Siga nossas redes

Geral

5 fatos pra hoje: aumento no número de MEIs e ciberataque no Fleury

Parte dos sistemas da empresa ficaram indisponíveis na terça-feira (22).

Publicado

em

Foto: Divulgação

1- Microempresas individuais puxam a criação de empresas em março

O mês de de março registrou a criação de 351.714 empresas no país, um aumento de 17,9% em comparação com igual período de 2020. A abertura das empresas em março, o último mês com dados consolidados, foi impulsionada pelo crescimento das microempresas individuais (MEIs) e dos negócios do setor de serviços. Os dados, divulgados hoje (22), são do Indicador Nascimento de Empresas da Serasa Experian. 

Segundo o levantamento, do total de 351.714 empresas criadas em março, 240.166 foram do setor de serviços (68,2%); 81.890, do comércio (23,3%); 26.419, da indústria (7,6); e demais, 3.239 (0,9%). Quanto à natureza jurídica, foram abertas 282.211 MEIs (80,3%); 45.145 sociedades limitadas (12,9%); 10.383 empresas individuais (2,9%); e 13.965, outros tipos (3,9%).

“As pessoas seguem optando por investir na abertura de empresas para geração de renda, já que o desemprego continua em alta”, destacou o economista da Serasa Experian Luiz Rabi.

Em comparação à março do ano passado, as sociedades limitadas tiveram o maior crescimento do mês, com alta de 67,3%. “O aumento desse tipo de empresa pode indicar que os empreendedores estão preferindo trabalhar em sociedade para garantir, principalmente, apoio financeiro em meio à crise econômica, já que o investimento inicial costuma ser decisivo para garantir a saúde e o sucesso do novo negócio”, ressaltou Rabi.

O Sudeste registrou o maior número de empresas abertas (178,3 mil), seguido do Sul (63,7 mil), Nordeste (58 mil), Centro-Oeste (31,7 mil), e Norte (19,7 mil).

2- Petrobras buscará esforço extra em combate à crise hídrica após pedido da Aneel, diz CEO

A Petrobras alocará equipes técnicas para buscar formas de contribuir mais para a garantia do abastecimento elétrico do Brasil, em meio a uma crise dos reservatórios de hidrelétricas, após a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pedir esforços adicionais da estatal, disseram os chefes de ambas as partes à Reuters.

Dentre as medidas em estudo, a petroleira poderá aumentar mais a oferta de gás natural, para atender o acionamento maior de térmicas, além de disponibilizar mais infraestrutura e logística e, eventualmente, aumentar a própria geração de energia.

O esforço extra foi debatido nesta terça-feira em um encontro entre o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, e o presidente da petroleira, Joaquim Silva e Luna, na capital federal.

“A Petrobras continua cada vez mais empenhada em contribuir com a mitigação do problema energético provocado pela baixa afluência hídrica desse período”, disse Luna.

O pedido de mais apoio da Petrobras vem enquanto o governo adota diversas medidas para evitar falta de energia, após o Brasil ter registrado a pior estação chuvosa para as hidrelétricas – principal fonte geradora do país – em mais de 90 anos.

“A Petrobras está fazendo um grande esforço no diálogo com o setor elétrico para enfrentar a crise hídrica. Nós da Aneel reconhecemos esse grande esforço e solicitamos ações adicionais para aumentar a oferta de geração”, disse Pepitone.

Na próxima semana, equipes técnicas da Aneel e da Petrobras se reunirão para avaliar a possibilidade de implementar novas medidas, acrescentou a assessoria de imprensa da Petrobras. Não foi acertado ainda, no entanto, um cronograma para as possíveis ações.

A Petrobras já vem adotando, desde o início de 2021, ações para ampliar a oferta de gás e colaborar com a maior geração de energia termelétrica, segundo a Reuters publicou anteriormente. A companhia tomou medidas com potencial de elevar em 36% a oferta de gás natural na comparação com a demanda registrada no primeiro trimestre deste ano, com maior importação e maximização de produção de algumas unidades.

