Siga nossas redes

Economia

Confiança da indústria no Brasil cai pelo 2° mês consecutivo, diz FGV

índice de Confiança da Indústria (ICI) cedeu 0,6 ponto em setembro.

Publicado

em

por

Reuters
INDÚSTRIA
Funcionário carrega canos de cobre em fábrica Sociedade Paulista de Tubos Flexiveis (SPTF), em São Paulo 20/03/2012 REUTERS/Nacho Doce

A pressão inflacionária e incertezas em várias frentes levaram a confiança da indústria no Brasil a cair pelo segundo mês consecutivo em setembro, mostraram dados da Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira.

Neste mês, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) cedeu 0,6 ponto, a 106,4 pontos, dando sequência à queda registrada em agosto depois de subir pelos quatro meses anteriores.

“As percepções quanto à situação presente e futura vêm oscilando em decorrência de pressões de custo, alto desemprego, instabilidades econômicas e institucionais”, disse em nota a economista do FGV IBRE Claudia Perdigão.

“Nesse contexto, soma-se ainda a crise hídrica, que contribui para elevar a pressão inflacionária e as incertezas quanto à possibilidade de expansão da produção nos próximos meses, tornando mais pessimistas as expectativas para o final do ano”, acrescentou.

O Índice de Situação Atual (ISA), que mede o sentimento dos empresários sobre o momento presente do setor industrial, recuou 0,2 ponto em setembro, a 109,2 pontos, mínima desde agosto de 2020 (98,7).

Já o Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, caiu 1,0 ponto, para 103,6, menor patamar desde maio deste ano (99,0).

Dados do IBGE divulgados no início de setembro mostraram que a produção industrial brasileira registrou retração de 1,3% em julho na comparação com o mês anterior, pior resultado para o mês desde 2015, iniciando o terceiro trimestre mais de 2% abaixo do nível pré-pandemia.

Veja também

Quer ganhar dinheiro com aluguéis e sem taxa de corretagem? Invista em Fundos de Investimento Imobiliários

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!