Siga nossas redes

Finanças

1 em cada 3 fundos de ações batem o Ibovespa na crise. O que eles têm em comum?

Apenas 12,9% dos fundos voltados para a bolsa têm retorno positivo desde a chegada da pandemia, segundo dados da Morningstar.

Publicado

em

De um total de 511 fundos de ações, apenas 66 acumulam retorno positivo desde que a pandemia do novo coronavírus derrubou as bolsas do mundo todo. A gestão ativa da carteira, a exposição ao dólar e às bolsas americanas estão entre os fatores que ajudaram muitos deles a se sobressair. Os dados são da provedora de informações financeiras Morningstar, levantados entre o dia 26 de fevereiro (dia da primeira forte queda dos mercados) até quarta-feira (7).

Neste período, o índice de referência das ações brasileiras, Ibovespa, até conseguiu encostar nos 100 mil pontos, mas ainda acumula desvalorização de 12,97%. A forte alta dos últimos três meses suavizou as perdas vistas em fevereiro e março, mas nem assim levaram o índice de volta ao patamar pré-crise. Apenas 187 fundos de ações (36,5%) conseguiram superar o desempenho do Ibovespa desde o estouro da pandemia. Ou seja, a maior parte ainda não supera seu benchmark — que é a marca que os fundos tentam ultrapassar.

O pior desempenho da lista ficou com um dos fundos mais populares entre o pequeno investidor nos últimos meses, o Alaska Black BDR Nível 1, do gestor Henrique Bredda, que acumula retorno negativo de 52% desde o final de fevereiro. O fundo ganhou fama nos últimos anos após uma forte valorização, com a aposta nos papéis da varejista Magazine Luiza (MGLU3). Pelas redes sociais, Bredda não cansa de repetir que o que importa mesmo é o desempenho no longo prazo.

Mas entre os fundos que conseguiram se sobressair desde o início da crise, alguns deles chamam atenção por concentrarem suas estratégias em investimentos fora do Brasil. Um deles é o Western BDR Nível 1, da gestora Western Asset. O fundo acumula rentabilidade positiva de 24,21% desde o estouro da pandemia, o terceiro melhor desempenho, segundo os dados da Morningstar. 

A carteira do fundo mantém um portifólio voltado para grandes empresas americanas listadas na B3 (as chamadas BDRs, ou recibos de ações estrangeiras). Segundo Maurício Lima, gerente de produtos da Western, o fundo é composto pelas chamadas “large caps”, ações de gigantes consolidadas que, ainda assim, apresentam um grande potencial de valorização. “São aquelas com capacidade de crescer em ciclos econômicos mais positivos e resiliência para aguentar eventuais quedas”, explica.

Com patrimônio líquido próximo a R$ 1 bilhão, o fundo tem os cerca de seus 40 papéis concentrados nos setores de tecnologia e de consumo discricionário (que variam ao sabor do ciclo econômico). Dentro dessa categoria, a maior exposição do fundo está em ações (BDRs) da gigante do comércio eletrônico Amazon (AMZO34), que acumula valorização de quase 70% desde o começo do ano. A gigante tem ajudado a deixar seu fundador Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, ainda mais rico — com seus negócios beneficiados pela demanda crescente por compras online e a quebra de concorrentes menores durante a pandemia.

Segundo Maurício, um dos fatores que ajudaram no bom desempenho do fundo da Western é a diversificação geográfica, já que as grandes empresas americanas via de regra têm presença global. “Dada a circunstância em que o mundo vive, a economia americana é a mais dinâmica das economias e essa diversificação geográfica não fica restrita aos EUA”, observa. 

A variação do câmbio também funciona como um contrapeso ao risco-Brasil dentro da carteira do fundo. Quando as coisas vão mal no cenário interno, o dólar tende a ganhar valor frente ao real, o que torna o fundo descorrelacionado do mercado local. A moeda americana valorizou 36% frente ao real nos seis primeiros meses do ano.

