Siga nossas redes

Finanças

Veja as 5 ações que mais subiram e caíram na semana

A bolha do mercado financeiro estourou?

Publicado

em

por

Katherine Rivas
bolsa de valores

A primeira semana de setembro chegou ao fim e o Ibovespa, principal índice da B3, fechou em alta de 0,52% aos 101.241 pontos nesta sexta-feira (4). Contudo, na semana o índice ainda acumula queda de 0,88%.

Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir os últimos pregões com certeza seria volatilidade. É o que afirma Louise Barsi, sócio-fundadora do Ações Garantem o Futuro (AGF), que analisa o comportamento do mercado na semana mais agitada dos últimos meses.

Muitas notícias movimentaram o índice. No cenário político, por exemplo, teve atrito entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia e o ministro da Economia, Paulo Guedes. A reforma administrativa também foi entregue e segundo Louise embora a proposta foi mais branda do que o mercado esperava, no final foi bem recebida.

Mas, o que realmente fez o Ibovespa fechar a semana em queda de 0,88% foi a realização nas bolsas americanas, por causa das big techs. “Isso reviveu um debate: Será que estamos em uma bolha e esta estourou?”, questiona Louise.

Apesar de que a teoria da bolha não é uma constante entre analistas e especialistas do mercado financeiro, ela defende que ainda temos espaço para um forte upside (potencial de alta) no Ibovespa e em Wall Street.

Segundo Louise, as big techs sempre foram as grandes vencedoras da pandemia, e surpreenderam positivamente os investidores mais de uma vez, então o movimento de realização pode ser observado também como algo normal antes dos feriados. Na segunda-feira (7), o Brasil comemora o dia da Independência, enquanto nos EUA é feriado do labor day, por este motivo não há pregão em nenhum dos mercados.

“Nas próximas semanas é importante acompanhar como as ações vão reagir, mas não conseguimos prever sequer o comportamento de um dia por causa da volatilidade alta”, comenta Louise.

Maiores altas

A queda das bolsas americanas e a venda dos papéis de tecnologia também acabou influenciando o desempenho das ações brasileiras. A maior alta da semana foi a Fleury (FLRY3) que avançou 10,30% no período. Após a empresa lançar o marketplace Saúde ID, no qual investiu R$ 50 milhões, como estratégia de diversificação do negócio as ações da companhia dispararam. O resultado é que a Fleury é a líder da semana.

Outra que se beneficiou com as novidades foi a Energias BR (ENBR3), com alta acumulada de 7,82%. A companhia de energia anunciou que vai pagar no mínimo R$ 1 de dividendos em 2021 por ação. “Isso comprova que a Energias BR está investindo pesado em transmissão de energia. Foram orientações muito importantes para o investidor”, afirma Louise.

A terceira maior alta da semana foi da Qualicorp (QUAL3) que subiu 7,78%. A companhia chegou a disparar mais de 9% em um único pregão com a notícia de que a gestora Pátria adquiriu uma participação de 5% na empresa. “Com a expertise que a Pátria possui em governança vai ajudar a Qualicorp nesta trajetória”, complementa.

Veja as 5 maiores altas da semana:

AçãoAlta
Fleury (FLRY3)10.30%
Energias BR (ENBR3)7.82%
Qualicorp (QUAL3) 7.78%
Azul (AZUL4)7.47%
CCR (CCRO3) 7.14%

Maiores quedas

Entre as maiores quedas desta semana as varejistas seguiram o movimento de correção das big techs americanas e também realizaram lucros.

A ação que mais caiu neste período foi a B2W (BTOW3) que recuou 11,47%. Outra foi Lojas Americanas (LAME4) que encerrou a semana em baixa de 7,14%

Louise avalia que além de seguir o movimento de correção das big techs, que fez o varejo online recuar, outro fator que impactou foi a aquisição do aplicativo AiQFome pela Magazine Luiza (MGLU3).

Nesta semana, a Amazon também anunciou que teria interesse em ampliar sua operação no Brasil, com a abertura de uma loja em Cajamar (SP). Tanto a Amazon gringa como a ‘Amazon brasileira’ (MGLU3) movimentaram as concorrentes, somado a força do contexto internacional.

Entre as companhias que ainda repercutem conflitos antigos está a Cosan (CSAN3), que caiu 10,56% na semana. “O alinhamento das expectativas do investidor sobre reorganização societária da empresa e possível IPO foi recalculado pelo mercado”, explica Louise.

Outra que também sofre por expectativas é o IRB Brasil (IRBR3), que ainda repercute o prejuízo de R$685 milhões no segundo trimestre de 2020. Para Louise, o grande dilema do IRB é a falta de transparência e previsibilidade da companhia, incertezas que são traduzidas na desvalorização das ações.

Com a notícia de que o BNDES vai vender 11% da sua participação na Suzano (SUZB3), por meio de follow on, a ação também desvalorizou 6,77% ficando entre os piores desempenhos da semana.

Veja as 5 maiores quedas desta semana:

AçãoQueda
B2W (BTOW3)-11.47%
Cosan (CSAN3) -10.56%
IRB Brasil (IRBR3)-7.33%
Lojas Americanas (LAME4)-7.14%
Suzano (SUZB3)-6.77%

Compre ações através da melhor plataforma do mercado: Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.