Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa recua com cenário eleitoral no radar, aos 114 mil pontos; dólar sobe

Ação da Petrobras e Banco do Brasil foram impactadas negativamente.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

O Ibovespa voltou a fechar em queda nesta terça-feira (25), descolado de Wall Street, enquanto o cenário eleitoral continuou pressionando os papéis da Petrobras (PETR3, PETR4). Já o dólar encerrou em alta sobre o real, mas fechou bem abaixo dos maiores patamares da sessão, quando chegou a flertar com a marca de R$ 5,36, pressionado por movimento de procura por risco no exterior.

No dia, o Ibovespa recuou 1,2%, aos 114.625 pontos. Já o dólar subiu 0,29%, negociado a R$ 5,3179.

Eleições x bolsa

Investidores continuaram conjecturando sobre potenciais desfechos do segundo turno da eleição presidencial no país, com a repercussão recente por uma possível virada de Jair Bolsonaro (PL) sobre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) perdendo o destaque. O ataque do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) contra policiais federais no domingo adicionou dúvidas sobre o desempenho de Bolsonaro na eleição.

Agravando um cenário eleitoral já tenso, a campanha de Bolsonaro afirmou na segunda-feira que rádios do país não têm veiculado adequadamente as inserções eleitorais do atual presidente, supostamente favorecendo o adversário, Lula.

Em resposta à denúncia, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, cobrou a apresentação de provas, alertando que uma falsa acusação poderá ser encarada como crime eleitoral.

“A situação me parece grave e uma escalada razoável na situação eleitoral”, avaliou em nota Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos. “Caso a campanha de Bolsonaro não apresente provas, a medida será vista como tentativa de fraude eleitoral e tentativa de ‘bagunçar’ e criar ruídos às vésperas da eleição.”

Fernando Bergallo, diretor de operações da FB Capital, também citou incômodo dos mercados com novas críticas de Lula às atuais regras fiscais do país. O petista voltou a se manifestar contra o teto de gastos e também disse que não anunciará sua equipe econômica antes de ganhar o segundo turno da eleição presidencial.

“Cenário eleitoral está pesando aqui hoje”, disse Bergallo. “Acredito que o mercado deve operar sem direção única até o final da semana. Principalmente pela agenda, e por conta do cenário externo, mas com a volatilidade acentuada em alguma medida por conta desta derradeira semana antes das eleições.”

Nesse contexto, a ação de Petrobras (PETR4 e PETR3), mesmo após o tombo da véspera, continuou caindo. Banco do Brasil (BBAS3) também recuou após despencar 10% na segunda-feira.

Na contramão, papéis de varejo e educação figuraram entre as maiores altas, com Magazine Luiza (MGLU3) e Cogna (COGN3) avançando, uma vez que são vistas como potenciais vencedoras de um resultado favorável a Lula.

Pesquisas divulgadas desde a véspera, contudo, ainda mostram um cenário bastante acirrado para o próximo dia 30.

Bolsas Mundiais

Wall Street

As ações dos Estados Unidos fecharam em alta acentuada nesta terça-feira, com dados econômicos fracos sugerindo que a política monetária agressiva do Federal Reserve tem surtido efeito, enquanto a queda dos rendimentos dos Treasuries impulsionou a força do rali.

De acordo com dados preliminares, o S&P 500 ganhou 1,66%, para 3.860,20 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 2,23%, para 11.197,33 pontos. O Dow Jones subiu 1,11%, para 31.847,81 pontos.

Europa

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta pelo segundo dia consecutivo, depois que uma série de balanços corporativos melhores do que o esperado ajudou a compensar as preocupações com os aumentos rápidos das taxas de juros e a desaceleração da economia da zona do euro.

O índice STOXX 600 fechou em alta de 1,44%, a 407,61 pontos, para fechar no nível mais alto desde 20 de setembro, com os setores imobiliário, de tecnologia e financeiro na liderança dos ganhos.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,01%, a 7.013,48 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,94%, a 13.052,96 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 1,94%, a 6.250,55 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,40%, a 22.289,85 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 1,49%, a 7.794,90 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 1,59%, a 5.651,70 pontos.

Ásia e Pacífico

Painel eletrônico com informações de bolsas em Xangai 06/01/2021 REUTERS/Aly Song

As ações da China ficaram de lado nesta terça-feira, com os operadores analisando as últimas políticas econômicas do país depois que investidores globais dispensaram ativos chineses na sessão anterior, temendo que a nova equipe de liderança do presidente Xi Jinping dará prioridade à política em detrimento da economia.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 1,02%, a 27.250 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,10%, a 15.165 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,04%, a 2.976 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,16%, a 3.627 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,05%, a 2.235 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 1,48%, a 12.666 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,48%, a 2.984 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,28%, a 6.798 pontos.

*Com informações da Reuters.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.