Siga nossas redes

Finanças

Pedido de impeachment de Bolsonaro não afeta mercado financeiro, dizem analistas

Avaliação é de que não há chances de o impeachment ocorrer de fato, mas ambiente político deve seguir conturbado.

Publicado

em

10/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino

O pedido de impeachment de Jair Bolsonaro protocolado no final da tarde desta quarta-feira (30) pouco mexeu com dólar e Ibovespa. Apesar do cenário político conturbado, com denúncias de corrupção no governo na compra de vacinas, analistas ouvidos pelo InvestNews não esperam que o contexto político traga movimentos bruscos ao mercado financeiro – ao menos no curto prazo. O motivo é a falta de perspectivas de que um impeachment ocorra de fato. 

Batizada de “superpedido” de impeachment, a medida foi tomada por partidos e parlamentares de diversos campos ideológicos, incluindo de direita, além de movimentos sociais, entidades e pessoas físicas, que apontam crimes cometidos por Bolsonaro desde o início do mandato. O pedido se soma a vários outros já feitos desde o início do mandato. 

“Quem aceita pedidos de impeachment é o presidente da Câmara e, neste mandato, já foram enviadas mais de 100 solicitações, todas ignoradas pelo Arthur Lira (PP-AL), atualmente no comando da Casa. Por agora, o cenário não muda, apesar da ação simbólica de chamarem de ‘superpedido’”, comentou Felipe Berenguer, analista político da Levante. 

Aldo Filho, analista da Aware Investments, acrescenta que “é sabido que o líder da Câmara é aliado do presidente, assim como o do Senado, e temos pautas relevantes, como a Reforma Tributária, a serem apreciadas”. “Acredito que não serão deixadas de lado para análise deste pedido de ex-aliados e oposição”, afirma. 

Outro fator que alimenta as previsões do mercado de que não haverá impeachment de Bolsonaro é o calendário, comenta Caio Kanaan Eboli, sócio e diretor operacional da mesa proprietária Axia Investing. “Outro ponto a favor de Bolsonaro é o calendário de trabalhos da CPI, que deve se estender até o segundo semestre, e acredito que será tarde para iniciar um processo de impeachment – praticamente às vésperas do início do ano eleitoral”, diz ele. 

Mercado financeiro x crise política

Fatos como denúncia de corrupção e pedido de impeachment “é o tipo de notícia que o investidor terá que se acostumar a partir de agora, conforme se aproxima o ano eleitoral que será enormemente polarizado, somado a um alto desemprego e um país ainda traumatizado pela covid-19”, diz João Beck, economista e sócio da BRA. 

O especialista acredita que, para o investidor, “vai ser muito difícil separar notícias de impacto ou simples ruídos passageiros”.

Apesar de não acreditar que o mercado sofra forte impacto pelo noticiário político neste primeiro momento, Aldo Filho ressalva que “qualquer indício de descontentamento com o governo é motivo de alerta, e parte disso foi refletido na curva de juros hoje”. “Mas ainda há um caminho longo a percorrer para que haja efetivamente o impeachment do presidente”, diz ele. 

Eboli diz que “tudo isso não significa que a CPI da Covid será um paraíso e com certeza será um desgaste para o governo e para o presidente”, mas também vê o impeachment como uma possibilidade improvável. 

Nesse sentido, a expectativa é de que a tendência do mercado financeiro não seja alterada neste momento pela política, conforme afirma Rossano Oltramari, sócio e estrategista da 051 Capital. “Eu não acredito que esse pedido possa vir a afetar, mudar uma tendência do mercado. A não ser que tenhamos algum movimento mais consolidado, um fato novo que possa criar um ambiente para um impeachment. Eu, hoje, não vejo esse ambiente.”

Veja também:

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!