Siga nossas redes

Finanças

Bolsa fecha pregão e semana em queda, mas sobe quase 2% em abril

Já o dólar subiu nesta sexta, mas acumulou queda na semana e no mês sobre o real.

Publicado

em

B3 e Ibovespa

O Ibovespa, principal índice da B3, fechou em queda nesta sexta-feira (30), acompanhando o desempenho em Wall Street e ainda de olho nos efeitos da piora da pandemia sobre a economia. Já o dólar ganhou força à reboque da elevação leve dos juros dos Treasuries (títulos de dívida dos EUA) e da moeda americana em meio a quedas das bolsas no exterior.

O Ibovespa caiu 0,98% no pregão, aos 118.894 pontos. Na semana, a queda foi de 1,36%. Em abril, o indicador subiu 1,94%.

Já o dólar fechou em alta de 1,76%, a R$ 5,431. Na semana e no mês, a moeda acumulou queda de 1,22% e 3,49%, respectivamente.

Com alta de 9% do Ibovespa desde o início de março (2,94% em abril) até a véspera, e temores de uma possível terceira onda da pandemia no Brasil, alguns investidores têm preferido embolsar ganhos recentes, movimento que atinge ações de maior liquidez.

No mercado local, a taxa de desemprego foi monitorada, mas fica em segundo plano pela percepção de que não deve alterar as apostas para Selic, de alta de 75 pontos-base na semana que vem, de acordo com analistas. Também estão sendo monitorados os resultado do setor público consolidado de março e o o leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae).

Destaques da bolsa

LOJAS RENNER (LREN3) subiu 1,08%, após a companhia ter concluído uma oferta primária restrita de 102 milhões de ações, precificada a R$ 39 reais cada, num total de R$ 3,978 bilhões. O dinheiro vai, entre outros fins, para também para comprar rivais.

FLEURY (FLRY3) teve oscilação positiva de 0,08%. A companhia de diagnósticos médicos informou na noite da véspera que teve lucro líquido de R$ 118,6 milhões no primeiro trimestre, mais que o dobro do obtido um ano antes.

Em nota a clientes, o Credit Suisse elogiou a evolução das receitas, mas pontuou que a pandemia ainda limita maior visibilidade sobre o valor das novas linhas de negócios da empresa. Em teleconferência, executivos da empresa afirmaram que o foco da empresa está em crescimento acelerado via expansões orgânicas e até grandes aquisições.

UNIDAS (LCAM3) teve ganho de 1,7%, também na esteira de balanço de janeiro a março, quando a locadora de veículos e gestão de frotas teve lucro líquido recorde de R$ 231,4 milhões, quase três vezes maior que um ano antes. Em teleconferência, executivos da companhia afirmaram que esperam resultados melhores a partir do segundo semestre, com uma melhora das entregas de veículos pelas montadoras.

EMBRAER (EMBR3) teve alta de 1,99%. A fabricante de aeronaves teve o preço-alvo de seus a ADRs elevado pelo Credit Suisse e pelo UBS após ter divulgado que fechou um pedido firme de venda de 30 jatos E195-E2 para cliente não divulgado com entregas a partir de 2022.

BANCO MODAL (MODL11) caiu 7,3% em sua estreia no pregão, após ter concluído na quarta-feira sua oferta inicial de ações (IPO) de R$ 1,17 bilhão.

CSN (CSNA3) perdeu 2,1%, puxando a fila das perdas no setor de aço e mineração. VALE (VALE3) recuou 2,6%. No setor de petróleo, PETROBRAS (PETR3 e PETR4) ficou estável.

JBS (JBSS3) perdeu 2,21%, BRF (BRFS3) encolheu 2,1%, com grandes exportadoras brasileiras perdendo fôlego diante da queda recente do dólar contra o real.

BRADESCO (BBDC3 e BBDC4) subiu 0,34%, reagindo parcialmente às fortes perdas da véspera, com ações do setor financeiro mostrando rotas distintas. ITAÚ UNIBANCO (ITUB3 e ITUB4) avançou 0,77%, enquanto SANTANDER BRASIL (SANB11) teve baixa de 1,28%. BANCO DO BRASIL (BBAS3) teve estabilidade.

Bolsas internacionais

Wall Street encerrou em queda nesta sexta-feira, com as ações da Apple, da Alphabet e de outras empresas relacionadas a tecnologia pesando sobre os índices S&P 500 e Nasdaq, apesar dos recentes balanços trimestrais fortes.

  • O índice Dow Jones caiu 0,54%, a 33.875 pontos
  • S&P 500 perdeu 0,719464%, a 4.181 pontos
  • O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,85%, a 13.963 pontos

Apesar da fraqueza desta sexta-feira, o Nasdaq completou seu sexto mês consecutivo de ganhos, em alta de 5,4% em abril. O Dow Jones subiu 2,7% em abril, enquanto o S&P 500 ganhou 5,2% – para ambos foi o terceiro mês consecutivo no azul.

Na semana, o S&P 500 ficou quase estável, o Dow caiu 0,5%, e o Nasdaq recuou 0,4%.

As ações europeias terminaram em queda nesta sexta-feira após dados desanimadores da economia da zona do euro, mas o mercado acionário ainda engatou o terceiro mês de ganhos, com fortes balanços corporativos e otimismo sobre a recuperação econômica.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,12%, a 6.969,81 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,12%, a 15.135,91 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,53%, a 6.269,48 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,56%, a 24.141,16 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,09%, a 8.815,00 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,64%, a 5.050,69 pontos.

As ações da China fecharam em queda, encerrando a semana em baixa, uma vez que dados mostraram que o crescimento da atividade industrial do país desacelerou em abril, enquanto as preocupações com o aperto da política monetária e as tensões sino-americanas continuavam pressionando o mercado.

  •  Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,83%, a 28.812 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 1,97%, a 28.724 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,81%, a 3.446 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,79%, a 5.123 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,83%, a 3.147 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,00%, a 17.566 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,10%, a 3.218 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,80%, a 7.025 pontos.

(* com informações da Reuters)

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!