Siga nossas redes

Economia

IPCA-15 dispara 0,89% e tem maior alta para agosto em quase 20 anos

Os dados mostram ainda que em 12 meses o IPCA-15 passou a subir 9,30%, contra 8,59% anteriormente.

Publicado

em

por

Reuters
Consumidores fazem compras em supermercado de Porto Alegre em meio a disseminação da Covid-19 09/03/2021 REUTERS/Diego Vara

A pressão de energia elétrica levou a prévia da inflação oficial do Brasil a disparar para o nível mais alto para um mês de agosto em quase duas décadas, em momento de forte preocupação com a alta dos preços e de intensificação do aperto monetário.

Com a alta de 0,89% em agosto, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) acelerou com força sobre a taxa de 0,72% de julho, batendo o nível mais elevado para um mês de agosto desde 2002 (+1,00%).

Os dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram ainda que em 12 meses o IPCA-15 passou a subir 9,30%, contra 8,59% no mês anterior.

O resultado assim marca a taxa mais elevada nessa base de comparação desde maio de 2016, quando foi de 9,62%, e dispara bem acima do teto da meta para este ano — de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de avanços do IPCA-15 de 0,82% e 9,24% respectivamente nas comparações mensal e anual.

A energia elétrica foi o principal responsável pelo resultado do índice de agosto, com alta de 5,0%, em meio à crise hídrica e à bandeira vermelha patamar 2, além do reajuste de 52% no valor adicional da bandeira a partir de 1º de julho.

Com isso, o grupo Habitação registrou a maior variação em agosto, de 1,97%, embora a alta tenha desacelerado sobre a taxa de 2,14% de julho.

A segunda maior contribuição para o dado de agosto veio dos Transportes, cujos custos aumentaram 1,11% com a aceleração dos preços dos combustíveis a 2,02%, de 0,38% em julho. Somente a gasolina avançou 2,05%, acumulando em 12 meses uma alta de 39,52%.

Alimentação e bebidas também ficou mais cara, com a inflação desse grupo chegando a 1,02% em agosto de alta de 0,49% no mês anterior, com disparada dos preços de tomate (16,06%), frango em pedaços (4,48%), frutas (2,07%) e leite longa vida (2,07%)

A única queda registrada foi em Saúde e cuidados pessoais, de 0,29%, devido principalmente à deflação nos preços dos itens de higiene pessoal (-0,67%), produtos farmacêuticos (-0,48%) e plano de saúde (-0,11%).

Com o país sob intensa pressão inflacionária, o Banco Central intensificou o aperto monetário e elevou a Selic a 5,25%, prevendo novo aumento de 1 ponto percentual em setembro.

Segundo o BC, apertos seguidos e sem interrupção nos juros básicos são necessários para levar a taxa Selic para patamar acima do neutro, para que assim as projeções de inflação fiquem na meta.

A pesquisa Focus realizada semanalmente pelo BC mostra que o mercado já vê a inflação terminando este ano a 7,11% no acumulado em 12 meses, depois de 20 altas seguidas na estimativa.

Veja também

  • Marcas de luxo batem recordes de venda e parecem imunes à crise no Brasil
  • BDRs para gringos? Veja o que são ADRs e sua relação com as ações
  • ‘Quem não comprar IRB vai se arrepender’, diz Barsi após críticas da Squadra
  • Programa de corte de salários e jornada termina nesta quarta; veja o que muda
  • Vale, Americanas e Cyrela retomam força; vai durar?

Investimento com rentabilidade acima da média em Renda Fixa? Invista em Debêntures. invista já.

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!