Siga nossas redes

Economia

FGTS vai render 4,92% na conta do trabalhador após lucro de R$ 8,1 bi

Como em 2020 a inflação medida pelo IPCA foi de 4,52%, ganho real para os cotistas será de 0,4%.

Publicado

em

FGTS

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou nesta terça-feira (17) a distribuição de 96% do lucro registrado no balanço do fundo em 2020, o que dará aos trabalhadores um retorno total de 4,92% na conta do fundo.

Pela regra atual, as contas do FGTS têm uma rentabilidade de 3% ao ano, mais a taxa referencial (TR), além da distribuição do lucro do ano anterior entre os trabalhadores com carteira assinada.

Como no ano passado a inflação medida pelo IPCA foi de 4,52%, o ganho real para os cotistas será de 0,4%. Em comparação, a poupança no período rendeu 2,11%.

Em 2020, o resultado auferido pelo FGTS foi de R$ 8,468 bilhões, sendo que a proposta do Ministério da Economia foi de distribuição de R$ 8,129 bilhões.

Quando o lucro do FGTS será pago?

O depósito do lucro do FGTS será feito até o final de agosto, ocorrendo de maneira proporcional ao saldo das contas mantidas pelos trabalhadores na data de 31 de dezembro.

Segundo o governo, cerca de 191,2 milhões de contas serão beneficiadas. Juntas, elas acumulavam um saldo de R$ 436,2 bilhões ao fim do ano passado.

No ano base de 2019, a remuneração do FGTS foi de 4,9%, ante IPCA de 4,31% e rendimento da poupança de 4,26%.

Saques do FGTS

Em 2020, o FGTS ganhou novas modalidades de saque, além do habitual (que é quando um trabalhador é demitido sem justa causa, término do contrato de trabalho, compra da casa própria ou aposentadoria).

Até 31 de dezembro do ano passado, foi liberado o FGTS emergencial, com direito ao saque de até R$ 1.045 para qualquer pessoa que tivesse uma conta no fundo de garantia. Também foi liberado o saque-aniversário, que permite a retirada de parte do saldo da conta anualmente no mês de nascimento.

As duas modalidades de saques extraordinários foram criadas na pandemia para ser um dinheiro extra para quem teve a renda comprometida. Com a crise econômica causada pela covid-19, o percentual de famílias endividadas atingiu um recorde histórico de 67,1% em junho do ano passado, segundo a pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor, realizada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio).

*Com Reuters

Leia também

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!