Siga nossas redes

Cafeína

Conheça os 10 melhores fundos multimercados da década, segundo a Morningstar

Levantamento levou em conta o Retorno Ajustado ao Risco.

Publicado

em

O Cafeína traz o último programa da série com os dez melhores fundos da década. Os fundos multimercados com o melhor risco-retorno, segundo a provedora de informações Morningstar, renderam até 376% nos último dez anos, e até 36% em 2020.

A pedido do InvestNews, a casa fez um levantamento exclusivo com os melhores fundos multimercado dos últimos dez anos, equalizado o retorno e o risco, usando a metodologia chamada Retorno Ajustado ao Risco da Morningstar (MRAR)Mesmo que alguns fundos tenham oferecido aos seus cotistas retornos semelhantes, o que obteve a melhor rentabilidade se expondo a menos risco foi considerado como melhor ativo.

Os filtros aplicados para o rating Morningstar Risk foram: ter um patrimônio líquido de pelo menos R$ 25 milhões; o número de cotistas ser superior a 50; ser composto por investidores de varejo ou qualificados; ser um fundo de gestores independentes (o que exclui os grandes bancos). O período abrange desde 1 de janeiro de 2010 até 31 de dezembro de 2020.

Vale lembrar que rentabilidade passada não garante retornos no futuro e não deve servir de base para o investidor optar pelos ativos. Veja abaixo os melhores fundos multimercado da última década:

NomeNota Morningstar Rentabilidade (%)
ARX Extra FIC FIM3,32283
Verde CSHG FIC FIM3,16288
Bresser Hedge Plus FIM2,64262
Sharp Long Short FIM2,28236
JGP Equity FIC FIM2,24377
Mapfre Inversion FIM2,18238
Safra Galileo AB FIC FIM1,73221
Bahia AM FIC FIM1,71217
BTG Discovery FIM1,66218
Seival FGS Agressivo FIC FIM1,46310

Criado em 2009, o Seival FGS Agressivo rendeu 310% nos últimos dez anos e 36% em 2020 – um ano desafiador, de altos e baixos causados pela pandemia. Ele possui aplicação mínima de 5 mil reais, sua taxa de administração é de 2% e a gestão é da Seival investimentos. Apesar de estar na décima posição, ele foi o que mais rentabilizou, seja na década como na base anual, quando comparamos aos demais. Mas como ele oscilou mais que os outros, teve uma menor pontuação da casa de análises.

Os fundos BTG Discovery, seguido do Bahia AM, Safra Galileo e do Mapfre Inversion possuem aportes iniciais entre R$1 mil e R$ 50 mil, com taxas de administração na média dos 2% ao ano.

Todos atuam nos mercados de juros, câmbio e bolsa e utilizam derivativos para alavancar a carteira, buscando ganhos superiores ao CDI no médio e longo prazo. Na média, esses fundos são indicados para investidores que buscam uma maior rentabilidade – não no curto prazo – e que tolerem a variação no valor das cotas.

Já entre os TOP 5 está o JGP Equity. Lançado em 2008, o fundo tem foco em uma carteira comprada em ações, mas pode ter uma parcela vendida. Ele tem exposição em ações nacionais e internacionais e uma menor parcela em juros brasileiro e moedas. O objetivo é superar o IPCA+ 6% ao ano no longo prazo. A sua taxa de administração é de 1,85% ao ano e a aplicação inicial é de 20 mil reais. A rentabilidade acumulada em dez anos foi de 377% e, nos últimos 12 meses, de 17%. A pontuação da Morningstar é 2,24.


Já o Sharp Long Short, lançado em 2005, tem uma estratégia long short neutro e sua carteira é exposta majoritariamente em ações brasileiras, com menor proporção no mercado internacional. Os gestores também investem em commodities, crédito soberano e mercados globais. Sua aplicação mínima é de 50 mil reais e sua taxa de administração está em 2% ao ano. A gestão é da Sharp Capital. A rentabilidade na década foi de 236%, dos quais 10% foram no ano de 2020.

O Bresser Hedge Plus é um multimercado lançado em 2007 cujo objetivo é superar ao CDI no curto, médio e longo prazos. Ele rendeu 262% no acumulado de dez anos, contra 161% do CDI. A aplicação mínima é de cinco mil reais, e sua taxa de administração é de 2%. A taxa de performance é sobre o que exceder 100% do CDI.

Na segunda posição está um fundo da lendária gestora Verde. O Verde FIC Fim é resultado de uma cisão em 2015 do fundo CSHG Verde, que teve início em 1997. Ele é um dos maiores e mais antigos hedge funds brasileiros. Atua tanto no mercado nacional como internacional de ações, renda fixa e moedas sob gestão de Luis Stuhlberger.

O valor de entrada no fundo é de cinco mil reais, a taxa de administração é de 1,5%, e ele visa bater o CDI. Sua rentabilidade acumulada é de 288% em dez anos, o que superou o cdi no período. Em 2020 o fundo rendeu 3,93%, número também superior aos 2,77% do índice de referência. A pontuação risco-retorno recebida foi de 3,16.

Já o multimercado que teve o melhor retorno aliado ao risco foi o ARX Extra. Ele recebeu a maior pontuação na categoria: 3,35. A rentabilidade acumulada nos últimos dez anos foi de  283% e, em 2020, de 12%. Com uma gestão ativa da ARX investimentos, o fundo busca superar o CDI no longo prazo, e opera no mercado de câmbio, bolsa e dívida externa. 20% da carteira do fundo é focada em ativos no exterior, e 50% em crédito privado.

O investimento inicial é de mil reais e tem taxa de performance de 20% sobre o que exceder 100% do CDI. A taxa de administração pode variar entre 2% a 2,5% ao ano. Quando analisado com os demais fundos do ranking, a sua rentabilidade foi mais consistente no decorrer dos anos. Alguns tiveram variações bem expressivas e até negativas, como é o caso do Seival, que ficou em décima posição no ranking.

Vale a pena investir em multimercados?
Esse tipo de ativo é indicado para quem está procurando diversificar os investimentos em busca de mais rentabilidade, mesmo que ainda não tenha um valor muito expressivo para aplicar e esteja disposto a aceitar mais risco.

Veja mais:

Comparador de Fundos: descubra em qual vale mais investir

Faça seu dinheiro começar a render mais hoje! Vem pro Nu invest!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.