Siga nossas redes

Finanças

Como declarar PGBL e VGBL no Imposto de Renda 2022?

As duas opções de previdência privada devem ser declaradas em locais distintos no programa da Receita Federal; entenda.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 7 minutos

Mãos seguram moedas sobre uma mesa

O prazo para a entrega do Imposto de Renda Pessoas Físicas 2022 (ano-base 2021) está correndo e há uma quantidade enorme de documentos que precisam ser informados. Dentre eles, os planos de previdência.

O Plano Gerador de Benefício Definido (PGBL) e o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) são opções de previdência privada que têm características semelhantes no quesito formação de reserva para o futuro, porém têm finalidades distintas quando o assunto é tributação, na cobrança do Imposto de Renda.

O Investnews conversou com Ricardo Fernandes, advogado tributarista e professor do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT) e sócio do escritório Elias Fernandez Advogados, que explicou o passo a passo sobre a declaração no IR de cada um deles. Confira abaixo:

Diferenças entre PGBL e VGBL

Antes de qualquer coisa, o primeiro passo é o contribuinte entender a diferença entre as duas modalidades. O Plano Gerador de Benefício Definido (PGBL) é voltado para quem é assalariado e faz a declaração no modelo completo, ou seja, tem seus rendimentos tributados na fonte ou carne leão e muitas despesas para deduzir, permitindo ter um desconto mais gordo na hora de acertar as contas com o leão.

Na modalidade, o investidor consegue abater até 12% do valor da renda tributável (ou seja, salário, recebimento de aluguel, pensões, dentre outras retiradas). Quem tem uma renda tributável de R$ 100 mil, por exemplo, poderá reduzir em 12% a base de cálculo para pagamento de IR, ou, no caso, subtrair R$ 12 mil do total.

Significa que o “Leão” irá considerar R$ 88 mil na hora de cobrar o imposto e não os R$ 100 mil. Entretanto, o imposto é adiado (ou diferido, na linguagem da Receita) e será pago quando o investidor for sacar o dinheiro de seu PGBL. Vale lembrar que o tributo é pago sobre todo o montante resgatado e não somente sobre os rendimentos. “A vantagem dessa modalidade está no fato de que há postergação do pagamento do tributo e a incidência de juros sobre o valor que não foi pago no ano do recebimento da quantia. Quanto mais tempo aplicado, maior o efeito dos juros compostos”, explica o Ricardo Fernandes.

O Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), por sua vez, é indicado para quem faz a declaração simplificada; pessoas isentas e sócios de empresa que recebem dividendos.

Diferentemente do VGBL, o investidor não consegue reduzir a base de cálculo do Imposto de Renda. Ou seja, quem tem uma renda anual de R$ 100 mil, continuará pagando imposto sobre esse montante. No VGBL, entretanto, o investidor só pagará imposto sobre a remuneração e não sobre o montante total aplicado.

Portanto, se o investidor quiser investir mais do que os 12% dos rendimentos em um plano de previdência, o valor que exceder deve ser direcionado para um VGBL, que incide tributos somente sobre os ganhos.

Guia para declarar previdência privada no IR

Baixe programa do IRPF 2022

O investidor precisa baixar o Programa Gerador da Declaração (PGD) diretamente no site da Receita Federal. Para isso, o contribuinte deve acessar a página da Receita Federal e, em seguida, clicar em Meu Imposto de Renda e escolher a opção baixar programa. O programa está disponível para diferentes versões do sistema operacional: para Windows (Microsoft), MacOs (Apple), Linux e multiplataforma.

Como declarar o PGBL

No caso do PGBL, o investidor irá acessar o item “Pagamentos efetuados” e clicar em “Novo” para abrir uma nova ficha. Na sequência, ele deve optar pelo código 36“Previdência Complementar (inclusive FAPI)”.

Depois, é preciso inserir o CNPJ do plano de previdência. O professor Ricardo Fernandes lembra que o investidor deve incluir somente os valores aportados ao longo do ano de 2021 (ou seja, o ano calendário), sem levar em conta os ganhos recebidos com a valorização do investimento.

No caso do PGBL, mesmo pagando o imposto no resgate sobre o valor total, há a vantagem de pagar menos tributo no futuro, já que o contribuinte tem a possibilidade de trocar a tributação atual sobre seus rendimentos – que pode chegar a 27,5% dependendo do salário – por um valor menor no futuro.

Isso ocorre porque, ao optar pelo plano de previdência, o investidor tem a opção de escolher pela tabela regressiva de Imposto de Renda (veja abaixo), que gera menos impostos para quem permaneça com o dinheiro investido por mais tempo.

Como declarar o VGBL

No programa, acesse a aba “Bens e direitos”, depois clique em “Novo” para abrir uma ficha.

Na sequência, escolha o código 99- “Outros bens e direitos” e então procure pelo código 6 “VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre”

Neste caso, o investidor deve incluir o saldo da aplicação em 31 de dezembro de 2021 (sem os ganhos obtidos), além de somar as contribuições do anos anteriores. “Se tinha R$ 10 mil, em 2020, e aportou mais R$ 12 mil, em 2021, o investidor vai informar o total de R$ 22 mil. Mas o próprio informe de rendimentos oferecido pelo plano vai mostrar o saldo de toda a história de contribuição”, explica o professor da Mauá.

O que declarar em caso de resgates?

John Liu, diretor de Investimentos da Zurich Santander, explica que quem fez resgates em 2021 deve informar os valores recebidos como rendimento na sua declaração, de acordo com a tabela de tributação (regressiva ou progressiva).

“No caso do PGBL, basta informar eventuais contribuições e rendimentos recebidos no ano, mas não é necessário informar o saldo do plano. Para quem tem VGBL, é preciso informar os rendimentos recebidos no ano, dependendo da tabela (progressiva/regressiva), mas também é necessário declarar o saldo do plano na ficha de Bens e Direitos, mas sem informar eventuais contribuições”, afirma.

Tabelas progressiva e regressiva de IR

Quando inicia o plano de previdência, o investidor pode optar por duas formas de tributação para quando for receber o valor.

Uma delas é a tabela progressiva de alíquotas, que é a mesma usada nos salários e no carnê Leão, e que tem uma faixa isenta até determinado valor e alíquotas que vão de 7,5% a 27,5%, de acordo com a retirada mensal. A tributação progressiva pode ser boa para valores menores ou se o contribuinte tiver despesas para abater do Imposto de Renda na aposentadoria, como planos de saúde.

A outra, mais usada e mais simples, é a tabela regressiva, que começa com 35% nos primeiros dois anos e vai caindo 5 pontos percentuais a cada dois anos até chegar a 10% após 10 anos, independentemente do valor sacado. Veja na tabela abaixo.

Tabela regressiva de Imposto de Renda

PrazoAlíquota de IR
Até 2 anos35%
De 2 a 4 anos30%
De 4 a 6 anos25%
De 6 a 8 anos20%
De 8 a 10 anos15%
Acima de 10 anos10% 

Veja também:

Investir é mais fácil do que você imagina. Aqui tem o investimento ideal para o seu perfil. Vem pro Nu invest!

Anúncio Patrocinado Super Week Temporada de balanços Super Week Temporada de balanços
ANÚNCIO PATROCINADO      Conheça a carteira recomenda de dividendos

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Carteira Top 10