Siga nossas redes

Negócios

Como a Apple quer usar a IA para fazer você comprar outro iPhone

A Apple Intelligence só vai chegar a 5% da base atual de iPhones e é aposta da maçã para impulsionar as vendas, em queda

O estardalhaço no lançamento da Apple Intelligence vai além de anunciar que a Apple finalmente debutou no mundo da inteligência artificial. Serve também para reverter uma tendência perigosa para o futuro da maçã: as vendas globais de iPhones caíram 10% no primeiro trimestre deste ano – o maior tombo desde a pandemia.

Um dos motivos para as vendas menores é a falta de apelo dos modelos mais recentes. Um iPhone 15, de 2023, não é um produto tão mais chamativo que um iPhone 13, de 2021. Há poucas razões para trocar. E é aí que entra a AI (com o perdão do excesso de vogais).

Os novos serviços de inteligência artificial só funcionam nos aparelhos mais novos. Ou você troca o seu modelo antiguinho ou fica fora da brincadeira.

Somente 5% dos iPhones atualmente em funcionamento receberão a Apple Intelligence – entre eles estão iPhone 15 Pro e o iPhone 15 Pro Max, os dois mais caros (os demais são iPads e Macs). Ou seja, a Apple está apostando alto na demanda pela família iPhone 16, que deve ser lançada em setembro deste ano.

LEIA MAIS: Apple – finalmente – entra na onda da IA: entenda a Apple Intelligence e a parceria com o ChatGPT

Um dos grandes problemas da maçã é a China, maior mercado do mundo. Os novos aparelhos da Huawei são as estrelas ascendentes por lá – o que gerou até uma investigação por parte do governo americano – e derrubando a participação de mercado da Apple. Até o nacionalismo chinês virou um problema: os consumidores estão optando por marcas locais, em oposição à tecnologia ocidental.

Outro desafio é a própria durabilidade dos iPhones – motivo pelo qual muitos consumidores mantêm seus aparelhos por coisa de meia década. Como o ciclo de atualização do iOS costuma durar entre cinco e seis anos, muitos usuários só trocam seus celulares quando realmente percebem que há vantagens consideráveis nos modelos mais novos. Com o embarque da IA nos iPhones novos, é o que deve acontecer.

Letreiro Apple
Crédito: Adobe Stock Photo

Olhando para a concorrência, há bons auspícios. Impulsionada por recursos de inteligência artificial, a série Galaxy S24, carro-chefe da Samsung, está vendendo mais do que a predecessora S23.

No anúncio da Apple Intelligence, a empresa se dedicou a mostrar como a IA vai funcionar na prática, com recursos para criação de texto, imagens e emojis, além de uma robustecida e mais inteligente Siri e completa integração com outros dispositivos Apple, como iPads e Macs. É o começo da estratégia de convencimento para que os consumidores troquem seus aparelhos.

LEIA MAIS: Musk ameaça banir dispositivos Apple de suas empresas em caso de integração com OpenAI

As ações da Apple acumulam alta de 12% nos últimos 12 meses – contra 23,6% do S&P 500 e 31,7% da Microsoft, pioneira na adoção de IA. Com isso, a concorrente mais histórica da maçã tomou dela o posto de empresa mais valiosa do mundo; a Apple agora é a número 2, praticamente empatada com a Nvidia, o peixe grande que mais engordou na febre da IA (200% em um ano).

Os aparelhos que receberão a Apple Intelligence:

  • iPhone 15 Pro
  • iPhone 15 Pro Max
  • iPad Pro (chip M1 e posteriores)
  • iPad Air (chip M1 e posteriores)
  • MacBook Air (chip M1 e posteriores)
  • Macbook Pro (chip M1 e posteriores)
  • iMac (chip M1 e posteriores)
  • Mac mini (chip M1 e posteriores)
  • Mac Studio (chip M1 Max e posteriores)
  • Mac Pro (chip M2 Ultra)

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.