Siga nossas redes

Geral

5 fatos para hoje: déficit deve passar 15% do PIB; Brasil perto dos EUA no 5G

A estimativa foi feita pelo Instituto Internacional de Finanças (IIF) que espera cortes de gastos para reverter a trajetória.

Publicado

em

por

InvestNews
economia brasileira PIB

1 – Brasil se aproxima dos EUA contra a China no 5G

Nesta terça-feira (10) o governo Jair Bolsonaro deu um passo importante no apoio à iniciativa dos Estados Unidos que defende barrar a tecnologia chinesa do 5G. Após uma cerimônia no Itamaraty com o secretário de Crescimento Econômico, Energia e Meio Ambiente do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Keith Krach, e o secretário de Negociações Bilaterais e Regionais nas Américas, embaixador Pedro Miguel da Costa e Silva, o governo brasileiro declarou apoio à iniciativa “Clean Network” (“Rede Limpa”), lançada pelo governo Donald Trump.

LEIA MAIS: Entenda a disputa pelo 5G: na inovação, nos negócios e na geopolítica

O programa é uma iniciativa diplomática dos EUA para convencer países a banir de suas redes de telecomunicações “fornecedores não confiáveis”. O programa de Trump é definido ainda como uma abordagem para proteger a privacidade de cidadãos e informações sensíveis de empresas de invasões agressivas de “atores malignos como o Partido Comunista Chinês (PCC)“.

“O Brasil apoia os princípios contidos na proposta do ‘Clean Network’ feita pelos Estados Unidos, inclusive na Organização Para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), destinados a promover no contexto do 5G e outras novas tecnologias um ambiente seguro, transparente e compatível com os valores democráticos e liberdades fundamentais“, disse o embaixador Costa e Silva.

2 – Déficit fiscal do Brasil caminha para superar 15% do PIB neste ano, diz IIF

O Brasil está em um trajetória fiscal “preocupante”, avalia o Instituto Internacional de Finanças (IIF), em relatório divulgado nesta terça-feira (10). Pelos cálculos da instituição, o País deve registrar déficit superior a 15% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.

LEIA MAIS: Paulo Guedes: país pode ter hiperinflação se não rolar dívida satisfatoriamente

Segundo a análise, o governo brasileiro implementou um amplo pacote de estímulos para atenuar os efeitos econômicos da pandemia, em volume semelhante aos de algumas economias desenvolvidas.

O IIF explica que as medidas expansionistas limitaram o choque causado pela covid-19, mas deixaram pouca margem para manobra. “A dívida pública já era alta e cumprir a regra fiscal do Brasil requer anos de cortes sustentados de gastos“, pontua.

3 – Emprego na América Latina terá lenta recuperação após pandemia

A recuperação do mercado de trabalho na América Latina e no Caribe após a pandemia de covid-19 levará anos e exigirá ações dos governos. A conclusão consta em relatório conjunto divulgado ontem (10) pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Apenas no segundo trimestre de 2020, a região fechou 47 milhões de postos de trabalho a mais que no mesmo período do ano passado.

Segundo o documento, mesmo se o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos) da América Latina e do Caribe voltasse a crescer numa média de 3% por ano, a região atingiria apenas o nível do PIB de 2019 em 2023. Caso o PIB regional cresça 1,8% por ano, taxa média observada na última década, o PIB de 2019 só seria alcançado em 2025. Se a região crescer apenas 0,4% ao ano, nível observado desde 2014, o PIB de 2019 não seria atingido na próxima década.

Para contrapor-se à essa tendência, a Cepal e a OIT sugerem políticas ativas de estímulo às economias da região, acompanhada de medidas setoriais que promovam o desenvolvimento sustentável com emprego. Entre as ações recomendadas, estão a promoção de políticas ambientais que estimulem o emprego, de investimentos públicos intensivos em mão de obra e de políticas industriais e tecnológicas que construam capacidades produtivas nacionais e aumentem a competitividade.

4 – BB anuncia crédito de mais R$ 1 bilhão para equipamentos agropecuários

O Banco do Brasil (BBAS3) anunciou um reforço de R$ 1 bilhão para as linhas de crédito rural voltadas ao financiamento de máquinas e equipamentos agropecuários. A contratação utilizará recursos próprios da poupança rural, com taxa de 7,5% ao ano e prazo de até seis anos. O valor se soma ao montante de R$ 9,1 bilhões já disponibilizados pela instituição para a safra 2020/21 em operações de investimento agropecuário. A cifra é 27% maior do que a do mesmo período da safra anterior, segundo o BB.

Por meio das redes sociais, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, comemorou o anúncio e listou o total de investimentos feitos pela pasta até o momento na atual safra. Foram disponibilizados R$ 236,3 bilhões em recursos desde julho, de acordo com a ministra. Ela informa ainda que desse total, R$ 57 bilhões foram direcionados a investimentos.

“O desempenho tem sido fantástico, com o crescimento de contratações e mais crédito para o nosso campo. O agro, com muita confiança no Brasil, tem aplicado e demandado mais recursos”, disse Tereza Cristina. Para a ministra, o reforço oferecido pelo BB vai ajudar a apoiar toda a cadeia produtiva.

5 – CVM aplica R$ 2,3 mi em multas a gestoras por irregularidades em fundos

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aplicou R$ 2,3 milhões em multas em um processo sancionador que apurou irregularidades na gestão de fundos de investimento pela Global Capital 2000 e a Global Equity Administradora de Recursos. A acusação apontou a existência de conflito de interesses dos acusados em transações para a aquisição Cédulas de Crédito Bancário (CCBs).

As multas foram distribuídas entre as gestoras Global Capital 2000 (R$ 720 mil) Global Equity (R$ 700 mi) e seus diretores responsáveis, Julius Buchenrode (R$ 360 mil) e Patrícia Araújo Branco (R$ 250 mil). Ainda cabe recurso ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN), o Conselhinho.

Os acusados foram responsabilizados por violarem os deveres fiduciários em relação aos cotistas, por não terem revelado que as gestoras atuavam como estruturadoras dos ativos adquiridos pelos fundos por elas geridos. No entendimento da CVM, houve uma situação de conflito de interesses com os cotistas.

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil

Alavanque seus ganhos e tenha rentabilidades altíssimas! Negocie Contratos de Índice pela Easynvest.

Anúncio Patrocinado BDR BDR

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.