedas do indicador, com recuo de 2,04%, 2,59% e 1,60%, respectivamente.

Com forte peso no índice, as ações de Petrobras (PETR3, PETR4) e Vale (VALE3) encerraram o dia com ganhos, assim como Bradesco (BBDC4) e Itaú (ITUB4), favorecendo o avanço do Ibovespa nesta terça-feira.

Tensão internacional e Fed

Os mercados seguiram acompanhando os riscos envolvendo tensões aumentadas entre Rússia, Ucrânia, Europa e EUA, depois de Washington ter colocado 8.500 soldados em alerta para eventual ida à Europa em caso de uma escalada na crise na Ucrânia. Moscou disse estar observando as movimentações com grande preocupação.

Além disso, investidores mantinham dose de ansiedade sobre o banco central norte-americano (Fed), que começa nesta terça reunião de política monetária que se encerra na quarta, quando o Fed deverá confirmar planos de elevar os juros em março e poderá dar sinais sobre o que pretende fazer com seu balanço patrimonial.

Altas de juros nos EUA costumam minar ativos emergentes, caso do real, mas alguns analistas têm dito que muito está no preço da taxa de câmbio já. Ainda assim, o nervosismo persistia.

Bolsas mundiais

Wall Street

Wall Street fechou em queda nesta terça-feira, com ações de tecnologia sensíveis às taxas de juros pesando mais fortemente enquanto incertezas sobre um Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) cada vez mais “hawkish” (duro com a inflação) e crescentes tensões geopolíticas contribuíram para a agitação do mercado.

Europa

As ações europeias se estabilizavam nesta terça-feira, após sua pior queda desde junho de 2020, acompanhando nesta manhã a recuperação de Wall Street do fim da tarde da véspera, enquanto balanços de Ericsson e Logitech ofereciam algum ânimo.

Temores sobre movimentos agressivos de aperto da política monetária pelo banco central dos EUA e potencial conflito militar na Ucrânia impuseram uma sessão volátil a Wall Street na segunda-feira, com os principais índices oscilando violentamente ao longo do dia, mas fechando em alta.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançava 0,88%, a 7.361,06 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subia 0,72%, a 15.118,50 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhava 0,97%, a 6.853,64 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib tinha valorização de 0,49%, a 26.100,03 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrava alta de 1,02%, a 8.503,50 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 valorizava-se 0,34%, a 5.447,60 pontos.

Bolsas asiáticas

Os mercados de ações da China fecharam numa mínima em 15 meses, arrastadas por preocupações de que o banco central norte-americano possa apertar a política monetária e por incertezas nos mercados antes do feriado do Ano Novo chinês. O índice blue-chip CSI300 caiu para o menor patamar desde outubro de 2020.

Quase 94% das ações listadas nos mercados de ações A da China caíram, de acordo com dados do provedor de serviços de informações financeiras Wind.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei caiu 1,66%, a 27.131,34 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 1,67%, a 24.243,61 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 2,58%, a 3.433,06 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 2,26%, a 4.678,45 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 2,56%, a 2.720,39 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 1,60%, a 17.701,12 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 1,08%, a 3.247,76 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 2,49%, a 6.961,60 pontos.

Veja também

Investir em Ações é ainda mais fácil com taxa de corretagem ZERO! Aproveite agora

Anúncio Patrocinado Super Week Temporada de balanços Super Week Temporada de balanços
ANÚNCIO PATROCINADO      Conheça a carteira recomenda de dividendos

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Carteira Top 10