Siga nossas redes

Economia

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem mas dispensas aumentam

As dispensas aumentaram ante uma mínima de 24 anos em setembro em parte porque os hospitais demitiram funcionários não vacinados e a escassez de mão de obra forçou o fechamento de instalações.

Publicado

em

por

Reuters
auxílio-desemprego dos EUA
Aviso de contratação do In-N-Out Burger em Encinitas, Califórnia, EUA 10/05/2021. REUTERS/Mike Blake/File Photo/File Photo

O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu na semana passada, mas as dispensas aumentaram ante uma mínima de 24 anos em setembro em parte porque os hospitais demitiram funcionários não vacinados e a escassez de mão de obra forçou o fechamento de instalações.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 38 mil, para 326 mil em dado ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 2 de outubro, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. Economistas consultados pela Reuters projetavam 348 mil pedidos para a última semana.

As solicitações haviam aumentado por três semanas seguidas uma vez que a Califórnia transferiu pessoas para outro programa após o término da ajuda financiada pelo governo federal em 6 de setembro para maximizar seu acesso a benefícios a desempregados. A transferência aumentou os pedidos, embora reflita um movimento de um programa para outro.

Fora da Califórnia, houve aumento nos pedidos relacionados à parada de fábricas automotivas em alguns Estados para tentarem lidar com a falta de semicondutores em meio a uma escassez global.

Isso sugere alguma moderação nas condições do mercado de trabalho. Relatório separado nesta quinta-feira da empresa de recolocação global Challenger, Gray & Christmas mostrou que os cortes de vagas anunciados por empregadores com base nos EUA aumentou 14%, a 17.895 em setembro. Ainda assim, as dispensas têm queda de 85% em comparação com setembro de 2020.

No mês passado as dispensas foram lideradas por empresas do setor de saúde/produtos, com 2.673 cortes anunciados. Desde que a vacina da Pfizer recebeu aprovação total da FDA, muitos locais de saúde implementaram exigências de vacinação.

Veja também

  • Como criar uma cultura empresarial de sucesso?
  • Tesla, Apple, Moderna: qual BDR é o mais negociado (e rentável) da bolsa?
  • Não é só inflação: por que o preço do carro zero está bem maior que há 10 anos
  • Bancos devem perder mercado se não investirem em digitalização, diz estudo
  • Méliuz, Rumo e Kepler Weber: os destaques por trás de um Ibovespa quase de lado
  • Mulheres na liderança do capital aberto ainda são raridade, aponta B3

Quer segurança e rentabilidade acima da poupança para seus investimentos? Invista em CDB!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!