Siga nossas redes

Coluna do Samy

Por que os economistas erraram mais uma vez o PIB?

Especialistas mais experientes deixam de se atentar a detalhes, diz estudo.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

O mercado errou o Produto Interno Bruno (PIB) de 2022. Em janeiro, o Boletim Focus, com a média das opiniões do mercado, projetava alta de desanimadores 0,29% do indicador. Porém, a última projeção do governo aponta que será de 2,7%.

A diferença de 2,41% entre um índice e outro já é grande por si só. Mas em termos percentuais, é gritante. Significa que hoje as projeções dos economistas estão 831% maiores do que apenas oito meses atrás. Disparidade que levou o ministro Paulo Guedes, da Economia, a reclamar do mercado, que, segundo ele, anda pessimista demais e não vê os efeitos positivos de ações do governo. 

O curioso é que antes o mercado errava para mais. No começo de 2019, primeiro ano do governo, as projeções eram de um crescimento da economia de 2,5%. Mais do que o dobro da alta registrada no fim do ano, de 1,2%. Ocorreu quase o mesmo em 2018, com projeções de 2,3% e realidade de 1,1%. Mas em 2017 foi o contrário. Em julho, se projetava alta quase simbólica, de 0,4%. Foi de 1,1%. Ou seja, 175% acima do projetado.

Projeção é momento. Logo em fevereiro, eclodiu a guerra na Ucrânia. A China continuou aplicando lockdowns na população, afetando as empresas exportadoras. E, conforme as eleições se aproximavam, o governo aumentou gastos. Os juros seguiam subindo em patamar estratosférico de 13,5%, com a inflação acima dos 10%. Análises cautelosas nesse cenário, o que prevalece são motivos suficientes para cautela nas previsões.

Mas o setor de serviços, que compõe 70% da economia, surpreendeu, crescendo acima das expectativas, levando junto o PIB. As projeções se adaptaram à mudança surpresa do cenário, incorporando os novos dados. Mudam os cenários, mudam as previsões. Mas isso explica tudo?

No livro A crisis of beliefs: Investor psychology and financial fragility,  Nicola Gennaioli e Andrei Shleifer, economistas e professores de Princeton, dizem que não. O livro recupera a famosa falência do banco Lehman Brothers, em 2008, para demonstrar que nossa percepção dos fatos econômicos também pode estar absurdamente errada.

Era agosto, o Federal Reserve (Fed) e o mercado financeiro viam solidez na economia. Decretavam que o pior havia passado. Seis semanas depois, veio a falência do banco, mergulhando os Estados Unidos em um turbilhão financeiro. Como foi possível que analistas de risco, investidores, economistas e autoridades experientes e competentes tenham falhado tanto?

Culpa, como Gennaioli e Shleifer demonstram, da famigerada maldição do especialista. Quando as pessoas são inexperientes em uma tarefa, tendem a ficar atentas aos detalhes com medo de fazer alguma coisa errada. Mas o tempo passa, a tarefa não é mais novidade e, experientes, as pessoas algumas vezes dão menos atenção aos mesmos detalhes que as obcecavam antes. Se são detalhes importantes, explicam as diferenças gritantes.

Também há alguma culpa no Fear of missing ou (FOMO), a conhecida sigla em inglês, para o desejo de não ficar de fora de algo importante que está acontecendo. Economistas, como qualquer humano, se sentem desconfortáveis quando destoam muito dos outros. Há uma tendência a buscar a média das projeções.

Com dados econômicos, o problema é que projeções podem influenciar decisões de investimento, entre outras. Como tê-las menos voláteis?

A proposta de Gennaioli e Shleifer é interessante. Os dois gigantes da psiconomia defendem que a possibilidade de erros e exageros sejam incorporadas às projeções, dando um desconto para o efeito das emoções. Seria introduzir a irracionalidade nos grandes números da economia. Ou pelo menos reconhecer a irracionalidade das previsões.

*Samy Dana é Ph.D em Business, apresentador do Cafeína/InvestNews no YouTube e comentarista econômico.

As informações desta coluna são de inteira responsabilidade do autor e não do InvestNews e das instituições com as quais ele possui ligação. 

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.