Siga nossas redes

Geral

Proposta de reforma administrativa dá poder extra a presidente

Mexer com o funcionalismo pode guardar embates maiores do que o executivo estava prevendo.

Publicado

em

por

Estadão Conteúdo
Jair Bolsonaro

A reforma administrativa proposta pelo governo prevê que o presidente da República altere a estrutura do Poder Executivo e até declare extintos alguns órgãos e ministérios sem a necessidade de aval prévio do Congresso Nacional. A proposta foi antecipada pelo “Estadão/Broadcast” em outubro do ano passado.

LEIA MAIS: Entenda a reforma administrativa em 9 pontos; indústria surpreende

Se a medida for aprovada, o presidente poderá unilateralmente mexer em ministérios, fundações e autarquias do Executivo sem necessidade de consultar os parlamentares, desde que não haja aumento de despesa.

Segundo o Ministério da Economia, “há pouca autonomia na reorganização de cargos e órgãos” e “o processo é complexo e moroso” em caso de necessidades urgentes. O objetivo, segundo a pasta, seria dar maior agilidade na adequação de estruturas e cargos.

Pela proposta, o presidente da República poderá extinguir cargos (efetivos ou comissionados), funções e gratificações, reorganizar autarquias e fundações, transformar cargos (quando vagos) desde que mantida a mesma natureza do vínculo, reorganizar atribuições de cargos do Poder Executivo e extinguir órgãos.

Hoje, o governo precisa do aval do Congresso Nacional para criar, reorganizar ou extinguir órgãos e ministérios. Para dar agilidade ao processo, geralmente é editada uma medida provisória, que tem vigência imediata, mas precisa ser votada em até 120 dias.

Foi assim que o presidente Jair Bolsonaro enxugou o número de ministérios de 29 para 22 no início de sua gestão. No entanto, em meio à falta de articulação política, o governo quase viu algumas dessas pastas serem recriadas pelos parlamentares.

Houve ainda uma queda de braço entre governo e Congresso pelo endereço do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão de inteligência que atua no combate à lavagem de dinheiro. O Coaf era ligado ao Ministério da Fazenda, mas o ex-ministro da Justiça Sergio Moro reivindicava que ficasse sob sua alçada para fortalecer investigações, inclusive as da Lava Jato. O Congresso, porém, devolveu o órgão ao Ministério da Economia, de Paulo Guedes.

Hoje, é a lei que dispõe sobre a quantidade de ministérios, suas atribuições, estrutura básica e principais cargos. É na estrutura básica que são definidas as secretarias, conselhos e outras unidades e repartições ligadas à pasta. Apenas os detalhes da estrutura regimental interna do ministério podem ser regulados via decreto.

“Esse tipo de coisa (extinção de órgãos sem aval do Legislativo) seria desastrosa para a administração pública. Produziria uma instabilidade muito grande e daria espaço para um governante arbitrário tomar decisões perigosas para o Estado e a sociedade brasileira”, disse o cientista político e coordenador do mestrado em Gestão e Políticas Públicas da Fundação Getúlio Varga (FGV), Cláudio Couto. “Às vezes é um ‘bode na sala’: aquela coisa que se coloca para chamar a atenção, para que todo mundo reclame dela e que passe o resto.”

Para a professora permanente da Escola de Administração de Empresas da FGV/SP Regina Pacheco, o Congresso não vai dar esse poder ao presidente. “Não acho razoável, inclusive.”

Carreiras típicas. Ela criticou também a falta de uma definição sobre a composição das chamadas carreiras típicas de Estado – questão que ficou em aberto na proposta do governo. Em sua análise, o governo pode ter evitado “comprar essa briga” na PEC, mas “abre um flanco” que pode colocar tudo do avesso.

Regina lembra que a regulamentação sobre carreiras de Estado é discutida há 20 anos, desde a aprovação da última reforma do funcionalismo, em 1998. “Isso é armadilha, se não for resolvido, a proposta despenca”, disse. Isso porque há muita pressão do funcionalismo, com diversas categorias se autodenominando carreiras de Estado, diz ela, que estava na equipe de Bresser-Pereira, ministro da Administração e Reforma do Estado em 1998.

Proteja seu patrimônio das variações cambiais ou ganhe dinheiro com elas. Invista em Contratos de Dólar pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.