Siga nossas redes

Finanças

Bolsa fecha nos 100 mil pontos puxada por Petrobras e Vale; dólar cai

Bolsas americanas recuaram com sinalização do Fed de manter os juros perto do zero nos próximos anos

Publicado

em

por

InvestNews
bolsa de valores

O Ibovespa fechou em alta de 0,42% aos 100.097 pontos nesta quinta-feira (17). O índice da B3 foi sustentando pelos ganhos de grandes companhias como Petrobras, que seguiram a alta do petróleo. As ações preferenciais (PETR4) subiram 1,93%. Enquanto as ações ordinárias (PETR3) avançaram 2,23%.

Os contratos futuros de petróleo fecharam no positivo com investidores atentos à reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). O fato de o grupo continuar a agir para conter a oferta e apoiar os preços influenciou. Especialmente com a Arábia Saudita insistindo na importância de se respeitar o acordo para cortar a oferta.

O petróleo WTI para outubro teve alta de 2,02%, em US$ 40,97 o barril. Enquanto o Brent para novembro subiu 2,56%, a US$ 43,30 o barril.

Outra ação que puxou o Ibovespa foi a Vale (VALE3). Os papéis da mineradora fecharam em alta de 1,82%. Apesar da queda do preço do minério de ferro, negociado em Qingdao (China) de 1,8%, a US$ 122,05 a tonelada.

No cenário externo, as bolsas americanas fecharam em queda. O índice S&P 500 recuou 0,82%. Enquanto o Dow Jones e Nasdaq caíram 0,47% e 1,27%, respectivamente.

Lá fora os investidores reagiram a sinalização do Fed de manter os juros perto de zero pelos próximos três anos. Realidade monetária que alarma um pouco os mercados.

Embora o banco central americano tenha sinalizado que não haverá alta nas taxas antes de 2024, a avaliação é de que o Fed decepcionou ao não anunciar estímulos. Também ficaram no radar indicadores econômicos nos Estados Unidos e as negociações entre republicanos e democratas por um novo pacote de estímulos.

LEIA MAIS:

O dólar comercial fechou em queda de 0,166%, cotado a R$ 5,2319. Na máxima do dia, a moeda americana chegou a R$ 5,284.

O dólar zerou os ganhos aqui, em dia em que o real operou colado no exterior, sem repercussão de notícias locais. Na mínima, caiu para a casa dos R$ 5,22 no final da tarde. Nos emergentes, o dólar recuou 0,37% no México e 0,44% na África do Sul, mas subiu 0,65% na Rússia.

Na véspera, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu manter a taxa de juros em 2%. A expectativa do mercado é que se continue nesse patamar por um bom tempo.

Destaques da Bolsa

Entre os destaques positivos do dia subiu Usiminas (USIM5) com alta de 5,15%. A companhia valorizou após o Credit Suisse elevar a sua recomendação para neutra. Entre as maiores altas também estava a Ambev (ABEV3) que subiu 4,78% com anuncio de alta de 8,2% nas vendas de cerveja, no acumulado do ano até agosto. Seguida da Suzano (SUZB3) que avançou 3,03%.

Entre as maiores quedas recuaram Hapvida (HAPV3) e Intermédica (GNDI3) com baixa de 3,29% e 3,01% respectivamente. Seguidas da MRV (MRVE3) que desvalorizou 2,69%.

No radar do mercado, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que cinco empresas já manifestaram interesse na aquisição dos Correios, citando quatro delas: Magazine Luiza, DHL, FedEx e Amazon. De acordo com ele, o processo de privatização dos Correios está na “ordem do dia” e ocorrerá na gestão de Jair Bolsonaro.

Com isso as ações da Magazine Luiza (MGLU3) afundaram 2,32%.

Bolsas americanas

As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta quinta-feira em baixa, em meio à continuidade da aversão ao risco no mercado após a decisão de juros do Federal Reserve (Fed). Embora o BC americano tenha sinalizado que não haverá alta nas taxas antes de 2024, a avaliação é de que o Fed decepcionou ao não anunciar novos estímulos. Também ficaram no radar indicadores econômicos nos Estados Unidos e as negociações entre republicanos e democratas por um novo pacote de estímulos.

O índice Dow Jones recuou 0,47%, a 27.901,98 pontos, o S&P 500 caiu 0,84%, a 3.357,01 pontos, e o Nasdaq cedeu 1,27%, a 10.910,28 pontos, depois de ter operado em baixa de mais de 2% durante o pregão.

As ações da Apple recuaram 1,60%, as do Facebook cederam 3,30% e as da Microsoft caíram 1,04%. No setor financeiro, Wells Fargo registrou baixa de 2,33% e Morgan Stanley, de 1,76%.

“Os mercados receberam um Fed dovish, mas pareciam querer mais, o que está diminuindo o entusiasmo dos investidores”, afirmam analistas da corretora americana LPL Financial.

O banco canadense BMO Capital Markets lembra que essa foi a terceira reunião consecutiva do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) que foi seguida por aversão a risco nos mercados. “os participantes do mercado aparentemente voltaram a se concentrar na caracterização cautelosa da recuperação econômica pelo Fed”, diz o BMO.

Ao afirmar na quarta que o ritmo da recuperação econômica nos EUA deve diminuir, o presidente do Fed, Jerome Powell, enfatizou a necessidade de mais estímulos fiscais.

Nesta quinta-feira, o diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que um pacote de US$ 1,5 trilhão está “na faixa de possibilidade”. Os analistas do BMO, entretanto, não acreditam que um acordo entre republicanos e democratas seja iminente.

Entre os indicadores divulgados nesta quinta, os pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA caíram 33 mil, a 860 mil, mas as construções de moradias iniciadas diminuíram 5,1% na comparação com julho. Economista-chefe do MUFG Union Bank, Chris Hupkey alerta que a economia americana parece estar “presa em um limbo e incapaz de ganhar força”.

*Com Estadão Conteúdo

Compre ações através da melhor plataforma do mercado: Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.