Siga nossas redes

Geral

5 fatos para hoje: ampliação do Auxílio Brasil; R$ 1,4 bi em vacinas

O governo espera comprar 340 milhões de doses de vacina contra covid-19 em 2022.

Publicado

em

Erin Clark/Pool via REUTERS

1- Maioria dos ministros do STF permite que governo amplie Auxílio Brasil em 2022

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para permitir a ampliação do programa social, agora rebatizado de Auxílio Brasil, sem esbarrar nas limitações da lei eleitoral, que impede o aumento desse tipo de gasto a partir de 1º de janeiro de 2022. Seis ministros já votaram pelo entendimento de que a determinação judicial para o governo regulamentar uma renda básica para os cidadãos se sobrepõe aos obstáculos legais de um ano de eleição. O julgamento se encerra hoje no plenário virtual da Corte.

O relator da ação, ministro Gilmar Mendes, argumentou em seu voto que quando se trata de “estrito cumprimento de decisão judicial que impõe o alargamento de valores, de continuidade e/ou fusão de programas sociais já estabelecidos em leis”, restando ausente o abuso de poder político ou econômico, não há que se falar na incidência das vedações da lei eleitoral. Para o ministro, descumprir a decisão seria crime de responsabilidade. Gilmar também citou julgados anteriores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para embasar sua decisão.

O julgamento começou no dia 12 de novembro e, até agora, outros cinco ministros acompanharam o relator: Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Edson Fachin e Ricardo Lewandowski. O placar garante maioria ao entendimento do relator, embora o julgamento só seja concluído no fim do dia.

O obstáculo da lei eleitoral tem sido justamente um fator de pressão para o governo, que corre contra o tempo para obter a aprovação da PEC dos precatórios, que vai abrir espaço no Orçamento para bancar um auxílio de R$ 400, como determinou o presidente Jair Bolsonaro. Pela lei eleitoral, ao menos uma parcela do novo valor precisa ser paga ainda este ano, mas a demora na votação da PEC pode comprometer a operação.

2- Ministério da Economia vai liberar R$ 1,4 bilhão para compra de vacinas

O Plano Nacional de Imunização receberá R$ 1,4 bilhão para a compra de vacinas contra a covid-19, anunciou na segunda (22) o secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago. Segundo ele, a portaria com a liberação dos recursos será publicada nesta terça-feira (23) no Diário Oficial da União.

O dinheiro virá por meio de um crédito suplementar no Orçamento de 2021, que remaneja gastos discricionários (não obrigatórios), sem impactar as contas públicas nem estourar o teto de gastos. Caso os recursos viessem por meio de créditos extraordinários, estariam fora do teto.

O governo espera comprar 340 milhões de doses de vacina contra a covid-19 no próximo ano. Segundo Colnago, o crédito suplementar foi necessário porque o governo precisa adiantar 10% do valor do contrato ainda este ano. “O grosso da despesa [com a aquisição de vacinas] será no ano que vem”, declarou.

3- Barueri é a cidade mais competitiva do Brasil

Usado como fonte de dados para o desenvolvimento de políticas públicas e atração de investimentos, a segunda edição do Ranking de Competitividade e Sustentabilidade dos Municípios, divulgado hoje, traz as cidades de Barueri e São Caetano do Sul, ambas em São Paulo, e Florianópolis, em Santa Catarina, como as mais competitivas do país.

Na primeira edição, São Paulo ocupava a terceira posição, e este ano caiu para a quarta, numa troca de posto com a capital catarinense. Realizada pelo Centro de Liderança Pública (CLP), a lista avalia os 411 municípios brasileiros com mais de 80 mil habitantes, onde vivem mais da metade da população do País.

O estudo analisa 65 indicadores, como funcionamento da máquina pública, questões fiscais, de saúde, educação, segurança, saneamento, meio ambiente, inserção econômica e telecomunicações.

Lucas Cepeda, coordenador de competitividade do CLP, informa que o ranking serve como ferramenta de avaliação da gestão pública pela população, para construção de políticas públicas e atração de investimentos privados.

4- Biden destaca recuperação econômica, mas reconhece dificuldade com inflação

Em cerimônia para oficializar nomeações ao Federal Reserve (Fed, o banco central americano), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, comemorou “progressos” na recuperação da maior economia do planeta, mas reconheceu que a escalada da inflação no país dificulta o orçamento das famílias.

O democrata afirmou que, desde que tomou posse, os EUA geraram mais de 5,6 milhões de empregos e deixaram de ser uma economia “fechada” por conta da pandemia e passaram a liderar no mundo em termos de crescimento. Segundo ele, além de criar postos de trabalho, a atividade econômica tem permitido a abertura de novos negócios.

Biden atribuiu a aceleração inflacionária aos gargalos na cadeia produtiva e disse que esses fenômenos “comem a renda” das pessoas. Na visão dele, contudo, o país está em “posição forte” para lidar com o movimento dos preços. Nesse contexto, Biden entende que o presidente do Fed, Jerome Powell, nomeado ao segundo mandato, é a “melhor pessoa” para lidar com o quadro “difícil”.

5- Conselheiro da Vale José Coelho renuncia ao cargo

A mineradora Vale (VALE3) anunciou em comunicado nesta segunda-feira que o conselheiro José Maurício Pereira Coelho renunciou ao cargo de membro do Conselho de Administração.

A empresa informou que o colegiado se reunirá nos próximos dias para avaliar a substituição de Coelho durante o período de vacância até a próxima Assembleia Geral de Acionistas.

A Vale ainda acrescentou que, considerando que o atual conselho foi eleito pelo regime do voto múltiplo, a assembleia de acionistas procederá à eleição de todo o colegiado, salvo do conselheiro eleito pelos empregados da companhia.

(*Com informações de Reuters, Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

Veja também

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!