“Tem também a diversificação setorial do fundo, com exposição a empresas dos setores de tecnologia e setor farmacêutico , muito pouco representados na bolsa local”, explica Maurício.

Entre os fundos multimercados, categoria de investimento que dá ao gestor a liberdade para investir nos mais variados ativos, a estratégia descorrelacionada também tem funcionado em tempos de crise, como mostrou matéria do InvestNews em março.

Captação líquida de R$ 49,5 bilhões

Os fundos de ações tiveram um desempenho excepcional na primeira metade do ano. A captação líquida foi de R$ 49,5 bilhões, sem nenhuma saída mensal de recursos ao longo da crise e com 21 meses ininterruptos sem resgate, consolidando a tendência observada já há algum tempo, segundo dados da Anbima.

O apetite crescente dos investidores por ativos de maior risco, mesmo em uma das piores crises desde a Grande Depressão de 1930, tem explicação: a combinação entre as taxas de juros no menor patamar da história, o que reduziu o apelo da renda fixa, e os bancos centrais inundando as economias com trilhões de dólares em estímulos contra a crise, o que empurra parte dos recursos apara a renda variável.

O levantamento da Morningstar fornecido ao InvestNews levou em conta fundos com patrimônio acima de R$ 30 milhões e número de cotistas superior a 100 na base da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), com a primeira cota publicada antes de 26 de fevereiro, data inicial da amostra.

OS 15 MAIORES RETORNOS

Fundo de açõesPatrimônio do fundoRetorno entre 26/02 e 07/07
Invexa Inter + IBOVESPA Ativo FIA66.318.478,0037,74%
XP MS Gbl Opportunities Advis FIC FIA IE320.036.822,0034,00%
Western Asset BDR Nível I FIA966.216.264,0024,21%
Vitreo Exponencial FIA IE122.187.045,0021,33%
Forpus Ações FIC FIA414.948.220,0018,14%
BB Ações Globais BDR Nível I FIC FIA244.498.292,0018,05%
Caixa Institucional BDR Nivel I FIA1.189.428.698,0017,89%
Caixa BDR Nivel I FIA327.404.422,0017,51%
BRAM BDR Nível I Plus FIC FIA73.955.485,0016,75%
It Now S&P500® TRN Fund ETF639.583.373,0016,62%
BRAM BDR Nível I FIC FIA240.288.608,0016,34%
Verde CSHG Global Equities FIC FIA IE176.030.468,0016,24%
CSHG Allocation Truxt Long Bias FIC FIA600.262.161,0015,83%
CSHG Alloc Truxt Long Bias II FIC FIA227.159.204,0015,82%

OS 15 PIORES RETORNOS

Fundo de açõesPatrimônio do fundoRetorno entre 26/02 e 07/07
BRAM Bradesco H Petrobrás FIA33.864.726,00-27,41%
Itaú Vértice Phoenix FIC FIA 2443.089.286,00-27,43%
Caixa Construção Civil FIA526.838.052,00-27,53%
Safra Petrobrás FIC FIA43.262.358,00-27,62%
Santander Petrobrás Plus FIC FIA37.153.306,00-27,63%
Itaú Ações Petrobrás FIA209.542.542,00-27,82%
Itaú Phoenix I FIC FIA549.472.976,00-28,08%
Zenith Hayp FIA120.940.915,00-28,11%
Itaú Institucional Phoenix FIC FIA1.795.562.621,00-28,17%
BB Ações BB FIA328.290.065,00-31,06%
Caixa Banco do Brasil Plus FIA128.035.724,00-31,10%
Mauá Capital Ações FIC FIA243.924.966,00-34,26%
XP Trend Ibovespa Alavancado FIA103.380.982,00-41,33%
Alaska Black II BDR Nível I FIC FIA428.962.639,00-51,80%
Alaska Black BDR Nível I FIC FIA1.704.099.468,00-52,05%

Fonte: Morningstar

Compre ações através da melhor plataforma do mercado: Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.