Siga nossas redes

Finanças

Conheça a BVM12, nova bolsa de valores que chega ao mercado em maio de 2021

Investidores terão a oportunidade de aplicar recursos em startups e companhias menores, focadas no ESG e sem cotas elevadas.

Publicado

em

por

Katherine Rivas

Assim como a inovação impactou diversos setores da economia, não há dúvidas que ela vai gerar transformações também no mercado de capitais. Provavelmente a principal herança no mundo dos investimentos será o ESG (Environmental, Social and Governance). O termo se refere a ativos que, além do retorno financeiro, consideram indicadores como retorno ambiental, social e governança. Pegando carona nesta tendência, o Brasil está prestes a ganhar uma nova bolsa de valores, a BVM12 (Bolsa de Valores do Maré), que tem sua estreia marcada para maio de 2021 e iniciou na última semana sua fase de testes com 200 voluntários.

Provavelmente, você está questionando se a nova bolsa será concorrente da B3. A resposta é não. Segundo Eduardo Baumel, CEO da BVM12, a iniciativa está destinada a companhias menores ou startups que buscam captar no mercado entre R$ 5 milhões a R$ 200 milhões, diferente de companhias listadas na B3 que abrem capital (IPO) com valores muito superiores. “Muitos falam que a Melliuz (CASH3) é uma startup que entrou na bolsa, mas no seu IPO ela levantou quase R$ 600 milhões. Isso não é startup, é uma companhia consolidada”, afirma.

Ele explica que a BVM12 será o primeiro degrau para uma companhia entrar no mercado de capitais e, porque não, no futuro, um pontapé para a companhia negociar seus ativos na B3.

No entanto, não é apenas o valor das companhias e a dificuldade em captar recursos no mercado que motivou a criação da nova bolsa. O propósito é maior: aproximar investidores com propósito de empresas com impacto positivo.

Segundo Baumel, são companhias que geram impacto social, ambiental, educacional e financeiro positivos. E não estamos falando de uma ONG. Uma empresa deste tipo tem interesse em gerar receita e ter lucro para multiplicar seus benefícios.

No lado oposto, um investidor com propósito é aquele que busca aplicar seu dinheiro em companhias que tenham um impacto real na sociedade. E não confunda isso com um doador, o investidor quer e precisa ter lucro com seus ativos.

Nos Estados Unidos, os investimentos em companhias com impacto positivo já são realidade e representam 40% do mercado. Porém, no Brasil, ainda há um longo caminho pela frente. Baumel aponta que menos de 10% dos investimentos são direcionados a este tipo de companhias e apenas 3% dos Fundos de Investimento olham para o impacto positivo.

Como investir na BVM12?

A BVM12 oferecerá a oportunidade de investir no mercado primário, quando uma startup faz uma oferta pública inicial, e no mercado secundário, com compra e venda de ações entre os investidores que já detêm os papéis.

Atuando em um mercado não tradicional, foi preciso reinventar a engrenagem para comprar e vender ativos.

Veja também: Bolsa vai criar índice com as melhores ações de empresas para trabalhar; entenda

A primeira diferença em relação à B3 é que as operações não acontecerão em reais e sim utilizando uma tecnologia blockchain, a Palafita, que é equivalente ao valor da nossa moeda. Por exemplo, 1 Palafita é equivalente a R$ 1.

A escolha de criar a primeira bolsa de valores que opera em blockchain aconteceu por motivos de segurança, para garantir privacidade para as pessoas e transparência na negociação. Além de reduzir o custo para as startups, sem reais não é preciso ter uma empresa custodiante das ações. O valor do IPO sai mais em conta.

A segunda diferença é que as negociações acontecerão por meio de parceiros, que vão proporcionar uma carteira digital aos investidores, semelhante à função feita pelas corretoras. Algumas companhias que já fazem parte são a PicPay, com 30 milhões de usuários, e a Grão, focada em microempreendedores.

Segundo Baumel, há conversas em andamento também com o aplicativo Ame Digital e a corretora Órama. “Estamos abertos ao diálogo com corretoras que busquem levar o impacto positivo para seus investidores”, afirma.

Desta forma o investidor precisará criar uma carteira digital em algum destes parceiros, carregar palafitas na sua conta, escolher a empresa para investir e se tornar um acionista da companhia listada na BVM12.

Para as empresas, o processo é mais rigoroso. É preciso se cadastrar e fornecer seus dados para BVM12 e na sequência passar por um processo de aprovação. Uma vez escolhidas as companhias vão definir o valor das ações e fazer a emissão e listagem.

