Siga nossas redes

Cafeína

Fundos de renda fixa ampliam captação com alta da Selic; veja onde investir

Samy Dana e Dony De Nuccio mostram 5 fundos de renda fixa para diversificar a carteira de investimentos.

Publicado

em

Com a Selic atingindo o patamar de 7,75% ao ano e com projeções de que esse percentual suba mais até dezembro, parece que o jogo virou para a renda fixa, que inclusive, vem ganhando destaque na carteira dos investidores.

A alta dos juros acaba por aumentar os rendimentos em investimentos de menor risco, o que acaba por reduzir a atratividade da renda variável para uma parcela dos investidores. Segundo cálculos da Anbima, os fundos de renda fixa vêm registrando as melhores performances da indústria quanto captação líquida. Essa mudança é muito significativa se considerar que, em 2020, o patrimônio líquido da indústria de fundos registrou a menor participação da década em produtos de renda fixa.

Dentro do segmento, os juros mais altos beneficiam principalmente os fundos que investem em títulos pós-fixados, atrelados, geralmente, à Selic (CDI) ou à inflação – que também está em trajetória de alta. Sendo assim, alguns fundos podem ser atrativos ter no radar. São eles: fundos DI; fundos de crédito privado; fundos de debêntures incentivadas, FIDCS e fundos de renda fixa no exterior.

No Cafeína desta terça-feira, 23, Samy Dana e Dony De Nuccio mostram as diferenças entre os cinco tipos de fundos de renda fixa.

Leia mais:

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Investir é mais fácil do que você imagina. Aqui tem o investimento ideal para o seu perfil. Vem pro Nu invest!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!