Siga nossas redes

Finanças

Renda fixa no vermelho e dólar forte: o ranking dos investimentos em setembro

Nem o ouro, que costuma ir bem quando tudo vai mal, conseguiu escapar em um mês marcado pelo risco fiscal e correção das bolsas no exterior.

Publicado

em

investimentos

Mais um mês para ser esquecido: setembro de 2020 foi de queda generalizada para as principais classes de investimentos. Até os papéis mais estáveis da renda fixa, como os títulos do Tesouro Direto, acumularam perdas expressivas. Nem o ouro, que costuma ir bem quando tudo vai mal, conseguiu escapar dessa vez: sofreu uma desvalorização de 1,61% no mês passado, afetado pelo avanço do dólar. Veja a seguir os principais destaques do período:

MAIS: Easynvest inclui Vale, Magalu e Eneva em carteira de ações para outubro

Dólar ganhou força

A exceção foi a moeda norte-americana, que avançou 2,37% frente ao real e terminou o mês negociada em R$ 5,61. No ano, o dólar acumulou alta ao redor de 40%, enquanto a moeda brasileira teve o pior desempenho no mercado internacional, superando a lira turca. No mês, o DXY, que mede a variação do dólar frente a uma cesta de 6 moedas, subiu 1,89%, com o aumento da busca por segurança. No trimestre, entretanto, o índice acumulou perdas de 3,60%. 

Inflação pressionada

Entre os indexadores, chamou atenção o avanço de 4,34% do IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado), índice de inflação usado para corrigir contratos de aluguel. Em 12 meses, ele acumulou alta de 17,94%, pressionado principalmente pela alta do dólar e pelo componente de preços no atacado. Já a inflação oficial medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) deve fechar setembro com alta de 0,49%.

Preocupação fiscal cresceu

O risco fiscal foi o maior fator de tensão que pesou sobre o real. A desconfiança do mercado quanto ao compromisso do governo em torno do teto de gastos já era grande, mas só aumentou diante do impasse sobre de onde viriam os recursos do programa Renda Brasil (agora chamado de Renda Cidadã). A incerteza sobre o andamento das reformas do Congresso também cobrou seu preço.

Mês de correção das big techs

Lá fora, foi um mês de correção das bolsas, que encerrou o ciclo virtuoso das ações de tecnologia: vimos gigantes como Alphabet, Amazon e Facebook passando para o terreno negativo, a ponto de levantar suspeitas de uma possível bolha das big techs. Mas logo veio o aumento de casos da covid-19 em países da Europa, o que fez ressurgir temores de uma segunda onda da pandemia. O mercado de ações não segurou a barra.

Ações ficaram no vermelho

Tanto que o principal indicador da bolsa brasileira, o Ibovespa, perdeu 4,79% em setembro, no patamar de 94,6 mil pontos, só ficando atrás do desempenho de outros índices setoriais da B3: o IMOB, que reúne ações do setor imobiliário e que recuou 8%, e o de small caps (SMLL), composto por papéis de empresas menos negociadas na bolsa, e que teve uma retração de 5,45%. Veja quais foram as melhores e piores ações do Ibovespa no mês.

Renda fixa não escapou dessa vez

Na renda fixa, o IMA-Geral, indicador da Anbima que mede o desempenho dos títulos públicos, ficou negativo em setembro (-0,81%), com destaque para o Tesouro IPCA+ (medido pelo IMA-B), que recuou mais de 2% no mês passado, e o Tesouro Selic (IMA-S), que ficou no vermelho pela primeira vez, contagiando os fundos de renda fixa, que tiveram retornos pífios, como os referenciados na taxa DI.

ATIVO/ÍNDICECATEGORIASETEMBRO
Setor imobiliário (IMOB)*Renda variável-8%
Small Caps (SMLL)*Renda variável-5,45%
IbovespaRenda variável-4,79%
Índice de dividendos (IDIV)*Renda variável-4,62%
Ações de varejo (ICON)*Renda variável-3,95%
Fundos de ações investimento no exterior**Renda variável-2,99%
Fundos de ações (livre)**Renda variável-2,82%
Tesouro IPCA+ (IMA-B)*Renda fixa-2,05%
OuroRenda variável-1,61%
Títulos públicos (IMA–Geral)*Renda fixa-0,81%
Fundos multimercados (livre)**Renda variável-0,71%
Tesouro Selic (IMA-S)*Renda fixa-0,19%
Fundos de renda fixa indexados**Renda fixa-0,19%
Fundos de renda fixa investimento no exterior**Renda fixa0,02%
Fundos de renda fixa simples**Renda fixa0,02%
Fundos DI (média) Renda fixa 0,05/0,15%
PoupançaRenda fixa0,12%
CDBs (média)Renda fixa0,15/0,20%
Fundos imobiliários (IFIX)*Renda variável0,33%
IPCA (estimativa)Inflação0,49%
Euro/mercadoRenda variável0,68%
Dólar/realRenda variável2,37%
IGP-M (índice do aluguel)Inflação4,34%

*Até 29/09

**Até 24/09, último dado disponibilizado pela Anbima

Fonte: B3, Fabio Colombo, Anbima e Banco Central

Proteja seu patrimônio das variações cambiais ou ganhe dinheiro com elas. Invista em Contratos de Dólar pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.