Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa fecha em queda com varejo entre maiores perdas; dólar sobe

Ativos da bolsa de valores também foram influenciados pela baixa dos contratos futuros de minério de ferro em Dalian e Cingapura.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 7 minutos

O Ibovespa fechou em queda nesta segunda-feira (10), com as varejistas entre as maiores baixas, entre elas Lojas Renner (LREN3), que caiu mais de 6%. O dólar, por sua vez, teve alta sobre o real. A sessão também foi marcada pelo declínio de commodities e por agentes financeiros analisando o texto da reforma tributária aprovado na Câmara dos Deputados.

No dia, o Ibovespa caiu 0,80%, aos 117.942 pontos. O dólar encerrou em alta, com avanço de 0,31%, negociado a R$ 4,88.

Para Enrico Cozzolino, sócio e chefe de análise da Levante Investimentos, o resultado da bolsa de valores refletiu realização de lucros e certa cautela antes de dados de inflação nos Estados Unidos nesta semana.

Ele chamou a atenção para falas de autoridades do Federal Reserve (Fed) nesta sessão de que o banco central norte-americano provavelmente precisará aumentar mais a taxa de juros para reduzir a inflação, embora o ciclo de alta esteja perto do fim.

Em razão disso, as atenções devem ficar voltadas para o CPI, o índice de preços ao consumidor dos EUA, na quarta-feira, enquanto, no dia seguida, será a vez do PPI, que mede a inflação ao produtor norte-americano.

Cenário interno

Além dos investidores avaliarem o texto da Reforma Tributária, aprovado na madrugada da última sexta-feira (7), eles analisam a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira (10) que aponta para recuo do índice oficial que mede a variação dos preços no país em 2023.

A expectativa é que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerre o ano em 4,95% ante 4,98% na semana anterior. Já para os três anos seguintes o indicador foi mantido em igual patamar das projeções da semana anterior.

Plenário do Senado 11/02/2021 REUTERS/Adriano Machado

Já a votação no Senado do projeto que retoma o voto de desempate a favor do governo em decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) deve ficar para agosto, segundo a agência Reuters.

A proposta, que é tida como uma das principais apostas da equipe econômica encabeçada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para aumentar a arrecadação federal, foi aprovada na sexta-feira pela Câmara.

Haddad vai se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), na terça-feira, para tratar da pauta econômica no Senado que envolve, além do projeto do Carf, a reforma tributária.

  • Confira ações da Petrobras (PETR4)

Cenário externo

Os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura caíram mais de 3% nesta segunda-feira, conforme traders aguardavam novas notícias sobre estímulos da China em meio à produção ociosa, e enquanto os dados de demanda do país arrastaram o sentimento do mercado para baixo.

O minério de ferro mais negociado para setembro na Dalian Commodity Exchange da China encerrou o negócio diurno com queda de 3,5%, a 795,5 iuanes (US$ 109,94) por tonelada métrica, seu pior dia desde outubro.

Na Bolsa de Cingapura, o suprimento de ferro de referência em agosto caiu 3,1%, para US$ 104,3 por tonelada métrica. Mais cedo, o contrato chegou a recuar a US$ 104,1.

“Os preços do minério de ferro permaneceram sob pressão em meio às restrições à produção de aço”, disse a ANZ Research em nota na segunda-feira.

“Tangshan ordenou que as siderúrgicas reduzissem a produção durante todo o mês de julho para combater a piora da qualidade do ar. O calor extremo no norte do país também pode levar à desaceleração da atividade de construção.”

Prevê-se que as temperaturas atingiram mais de 40 graus Celsius em algumas regiões da China, disse Westpac em uma nota separada.

A queda nos preços futuros também pode ser atribuída ao expurgo da liderança do Banco Popular da China (PBoC) no fim de semana passado e à falta de atualizações sobre estímulos da China, acrescentou Westpac.

Os preços de fábrica da China caíram em junho no ritmo mais rápido em mais de sete anos e meio e ficaram abaixo das expectativas, enquanto os preços ao consumidor permaneceram inalterados, à medida que a recuperação pós-covid vacilante pesa sobre a demanda.

Ainda assim, a China continua promovendo o desenvolvimento do baixo carbono na indústria siderúrgica, disse o funcionário do Ministério de Ecologia e Meio Ambiente da China, Liu Bingjiang, em uma conferência do setor no sábado.

Destaques da B3

Renner

A ação LREN3 encerrou com a maior baixa do Ibovespa, com declínio de 6,46%, a R$ 19,1. No radar, está o aumento da competição com a chegada ou ampliação de atuação de empresas chinesas, entre elas a Shein.

Vale

A ação VALE3 recuou 1,53%, a R$ 64,49, em meio ao declínio dos futuros de minério de ferro na China.

BRF

O papel BRFS3 cedeu 1,98%, a R$ 9,88, tendo no radar a precificação de oferta de ações da companhia nesta semana, no dia 13. A operação permitirá a concretização de um investimento da saudita Salic e da Marfrig na companhia brasileira.

MRV

A ação MRVE3 recuou 1,81%, a R$ 13,05, em sessão de ajustes, após saltar quase 15% na última semana, marcada pela divulgação de dados operacionais do segundo trimestre e anúncio de oferta de ações. A construtora também precifica seu follow-on na quarta-feira.

Petrobras

O papel PETR4 registrou variação positiva de 0,17%, a R$ 29,55, em dia de oscilação discreta dos preços do petróleo no exterior, com o Brent mostrando decréscimo de 0,1%.

Ambev

A ação ABEV3 subiu 1,08%, a R$ 15,01, tendo de pano de fundo um relatório do Bank of America elevando a recomendação dos papéis de “neutra” para “compra”, com os analistas mais otimistas em relação às margens no Brasil.

Bolsas mundiais

Wall Street

As ações dos Estados Unidos fecharam ligeiramente em alta nesta segunda-feira após as perdas da semana passada, mas a cautela prevaleceu antes de relatório da inflação ao consumidor norte-americano previsto para quarta-feira e do início da temporada de balanços corporativos do segundo trimestre nesta semana.

Segundo dados preliminares, o S&P 500 subiu 0,25%, para 4.409,92 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,19%, para 13.686,08 pontos. O Dow Jones subiu 0,64%, para 33.950,35 pontos.

Europa

As ações europeias subiram nesta segunda-feira, com o setor de viagens e lazer na liderança dos ganhos, o que ajudou a limitar o impacto dos fracos dados de inflação da China que destacaram a demanda fraca na economia do país.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,23%, a 7.273,79 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,45%, a 15.673,16 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,45%, a 7.143,69 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,34%, a 27.872,00 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,04%, a 9.252,90 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,22%, a 5.902,31 pontos.

*Com informações da Reuters.

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.