Siga nossas redes

Negócios

UBS deve ter ganho recorde após o fechamento do Credit Suisse

Banco deve atrasar divulgação dos resultados financeiros do segundo trimestre4.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 5 minutos

A Credit Suisse Group AG bank branch and UBS Group AG office building in Zurich. Photographer: Stefan Wermuth/Bloomberg

O UBS Group AG (UBSG34) deve reportar um ganho de até 51 bilhões de francos suíços (US$ 57 bilhões) em seu lucro do segundo trimestre relacionado à aquisição do rival Credit Suisse Group AG, que deve ser encerrada em maio.

O ganho – que catapultaria o credor suíço para o maior lucro bancário de todos os tempos – decorre de um termo contábil conhecido como deságio. Isso reconhece o preço baixíssimo de US$ 3 bilhões que o UBS concordou em pagar por seu vizinho atingido, em comparação com o valor contábil do banco de 54 bilhões de francos no final de março.

O UBS orientou na terça-feira (25) que reconheceria um “ganho material” do deságio gerado como parte do negócio, sem dar um número preciso. Ainda assim, o valor final pode ser afetado por quaisquer encargos de reestruturação, redução de ativos ou provisões para litígios neste trimestre. O Credit Suisse disse na segunda-feira que assumiu uma despesa de deterioração de 1,3 bilhão de francos, principalmente relacionada ao seu negócio de gestão de patrimônio.

Logo Credit Suisse em sucursal em Berna, Suíça 26/09/2022. REUTERS/Arnd Wiegmann

O UBS concordou em assumir o controle do Credit Suisse no mês passado em uma venda de emergência apoiada pelo governo suíço, em meio a temores de que estivesse caminhando para a falência após uma crise de confiança na solidez financeira do banco. Analistas apontaram que o negócio local do Credit Suisse, o Swiss Universal Bank, provavelmente vale várias vezes mais do que o UBS pagou por todo o seu antigo maior rival.

A aquisição inclui uma redução para zero de quase US$ 17 bilhões em títulos de risco do Credit Suisse, também conhecidos como capital adicional de nível 1 ou títulos conversíveis contingentes, que, ironicamente, na segunda-feira deram ao banco suíço um lucro recorde no que provavelmente será seu último trimestre como empresa independente. 

Se o UBS relatasse tal lucro no segundo trimestre, facilmente ultrapassaria o ponto alto da história do setor bancário moderno, embora muitos investidores vejam isso como uma peculiaridade contábil, e não como um sinal de força do negócio subjacente. E embora um ganho dessa magnitude possa ser impopular na Suíça, onde o banco está se beneficiando do apoio do governo, os executivos foram rápidos em apontar os riscos que estão assumindo em uma integração que pode levar até quatro anos.

O lucro de US$ 14,3 bilhões do JPMorgan Chase & Co. no primeiro trimestre de 2021 é o recorde moderno para credores dos EUA e da Europa. O maior credor estatal da China, o Industrial & Commercial Bank of China Ltd., ultrapassou essa marca em vários trimestres. 

UBS

Balanço financeiro

O UBS pode atrasar a publicação de seus resultados do segundo trimestre para ter mais tempo para preparar declarações para o grupo combinado. Espera-se que o chamado badwill conte para a manutenção do índice de capital de nível 1 do patrimônio comum do UBS, uma métrica de estabilidade, e para cobrir marcas contábeis e custos de reestruturação da combinação dos negócios e liquidação de ativos indesejados. 

O UBS ainda não divulgou detalhes da integração, incluindo cortes de empregos e custos de reestruturação. Ela planeja dar detalhes sobre as finanças da empresa combinada e o tamanho da unidade secundária que planeja encerrar nos resultados do segundo trimestre, assumindo um fechamento em maio, disse. Outras divulgações sobre custos de reestruturação e metas financeiras provavelmente ocorrerão no final do segundo semestre do ano.

No mês passado, o banco trouxe de volta Sergio Ermotti como diretor executivo para supervisionar a aquisição enquanto a empresa embarca em uma extensa reestruturação. O presidente Colm Kelleher disse que levará até quatro anos para concluir a fusão. 

Embora o valor contábil do Credit Suisse dê ao UBS muita proteção contra perdas, o acordo com as autoridades suíças reforça essa proteção. O governo suportaria até 9 bilhões de francos de perdas em certos ativos não essenciais após os primeiros 5 bilhões de francos de perdas a serem suportados pelo UBS. 

Se necessário, uma nova divisão de perdas entre o governo suíço e o UBS estará sujeita a avaliação contínua, disse o UBS no comunicado de terça-feira.

As perdas resultantes dos negócios adquiridos pelo Credit Suisse e não encaixados em sua unidade de liquidação serão um impacto direto no lucro e não se beneficiarão das proteções contra perdas estabelecidas. Isso significa que o UBS tem um “incentivo para ser prudente” em como classifica os ativos recebidos do Credit Suisse, disse Ermotti a analistas na terça-feira. 

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.