Siga nossas redes

Geral

Ficou sabendo? Musk acusado, Airbnb processa NY e iPhones hackeados na Rússia

Manipulação da criptomoeda Dogecoin teria custado bilhões de dólares a investidores.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

Elon Musk é acusado de insider trading em processo sobre Dogecoin

Elon Musk está sendo acusado de insider trading em uma ação coletiva aberta por investidores que acusam o presidente-executivo da Tesla (TSLA34) de manipulação da criptomoeda Dogecoin, o que lhes custou bilhões de dólares.

Em um processo apresentado na quarta-feira (31) à noite no tribunal federal de Manhattan, investidores disseram que Musk usou publicações no Twitter(TWTR34), pagou influenciadores online, e usou sua aparição em 2021 no programa “Saturday Night Live”, da NBC, e outras “acrobacias publicitárias” para fazer trades lucrativos em detrimento dos investidores por meio de diversas carteiras de Dogecoin controladas por ele ou pela Tesla.

Elon Musk e a criptomoeda Dogecoin 16/6/2022 REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração

Investidores disseram que isso incluiu quando Musk vendeu cerca de US$ 124 milhões em Dogecoin em abril, depois de substituir o logotipo do pássaro azul do Twitter pelo logotipo do cachorro Shiba Inu, da Dogecoin, levando a um salto de 30% no preço da criptomoeda.

Uma conduta deliberada de anúncios sensacionalistas, “manipulação de mercado e insider trading” permitiu que Musk lesasse os investidores e promovesse a si mesmo e suas empresas, disse o documento.

Alex Spiro, advogado de Musk e Tesla, se recusou a comentar nesta quinta-feira. O advogado dos investidores não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Airbnb processa cidade de Nova York por restrições de aluguel de curto prazo

O Airbnb entrou com uma ação contra a cidade de Nova York nesta quinta-feira (1º) por causa de uma nova lei que chamou de “proibição de fato” contra aluguéis de curto prazo, que entrará em vigor em julho, que a empresa diz que limitará o número de pessoas que podem oferecer acomodações para aluguel na cidade.

Os conselhos municipais nos Estados Unidos estão cada vez mais introduzindo decretos para regular aluguéis de curto prazo, o que, em alguns casos, exigirá que os anfitriões obtenham licenças e paguem taxas de registro ou limitem o número de aluguéis de curto prazo nos distritos comerciais.

Nova York (Foto: Pixabay)
Nova York (Foto: Pixabay)

O processo da empresa na Suprema Corte do Estado de Nova York diz que o conselho da cidade de Nova York, por meio de legislação aprovada em 2022, implementou efetivamente “o seu esquema regulatório mais extremo e opressivo até o momento, que funciona como uma proibição de fato contra aluguéis de curto prazo em Nova York”.

O Airbnb, em uma carta aos anfitriões, afirmou que “a presente ação só foi tomada após esgotar todas as opções disponíveis para uma solução sensata com a cidade”.

De acordo com o documento, a lei tornará mais difícil para os anfitriões fazerem negócios, exigindo que eles se registrem no Gabinete de Fiscalização Especial (OSE) da Prefeitura de Nova York e certifiquem-se de que cumprirão “a complexa rede de regulações” referentes a zoneamento, lei de habitação múltipla, código de manutenção de habitação e código de construção.

As revisões das inscrições pelo OSE garantirão que “apenas um número insignificante de anfitriões seja concedido registro”, disse o Airbnb no documento.

O OSE não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Rússia diz que EUA hackearam milhares de telefones da Apple em plano de espionagem

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) disse nesta quinta-feira ter descoberto uma operação de espionagem norte-americana que comprometeu milhares de iPhones por meio de um sofisticado software de vigilância.

O FSB, o principal sucessor da antiga KGB, disse em comunicado que milhares de dispositivos da Apple foram comprometidos, incluindo de assinantes domésticos russos e de diplomatas estrangeiros na Rússia e em países da antiga União Soviética.

Consumidor testa smartphone durante o lançamento dos iPhones XS e XS Max na “re:Store”, revendedora da Apple em Moscou, Russia 28/09/2018 REUTERS/Tatyana Makeyeva

“O FSB descobriu uma ação de inteligência dos serviços especiais americanos usando dispositivos móveis da Apple”, disse o órgão em comunicado.

O FSB afirmou que o complô mostrou “estreita cooperação” entre a Apple e a Agência de Segurança Nacional (NSA), órgão dos EUA responsável pela inteligência e segurança criptográfica e de comunicações.

O FSB não forneceu evidências de que a Apple cooperou ou teve conhecimento da campanha de espionagem.

A Kaspersky Lab, com sede em Moscou, afirmou que dezenas de dispositivos de seus funcionários foram comprometidos na operação.

A Apple, em comunicado, negou a acusação. A empresa afirmou que nunca trabalhou com qualquer governo para inserir um acesso clandestino em qualquer produto, e nunca fará isso.

A NSA não comentou.

A Kaspersky disse, também em comunicado, que nunca trabalhou com nenhum governo para inserir acesso clandestino em qualquer produto da Apple e nunca o fará.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.