Siga nossas redes

Negócios

Bancos privados têm lucro 15% maior em 2019

Resultado positivo foi puxado, principalmente, pelo crescimento do crédito para pessoas físicas e pequenas empresas

Publicado

em

por

Estadão Conteúdo
Agência do Banco Itaú (Imagem: Itaú | Divulgação)

Apesar dos três maiores bancos privados do país terem encerrado o último trimestre do ano com um ritmo de crescimento menor em comparação a outros períodos, eles apresentaram projeções otimistas para 2020. O resultado positivo foi puxado, principalmente, pelo crescimento do crédito para pessoas físicas e pequenas empresas, com margens melhores e maiores receitas com prestação de serviços e tarifas bancárias, mesmo com a concorrência das fintechs.

No total, o lucro líquido do Itaú Unibanco, Santander Brasil e Bradesco foi de mais de R$ 17 bilhões no quarto trimestre, alta de 12,44% em relação ao mesmo período de 2018. No ano, porém, os resultados apresentaram crescimento maior. A cifra foi de cerca de R$ 68 bilhões, expansão de 15,25% frente aos quase R$ 60 bilhões registrados em 2018.

Para analistas do mercado, 2019 pode marcar o último ano de crescimento anual de dois dígitos para os grandes bancos de capital aberto, que cada vez mais veem suas margens serem comprimidas e seus clientes serem abocanhados por players novos.

LEIA MAIS: Brasil é o 4° país com maior adesão a fintechs por usuários digitais

A concorrência com fintechs, as startups do setor financeiro, e diversos outros players – como os varejistas, que a cada dia colocam mais os pés no setor financeiro – é crescente. Assim, repetir as projeções de anos anteriores já é sinal de otimismo em um cenário de maior competitividade e mudanças regulatórias por parte do Banco Central.

Expectativas dos bancos para 2020

Depois de ver seus empréstimos aumentarem 10,9% em 2019, o Itaú espera que sua carteira de crédito cresça de 8,5% a 11,5%. O impulso no ano passado veio da operação brasileira, com empurrão das famílias e pequenas empresas. Na operação da América Latina, o crescimento foi de apenas 1,9%, evidenciando o impacto da onda de manifestações no Chile e a queda dos empréstimos na Argentina, Paraguai e Colômbia.

O rival Bradesco é levemente mais otimista e projeta aumento de 9% a 13% na carteira de crédito neste ano. O Santander Brasil segue com a projeção de elevar sua carteira acima dos 10% até 2022. Do lado das receitas, os três bancos privados entregaram expansão de 5,47% em 2019, para menos de R$ 90 bilhões. Ampliar essa linha foi mais difícil no ano passado diante da crescente concorrência com as fintechs. O maior crescimento veio do Santander, com alta de mais de 8% no comparativo anual. No trimestre, porém, os concorrentes apresentaram melhor desempenho.

No ano passado, com a pressão da concorrência por mais eficiência, os bancos enxugaram suas redes físicas e promoveram programas de demissão voluntária. Assim, a meta para despesas operacionais em 2020 está mais otimista no caso do Itaú, enquanto o Bradesco reiterou suas projeções após ter estourado o intervalo prometido para 2019.

*Com Estadão Conteúdo

Investimento com rentabilidade acima da média em Renda Fixa? Invista em Debêntures. invista já.

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!