De olho nos pilares ESG

As exigências para negociar ações na BVM12 não são menores que na B3. A Bolsa da Maré conta com um rigoroso filtro para garantir que as companhias listadas cumprem de fato com os pilares socioambiental e de governança. Para avaliar o impacto positivo das companhias, há 4 parceiros:

  • Accountfy: a plataforma cuida da avaliação financeira antes da companhia entrar na bolsa e durante toda a sua permanência. Fazendo análise do caixa das empresas e gerando reportes trimestrais de resultados. Desta forma, mesmo sendo startups, os investidores terão mais segurança na hora de escolher um ativo.
  • Consultoria Falconi: com ampla experiência na gestão de grandes empresas da B3, a Falconi vai avaliar se as companhias listadas na BVM12 estão cumprindo com as práticas de governança e transparência.
  • Simpact: vai avaliar se as empresas estão colocando em prática o pilar social.
  • Climate Ventures: vai mensurar o impacto ambiental da companhias

Para garantir que as práticas vão além do discurso (greenwashing), os parceiros vão fazer avaliações com os clientes finais de empresa, comprovando se de fato as companhias têm o impacto positivo que afirmam. Baumel acrescenta que será criado um sistema de selos, do bronze ao ouro, para monitorar a evolução das práticas. “Não pretendemos que a companhia seja uma Vale (VALE3), com tudo sob controle, buscamos que elas evoluam e ganhem selos nessa trajetória”, diz.

Mercado primário

A BVM12 terá um mercado primário, onde as startups podem abrir capital, semelhante as operações de IPO na B3. Segundo o CEO, a ideia é criar um grande conglomerado que reúna todas as plataformas de equity crowfunding, mas com uma estratégia diferente.

Se você investiu em startups antes, sabe que o aporte inicial é elevado. Por meio do equity crowfunding, é possível adquirir uma cota a partir de R$ 1 mil e, no investimento-anjo, é preciso desembolsar pelo menos R$ 10 mil.

Além disso, não é um investimento de curto prazo. É preciso ficar pelo menos dois ou três anos antes de poder vender a sua cota. Um dos objetivos da BVM12 é trazer liquidez ao investimento em startups. Com a nova bolsa, a ideia é não ter cotas da companhia: você pode comprar sua participação no mercado fracionário com valores mais acessíveis.

Também não precisa ficar preso para sempre na startup. A BVM12 oferece a alternativa de você vender seu ativo quando achar necessário. Para as companhias, também é uma oportunidade interessante de poder captar além de R$ 5 milhões e com acesso a um amplo leque de investidores, na PicPay por exemplo há 30 milhões de usuários.

Mercado secundário

Para os investidores que não conseguirem participar do IPO, o mercado secundário também deve oferecer alternativas com preços acessíveis no mercado fracionário e liquidez dos ativos. Desta forma, será possível comprar uma pequena participação na startup com uma segurança maior para o investidor, semelhante a compra de ações.

A meta de Baumel para o primeiro ano de operação é ter pelo menos 30 companhias de impacto positivo listadas e uma média de 150 mil investidores.

Ainda entre os planos da BVM12 está criar um índice com as 12 melhores companhias da bolsa para a pessoa física investir diretamente, algo semelhante ao Ibovespa, além da criação de ETFs por setores. “No lugar de investir na empresa, você pode escolher investir aplicar em um ETF de empresas com impacto educacional”, exemplifica Baumel.

Na lista de estratégias também está a internacionalização da BVM12, permitindo que companhias estrangeiras abram capital na bolsa e investidores estrangeiros comprem ativos aqui no Brasil. O CEO já tem um diálogo ativo com iniciativas na Quênia e no Líbano.

Próximos passos

Com a estreia marcada para maio de 2021, o projeto avança para as próximas etapas. O funcionamento da Bolsa de Valores da Maré só será possível por meio do “sandbox”, um ambiente para que empresas autorizadas e supervisionadas pelo Banco Central consigam testar seus projetos financeiros.

A BVM12 ainda não foi regulada pela CVM, mas pretende fazer o pedido para participar do sandbox até o dia 16 de novembro. E para conseguir a regulação do equity crowfunding, que fará possível as operações do mercado primário, a solicitação será enviada até sexta-feira (13).

Se escolhida a companhia, fará parte do sandbox por 1 ano, podendo ser prorrogado por mais um. Após este período, será necessário que a BVM12 e a CVM entrem em um acordo oficial para regularizar operações.

Compre ações através da melhor plataforma do mercado: Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado BDR BDR

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.