Siga nossas redes

Geral

5 fatos para hoje: fila de leilões no BNDES, 5G no Brasil e crise no Mercosul

O edital do leilão 5G está no Tribunal de Contas da União (TCU) para análise e deve ser lançado até o fim deste ano.

Publicado

em

bndes

1- Maior leilão da história trará o 5G ao Brasil

A tecnologia 5G deverá chegar ao Brasil até o fim do ano. “Não se trata de mais um G e sim de um guarda-chuva que envolve e potencializa outras tecnologias”, afirma o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Moraes, em entrevista ao programa “Brasil em Pauta”.

De acordo com Moraes, a tecnologia 5G será a catalisadora de outras tecnologias como inteligência artificial, robótica, inteligência mista e aumentada. Tudo graças à sua baixa latência, que é o tempo que os dados demoram para trafegar. “No caso do 5G, esse tempo é menor do que um piscar de olhos”.

O edital do leilão 5G está no Tribunal de Contas da União (TCU) para análise e deve ser lançado até o fim deste ano. “Vamos liberar a outorga do direito de uso da frequência, que são essas vias por onde os sinais trafegam”, diz o presidente da Anatel.

Segundo ele, esse não será um leilão arrecadatório. Isso porque além da implantação do 5G, as empresas terão compromissos de investimentos como a cobertura de internet em estradas brasileiras e em localidades que ainda não contam com internet nenhuma. “Espera-se que, em 20 anos, sejam de mais de  R$ 40 bilhões em investimentos”, diz.

2- BNDES tem na fila mais cinco leilões de saneamento

Cinco novos leilões do setor de saneamento estão na fila do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para serem realizados até o primeiro semestre do ano que vem. No total, são R$ 17 bilhões de investimentos para universalizar e modernizar os serviços de água e esgoto para 10,4 milhões de pessoas.

Cada licitação vai seguir um modelo diferente, dependendo da área. Algumas serão feitas por meio de concessão plena, que inclui produção e distribuição de água e esgoto, outras serão feitas por meio de Parcerias Público-Privadas (PPP) de esgoto ou a concessão apenas da distribuição – como foi o caso da Cedae, leiloada ontem, na B3, e considerada um sucesso pelos especialistas.

Pelo cronograma do BNDES, três leilões devem ocorrer ainda neste ano, no segundo semestre: Amapá (R$ 3 bilhões de investimentos), Porto Alegre (R$ 2,17 bilhões) e Rio Grande do Sul (R$ 3 bilhões). Alagoas e Ceará ficam para o próximo ano. O Estado de Minas Gerais também iniciou o processo de estudo com o banco de fomento, mas ainda não tem previsão para leilão.

O banco está em negociações ainda para fazer a modelagem dos Estados da Paraíba, Pernambuco e Rondônia. “Não vai faltar investimento no setor”, diz o chefe do Departamento de Desestatização e Estruturação de Projetos do BNDES, Guilherme Albuquerque. Segundo ele, os governadores precisam de bons exemplos, como foi Maceió e Cedae, para aderir às concessões.

3- Governo avalia novo modelo de aluguel social

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) quer tirar do papel no segundo semestre deste ano um projeto piloto de parceria público-privada de aluguel social, disse ao “Estadão/Broadcast” o secretário de Habitação, Alfredo Santos.

A ideia é desonerar o orçamento das famílias de baixa renda e, ao mesmo tempo, permitir a operação privada do empreendimento, inclusive com manutenções periódicas no imóvel, evitando problemas hoje recorrentes de deterioração em residenciais do Minha Casa Minha Vida.

A iniciativa já foi qualificada no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e entra agora em fase de estruturação do modelo. Uma opção é combinar contrapartidas federais ou locais, como terreno e parte do investimento, na fase de construção das moradias voltadas ao aluguel social com o capital do governo local para financiar a operação realizada pela empresa – que ficaria responsável por administrar o empreendimento pelo período do contrato.

Segundo Santos, a participação do governo federal com recursos para as obras vai depender de fatores como disponibilidade de orçamento e real necessidade dessa contribuição para reduzir o preço final do aluguel social, adequando o valor à capacidade de pagamento das famílias. Na prática, quanto maior for o investimento a cargo da empresa, maior será a sua remuneração, o que poderia onerar os beneficiários, o gestor local ou até inviabilizar o projeto.

O governo, porém, já tem enfrentado limitações no orçamento e, em 2021, teve zerada a verba para construção de casas cujas obras já estavam em andamento. Até o momento, o corte não afeta os estudos da pasta sobre aluguel social.

4- Mercosul passa por crise e futuro é incerto

Era para ser um ano de festa. Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai completaram em março 30 anos da criação do Mercado Comum do Sul (Mercosul), que juntou os quatro países em uma união aduaneira e de livre-comércio. As “bodas de pérola”, porém, foram celebradas com crise, pressão por mudanças e dúvidas em relação ao futuro do bloco.

“O comércio do Mercosul cresceu 500% de 1991 até 2000, quando houve crise cambial no Brasil e uma enorme crise econômica na Argentina. Temos de reconhecer que, nos últimos 20 anos, porém, o Mercosul esteve em relativa estagnação”, afirma o consultor e ex-secretário de Comércio Exterior Welber Barral.

Para Barral, os momentos em que o grupo teve maior evolução foram quando os governos, principalmente de Brasil e Argentina, gozaram de boa relação – como, por exemplo, entre o governo Michel Temer, no Brasil, e Maurício Macri, na Argentina, o que impulsionou a discussão do acordo entre o bloco e a União Europeia (UE), fechado já no início do governo Jair Bolsonaro. “Estamos com as duas questões negativas agora, na relação entre os governos e no crescimento“, afirma.

Apesar de o ministro da Economia, Paulo Guedes, já ter dito que o Mercosul “não era uma prioridade”, a relação dentro do bloco “azedou” depois de os liberais brasileiros verem Alberto Fernández assumir o governo da segunda maior economia do grupo com uma política econômica oposta. Desde então, houve bate-boca entre o presidente argentino e uruguaio na cúpula de março e trocas de farpas entre Guedes e o ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, na segunda-feira (26). “Não é só uma questão ideológica. A Argentina hoje tem uma crise de dívida externa”, explica Barral.

A estratégia dos brasileiros agora é convencer os vizinhos a aceitarem que cada país adira às mudanças “quando e se” quiserem. “O ministro chegou a mencionar que, se quiserem daqui a quatro anos acompanhar o Brasil, os argentinos são bem-vindos”, disse o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Roberto Fendt.

5- Gestora Truxt foi a responsável pela alta da Boa Safra na estreia na Bolsa

Em comunicado ao mercado divulgado hoje, a novata Boa Safra Sementes – que estreou na Bolsa de valores brasileira (B3) em 29 de abril – informou que a gestora Truxt Investimentos alcançou participação de 6,75% do total de ações ordinárias (ON) da companhia.

“Os fundos ou carteiras de investimentos geridos pela Truxt adquiriram ações ordinárias de emissão da companhia, passando a deter em conjunto, naquela data (29/04), um total de 7,5 milhões de ações de mesma classe (SOJA3)”, informou o comunicado à CVM.

Isso explica a movimentação expressiva do papel da Boa Safra no dia 29 de abril último, quando o papel valorizou 46,46% na estreia na B3, a maior alta do mercado naquele dia.

O comunicado completa que a Truxt tem “por objetivo investimento e não visa alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da companhia”, informou a Boa Safra.

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!