Siga nossas redes

Finanças

Operar vendido na Bolsa: as táticas e os cuidados de quem lucra com a prática

Estratégia envolve o aluguel de ações, que movimentou R$ 88 bilhões em ativos em dezembro, maior valor desde 2013.

Publicado

em

Você sabia que é possível lucrar apostando “na queda” de um ativo na Bolsa? Esta operação é conhecida como “operar vendido” (ou operar short ou, ainda, venda a descoberto). Basicamente, significa vender um ativo de renda variável que você não tem na sua carteira, a um determinado preço, e torcer pela desvalorização dele.

Confuso? Imagine a seguinte situação: a ação da empresa fictícia ABC está sendo negociada a R$ 20 e você acredita – com base em dados e não em intuição, hein! – que o valor do ativo vai desvalorizar 5%. A partir disso, você pode comprar um lote de 100 ações e vendê-lo pelo preço atual de R$ 20, totalizando R$ 2.000. 

Se a sua previsão se concretizar e a ação desvalorizar 5%, você pode comprar o mesmo lote por um preço inferior e sair com 5% de lucro ao vendê-lo novamente, pagando uma taxa pelo aluguel. Porém, o inverso também pode ocorrer e, no mínimo, você perderá alguma parte desse valor investido (vide o filme de Adam McKay com Christian Bale, “A Grande Aposta”). Por isso é importante sempre ter uma margem de garantia para esta operação.

Caso você não tenha ações, você pode alugá-las com corretoras. Porém, como você estará vendendo ações que não são exatamente suas, a Bolsa exige que você tenha garantias (ativos que podem ser vendidos caso você não honre a obrigação de devolver ao doador as ações alugadas). O valor de garantia também varia de corretora para corretora.

Custos da operação

Para operar vendido, é necessário pagar uma taxa de corretagem no momento da compra e venda das ações e taxa de BTC (que é o custo do aluguel e varia de acordo com a ação envolvida), além de uma comissão de intermediação anual para o tomador, sendo o mínimo de R$ 10, da B3. As informações sobre as taxas praticadas atualmente estão disponíveis no site da Bolsa.

Perfil arrojado

João Carlos Pinilla, de 46 anos, é investidor desde 2004. Depois que perdeu mais de R$ 500 mil na bolsa, ele optou por operar somente vendido. Hoje, ele investe praticamente 100% do seu dinheiro em ações da Petrobras e utiliza somente gráficos para escolher onde investir.

“Operar vendido, para mim, é o melhor dos mundos. Eu só ganhei dinheiro operando vendido. Você consegue ganhar em três situações de mercado: subindo levemente, com mercado lateral, e mercado em queda”, relata o investidor.

No ano passado, após a queda na taxa de juros para o menor patamar da história, a participação do capital nacional no mercado de ações ultrapassou o volume de dinheiro estrangeiro – 52% contra 48%. Em dezembro de 2019, foram colocados em empréstimo mais de R$ 88 bilhões em ações – maior valor desde 2013-, segundo dados da B3.

Apesar dos números, João acredita que operar vendido ainda é uma estratégia pouco comum entre os brasileiros. “Aqui no Brasil, se você opera vendido, parece que você é um um bicho de sete cabeças, sendo que nos EUA existe a profissão de trader que só opera assim. E você encontra oportunidades boas duas, três vezes por ano, apenas, em que você realmente ganha dinheiro”, diz o trader.

Riscos

De acordo com o especialista em ações da Levante Investimentos, Eduardo Guimarães, o investidor deve ser cauteloso ao escolher este tipo de estratégia, já que o mercado pode entrar em tendência de alta e a Bolsa pode exigir mais garantias do investidor. 

O analista também sugere que o trader opte pelo pair trading, que é a negociação de dois ativos similares negociados em pontas opostas, um na compra e outro na venda, ao invés de só operar na venda. A expectativa é que a ponta posicionada na compra (aposta na alta) tenha melhor performance do que a ponta vendida (aposta na baixa) e isso representa um menor risco para o investidor.

“Se você não for experiente, procure um fundo especializado nessa operação. Para quem já tem experiência, recomendo que faça uma operação relativa também em posição comprado, e não comprometa mais do que 5% do patrimônio neste tipo de operação”, alerta Guimarães.

Entenda os conceitos que envolvem a aposta na queda de um ativo:

Aluguel de ações: Prática entre investidores que acreditam que um ativo vai desvalorizar. A ideia é alugar a ação, vendê-la antes da possível queda e recomprá-la a um preço menor. O lucro vem ao devolver a ação ao doador, que recebe uma taxa de aluguel por essa operação.

Long & short (pair trading): Consiste em negociar dois ativos similares em pontas opostas, um na compra e outro na venda. Podem ser duas ações de um mesmo setor, como Itaú Unibanco e Bradesco. Ou ações ordinárias (ON) e preferenciais (PN) de uma mesma empresa, como Petrobras. É possível vender uma ação que você não possui (short) e, com este dinheiro, comprar uma ação que, para você deve subir (long).

Quer investir sem pagar Imposto de Renda? Faça seu dinheiro render mais com as LCIs e LCAs na Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.