Siga nossas redes

Finanças

Veja as 5 ações que mais subiram e caíram na semana

Ibovespa continua em ritmo de alta, mas os 120 mil pontos ainda estão fora de cogitação

Publicado

em

por

Katherine Rivas
bolsa

Mais uma semana chegou ao fim, por sorte o Ibovespa permanece como queremos: em alta. Ignorando a troca de farpas entre China e EUA, consulados fechando e Trump fazendo joguinhos geopolíticos, o índice brasileiro fechou esta sexta-feira (24) estável com leve variação de 0,09% aos 102.381 pontos. Na semana o índice recuou apenas 0,49%.

Contudo, a grande expectativa é com a valorização do mês de julho. Faltando apenas uma semana para fechar o mês o Ibovespa acumula alta de 7,71%. Desempenho um pouco menor do que o mês de junho, quando subiu 8,76%, e do mês de maio quando avançou 8,57%.

Para Felipe Ruiz, sócio diretor do Ações Garantem o Futuro não há nada do que se preocupar em relação a valorização da bolsa no mês de julho. Tudo indica que a performance menor do índice ocorre em um cenário diferente para o Ibovespa. “O crescimento de maio e junho foi superior porque as ações estavam a preço de pechincha. Outro fator foi a Selic em queda que facilitou o ingresso dos novos investidores pessoa física que movimentaram a bolsa”, explica.

Com um crescimento mais devagar do índice, Ruiz ainda enxerga distantes os tão sonhados 120 mil pontos, que acredita não sejam nada além do que o chute do desejo dos investidores. Contudo, reforça que para o mês de agosto os desafios são outros:

  • A expectativa do mercado com os resultados das companhias no 2º trimestre, especialmente com grandes bancos e blue chips como Petrobras (PETR4) e Vale (VALE3)
  • A reforma tributária que precisa ter avanços nas suas 4 fases. Até o momento só foi apresentada a fase 1 que unifica o PIS e Cofins. O debate de tributação de dividendos ainda está pendente.
  • O acirramento das tensões entre China e EUA, fato que traz uma conotação geopolítica relacionada com a reeleição de Trump.
  • Novos avanços com a vacina da Covid-19

Maiores Altas

O destaque positivo da semana foi da WEG (WEGE3) que teve alta acumulada de 14,84%. A companhia é considerada uma das mais resilientes do Ibovespa e não teve perdas na pandemia. Longe disso, no ano de 2020 já acumula alta de 93,30%.

Ruiz avalia que a alta da companhia nesta semana foi motivada pelos bons resultados no seu balanço do 2º trimestre, onde seu lucro líquido subiu 32% comparado com o mesmo período em 2019. O lucro líquido do segundo trimestre foi de R$ 514,4 milhões.  “A rentabilidade da WEG, uma das maiores altas do Ibovespa neste ano, é fruto de uma gestão com controladores competentes e a diversificação de negócios da companhia. Além de uma economia digital muito representativa”, explica.

A segunda maior alta da semana foi a Suzano (SUZB3) que avançou 6,15%. Segundo o especialista, a companhia ficou no radar dos bancos após o BNDES decidir sondar com o mercado a venda da sua participação em certas companhias, entre estas Suzano, Klabin, Vale e Petrobras. “Ajudou também que o Bradesco BBI escolheu a Suzano como sua companhia preferida de papel e celulose na América Latina, elevando o preço-alvo para R$58”, aponta Ruiz.

A terceira maior alta da semana foi a Cemig (CMIG4), que entre as companhias de energia estava um pouco esquecida. E foi chamada muitas vezes de patinho feio do setor. Mas, voltou ao radar após o ministério de Minas e Energia afirmar que em agosto serão apresentadas novas medidas para o setor. “Esta semana a companhia anunciou em fato relevante que tem interesse em prorrogar as concessões de duas usinas, o que comprova que a empresa tem uma capacidade financeira melhor do que o passado após seu processo de turn around”, avalia o especialista.

Veja as 5 maiores altas da semana:

AçõesAlta
WEG (WEGE3)14.84%
Suzano (SUZB3)6.15%
Cemig (CMIG4) 6.00%
Ambev (ABEV3)5.44%
Brasileira de Distribuição (PCAR3) 5.34%

Maiores Quedas

A maior queda da semana foi da Cogna (COGN3) que caiu 10,91% no acumulado. O grupo educacional vai na contramão dos acontecimentos e apesar de ter o IPO da subsidiária Vasta aprovado nos EUA recuou com força. Segundo Ruiz, isso se deve ao fato que a companhia tem um “efeito manada” do investidor. “Este é um papel que cresceu muito graças a exposição dos investidores pessoa física. O seu desempenho segue o efeito manada além de uma realização de lucros”, comenta.

Apesar do IPO da Vasta estar caminhando, Ruiz avalia que os investidores não ficaram muito contentes. “Era esperada uma captação de R$ 3 bilhões e segundo estimativas o resultado deve ser muito menor o que gerou frustração no mercado”.

A segunda maior queda da semana foi a Gol (GOLL4) que recuou 9,42%. Para o especialista, a companhia que já está em uma situação complicada teve alguns agravantes. Entre estes: O rebaixamento da sua nota de crédito pelo S&P de B- para CCC+; a companhia reagiu negativamente ao IPCA 15, os preços das passagens tiveram perdas de 4,15% em julho. E há rumores no mercado de que a ajuda do BNDES pode demorar em chegar.

E na terceira posição está a BR Malls (BRML3) que teve queda de 9,09%. Segundo Ruiz esta companhia sofreu os impactos da reforma tributária, ainda em debates iniciais. “A proposta de unificar PIS e Cofins em um imposto novo pode comprometer até 5% da receita líquida da empresa”, aponta.

Veja as 5 maiores quedas da semana:

AçõesQueda
Cogna (COGN3)-10.91%
Gol (GOLL4) -9.42%
BR Malls (BRML3) -9.09%
TIM Brasil (TIMP3) -8.97%
Qualicorp (QUAL3) -8.02%

Compre ações através da melhor plataforma do mercado: Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.