Siga nossas redes

Finanças

Dólar fecha em alta, com dúvidas sobre aumento maior do salário mínimo no BR

Dia deve ter menor liquidez com as bolsas nos Estados Unidos fechadas para feriado.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

O dólar à vista avançou nesta segunda-feira (16) frente ao real, em sessão de menor liquidez devido a feriado do aniversário de Martin Luther King nos Estados Unidos, diante de notícia de que o governo avalia elevar o salário mínimo acima dos R$ 1.320. O Ibovespa fechou em queda, em outra sessão minada por preocupações com os desdobramentos de problemas contábeis da Americanas (AMER3).

No dia, o dólar avançou 0,80%, negociado a R$ 5,1470. O Ibovespa recuou 1,54%, aos 109.212.

Salário mínimo

Lula avalia elevar o salário mínimo deste ano para acima dos R$ 1.320 prometidos pelo governo, disse a “Broadcast”, agência do jornal “O Estado de S.Paulo”, citando técnicos da equipe econômica. O Ministério da Fazenda é contrário à proposta, e o valor final e a data de início de vigência ainda não foram definidos, segundo a reportagem.

Questionado pela Reuters, o Ministério da Fazenda afirmou que a posição da pasta sobre o salário mínimo foi externada pelo ministro Fernando Haddad em entrevista à imprensa. Na ocasião, Haddad indicou que o salário mínimo neste ano ficará em R$ 1.302, como proposto pelo governo anterior e que já está em vigor, sem aumento adicional. O ministro argumentou que o valor já representa um ganho de 1,4% acima da inflação e atende a promessa de Lula de conceder reajustes reais anuais ao mínimo.

No mercado, alguns analistas vinham mencionando nas últimas sessões como positivo para o real rumores de que o salário mínimo de R$ 1.320, com reajuste de 3% acima da inflação, poderia entrar em vigor apenas dentro de alguns meses. Segundo eles, isso teria efeito positivo nas contas públicas, à medida que o valor é indexador de outras despesas.

Destaques da bolsa

Investidores acompanham imbróglio com Americanas

Os efeitos do rombo bilionário na contabilidade da Americanas continua a refletir na ação da varejista (AMER3), que chegou a cair 38%. Já as concorrentes operaram em alta, com Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3) chegando a disparar mais de 10%.

O juiz Paulo Assed Estefan, da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro concedeu na sexta-feira (13) proteção à Americanas contra vencimento antecipado de dívidas, dando fôlego para a empresa enfrentar uma crise sem precedentes após ter anunciado um rombo contábil de R$ 20 bilhões.

Segundo o juiz, eventuais alterações no balanço da varejista decorrentes do anúncio das inconsistências contábeis “poderão repercutir no grau de endividamento da empresa e no capital de giro mínimo (…) acarretando o descumprimento de cláusulas de covenants financeiros culminando no vencimento antecipado de dívidas da ordem de R$ 40 bilhões”.

  • Saiba mais, assista ao Boletim InvestNews:

Renner negocia compra da C&A

A varejista de moda Lojas Renner (LREN3) está em negociações preliminares para a compra da C&A (CEAB3) no Brasil, informou neste domingo (15) a coluna de Lauro Jardim no jornal “O Globo”, sem dar maiores detalhes.

Com a informação, as ações da C&A (CEAB3) chegaram a disparar 28% durante o pregão desta segunda. Já os papéis de Lojas Renner (LREN3) operam em queda.

Bolsas mundiais

Europa

As ações europeias atingiram o maior patamar em quase nove meses nesta segunda, embora em negociações com volume reduzido devido a um feriado nos Estados Unidos, com papéis imobiliários e de varejo ajudando a compensar perdas nos setores ligados a commodities.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta de 0,46%, a 454,63 pontos, seu maior nível desde abril de 2022. O indicador sobe 6,6% desde o início do ano.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,20%, a 7.860,07 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,31%, a 15.134,04 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,28%, a 7.043,31 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,46%, a 25.901,33 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,12%, a 8.871,10 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,26%, a 6.015,77 pontos.

Ásia e Pacífico

As ações da China subiram para uma máxima de quatro meses, impulsionada por forte entrada de fluxo estrangeiro, enquanto o mercado de Hong Kong avançou com investidores dobrando as apostas na recuperação econômica depois que autoridades sanitárias chinesas disseram que as infecções por covid-19 no país haviam atingido o pico.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 1,14%, a 25.822 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,04%, a 21.746 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 1,01%, a 3.227 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,56%, a 4.137 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,58%, a 2.399 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,69%, a 14.927 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,31%, a 3.283 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,82%, a 7.388 pontos.

Os investidores devem acompanhar a divulgação do PIB do quarto trimestre de 2022 chinês, além de dados como a produção industrial e taxa de desemprego .Os dados podem impactar os preços de commodities, uma vez que indicam a velocidade da retomada da economia chinesa, grande importadora desses produtos.

*Com informações da Reuters.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.