Representantes do setor elétrico temem uma piora do quadro em agosto, quando historicamente os níveis de chuva são mais baixos no ano.

3- Fleury é alvo de ciberataque e afirma que soluções de contingência foram adotadas

O Grupo Fleury informou em comunicado ao mercado que devido ao ataque cibernético que atingiu seu ambiente de Tecnologia da Informação (TI) nesta terça-feira, 22, parte de seus sistemas e operação ficaram indisponíveis. A rede de laboratórios afirma ainda ter adotado todas as medidas para manter o atendimento aos seus clientes por meio de soluções de contingência.

No texto, a empresa afirma ainda ter seguido seus protocolos de segurança e controle para minimizar os impactos e que “neste momento, atua de forma diligente e com foco para mitigar os efeitos causados, bem como avaliar a extensão do incidente”.

No final da tarde, a empresa confirmou em nota enviada ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que seus sistemas estavam indisponíveis após uma tentativa de ataque cibernético.

4- CPI da Covid pode investigar plataformas de redes sociais, diz Aziz

O presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou nesta terça-feira que as plataformas de redes sociais, cujos representantes forem convocados a prestar esclarecimentos na condição de testemunhas à comissão, podem passar a ser investigados pelo colegiado.

Na semana passada, o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou requerimentos de convocação dos representantes do Google, Facebook e Twitter no Brasil. Os pedidos, entretanto, ainda não foram votados pelo colegiado.

Nesta terça, Aziz disse que eles estão sendo convocados como testemunhas de crimes que estão sendo cometidos pela internet. “Prescrever medicamentos via Youtube, Instagram, Twitter, isso é um crime, um crime as pessoas estarem postando foto de coisas”, disse Aziz.

“Aliás, eles estão sendo convocados como testemunhas, mas poderão passar a ser sim investigados se assim a comissão decidir. Então é bom eles virem aqui e explicar direitinho que plataforma é essa que permite que, para uma doença tão difícil e tão dolorida para o Brasil, eles ainda permitam que as suas plataformas fiquem propagando medicamento que não tem nenhum tipo de resultado científico”, disse.

“Eles não estão vindo porque são nossos amigos não, não estão convidados para a festa”, completou o presidente da CPI.

Procurado, o Twitter disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que não comentará as declarações do presidente da CPI e, ao mesmo tempo, afirmou que tem adotado iniciativas para “proteger a conversa em torno da pandemia”, como atualização de regras sobre conteúdos potencialmente enganosos que possam expor as pessoas a riscos e inclusão de um link com informações confiáveis sobre Covid-19 na busca da plataforma.

O Facebook, por sua vez, informou que não comentará as declarações do presidente da CPI da Covid e o Google não respondeu aos pedidos por comentários.

5- Bolsonaro, sobre autonomia do BC: se Deus quiser, STF vai garantir o já votado

O presidente Jair Bolsonaro defendeu a manutenção da lei que concedeu autonomia ao Banco Central. O texto, sancionado por Bolsonaro em fevereiro deste ano, está sendo questionado no Supremo Tribunal Federal (STF), que deverá retomar o julgamento do processo na sexta-feira, 25.

“A autonomia do Banco Central se deve a você, Roberto Campos Neto, presidente da autoridade monetária. Todos confiam em você, nós confiamos a você o destino da nossa economia. Se Deus quiser, o Supremo vai garantir o que foi votado pelo parlamento”, disse Bolsonaro.

Em cerimônia de lançamento do Plano Safra, Bolsonaro elogiou também o ministro da Economia, Paulo Guedes, que disse estar fazendo um “trabalho excepcional” para o Brasil, mas atribuiu a recuperação econômica do País, conjuntamente, a Guedes e Campos Neto.

(*Com informações de Reuters, Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

Veja também

Compre Ações em apenas 3 cliques e aproveite taxa ZERO de corretagem! Invista já

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.