Siga nossas redes

Geral

Na ONU, Lula cobra de países ricos investimentos contra mudanças climáticas

Presidente lembrou que Acordo de Paris previa investimentos anuais de US$ 100 bilhões que não foram feitos

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 3 minutos

Ao abrir a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou o mundo rico pelo investimento prometido para combater as mudanças climáticas, alertando que a crise afeta sobretudo os mais pobres.

Lula começou sua fala prestando solidariedade às populações de Líbia e Marrocos por recentes tragédias (uma tempestade e um terremoto) que mataram milhares de pessoas, e também citou os efeitos do ciclone no sul do Brasil.

Lula discursa na Assembleia Geral da ONU 19/9/2023 REUTERS/Mike Segar

“Agir contra a mudança do clima implica pensar no amanhã e enfrentar desigualdades históricas. Os países ricos cresceram baseados em um modelo com altas taxas de emissões de gases danosos ao clima. A emergência climática torna urgente uma correção de rumos e a implementação do que já foi acordado”, disse Lula a uma plateia de líderes mundiais.

“Não é por outra razão que falamos em responsabilidades comuns, mas diferenciadas. São as populações vulneráveis do Sul Global as mais afetadas pelas perdas e danos causados pela mudança do clima. Os 10% mais ricos da população mundial são responsáveis por quase a metade de todo o carbono lançado na atmosfera. Nós, países em desenvolvimento, não queremos repetir esse modelo“.

Lula cobrou os países mais ricos pelos investimentos necessários para políticas de mitigação e adaptação nos países mais pobres, uma fala que vem sendo recorrente nos discursos do presidente em fóruns internacionais. A promessa no Acordo de Paris seria de um investimento de US$ 100 bilhões por ano até 2025, o que não foi cumprido. “Hoje esse valor seria insuficiente para uma demanda que já chega à casa dos trilhões de dólares”, afirmou.

Valorização da Amazônia

Em sua fala sobre meio ambiente durante o discurso, o presidente lembrou os avanços que o Brasil já fez nos quase nove primeiros meses de seu governo, com a queda de 48% no desmatamento da Amazônia desde o início do ano. Ele também celebrou a matriz energética limpa do Brasil e o potencial da região, no que foi aplaudido.

Lula deixou claro que os países detentores de florestas tropicais, em especial a Amazônia, querem falar por si. Citou sobre o assunto a realização da Cúpula de Belém em agosto e lembrando que a região tem 50 milhões de habitantes, além de ressaltar o diálogo com outros países, como Indonésia e Congo.

Em seu oitavo discurso nas Nações Unidas, o primeiro do terceiro mandato, o presidente lembrou que há 20 anos abria pela primeira vez a Assembleia Geral, em seu primeiro ano como presidente. Ele lembrou que, na época, as mudanças climáticas ainda não eram a emergência que são hoje.

“Hoje, ela bate às nossas portas, destrói nossas casas, nossas cidades, nossos países, mata e impõe perdas e sofrimentos a nossos irmãos, sobretudo os mais pobres”, alertou.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.