Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa sobe 4% na semana e alcança 106 mil pontos; dólar cai

Principal índice da B3 seguiu tendência positiva, apesar de dia incerto em Wall Street.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 6 minutos

ibovespa

Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, encerrou em alta nesta sexta-feira (14), após dado de varejo em novembro superar estimativas, apesar do desempenho incerto em Wall Street, que reagiram ao início da temporada de resultados trimestrais e à continuação da liquidação das ações de tecnologia. O dólar, por sua vez, que fechou em baixa.

No dia, o Ibovespa avançou 1%, aos 106.581 pontos. Na semana, o índice subiu 4,1% (o melhor desempenho semanal desde março de 2020). Já o dólar recuou 0,27%, negociado a R$ 5,5129, recuando 2,12% na semana.

Cenário interno

As vendas no varejo no Brasil expandiram 0,6% em novembro na comparação com o mês anterior, impulsionadas pelos números de supermercados, ainda que com impacto mais fraco da Black Friday. A expectativa de analistas em pesquisa da Reuters era de recuo de 0,2%.

O dado vem um dia após o volume de serviços também superar as projeções do mercado, na sequência de uma série de resultados fracos de atividade econômica recentemente.

Além disso, o mercado digeria o desfecho da reunião entre representantes de auditores fiscais e o Ministro da Economia, Paulo Guedes, na quinta-feira. Membros da categoria deixaram a reunião frustrados com a não apresentação de uma solução sobre o pagamento do bônus de eficiência reivindicado, e falando em acirramento do movimento de protesto.

Câmbio

O dólar fechou em leve queda e próximo das mínimas do dia nesta sexta-feira, com vendas na reta final da sessão estimuladas pela continuidade de um movimento de realização de lucros na divisa norte-americana, que acumulou na semana o maior declínio em mais de dois meses.

A semana foi de expressivo ajuste técnico do dólar no mundo, o que conduziu uma correção também no Brasil, com o mercado discutindo o ritmo de prováveis altas de juros nos Estados Unidos. Os investidores estrangeiros, por exemplo, venderam na B3 nesta semana até a quinta-feira (último dado disponível) US$ 1,7 bilhão entre contratos de dólar futuro, cupom cambial e swap cambial tradicional.

O dado sugere que especuladores que operam na Bolsa Mercantil de Chicago podem ter dado sequência a um movimento de redução de apostas contra a moeda brasileira. Na virada do ano, esse grupo de agentes financeiros -que costuma operar com posições de maior risco e muitas vezes direcionais – fez a maior compra líquida de reais em cerca de um mês.

“De acordo com nossas previsões de retorno total para 2022, real, rublo russo e baht tailandês devem ser as três moedas com melhor desempenho em 2022”, disseram estrategistas do Bank of America em relatório, que veem essas moedas como “baratas”.

A estimativa do BofA para o fim do ano é de taxa de câmbio nominal de R$ 5,70 por dólar – alta de 2,27% para o dólar e queda de 2,22% para o real. Contudo, os retornos totais embutem ainda as taxas de juros a termo, que têm como referência o juro básico da economia (a Selic).

Destaques da B3

A ação da Petrobras (PETR4) subiu 3,73%, dando suporte ao Ibovespa. “Os ativos da Petrobras responderam à alta do petróleo no mercado internacional e à divulgação da produção em 2021. No ano passado, a produção de petróleo e gás da Petrobras somou 2,77 milhões de barris de óleo equivalente (boed) diários, acima da meta de 2,72 milhões, em razão da maior atuação em ativos em águas profundas e ultraprofundas”, comentou Alexsandro Nishimura, economista, head de conteúdo e sócio da BRA.

As ações da administradora de shoppings BR Mallls (BRML3) ficaram entre as altas do indicador nesta sexta-feira após a companhia rejeitar proposta de aquisição pela concorrente Aliansce Sonae, que operava em queda. Confira os destaques.

Bolsas mundiais

Wall Street

O Dow fechou em baixa e foi fortemente afetado por ações financeiras, depois que investidores ficaram desapontados com os resultados dos grandes bancos dos EUA para o quarto trimestre, que causaram uma visão desanimadora sobre o início da temporada de resultados.

O índice S&P 500 fechou com ganho de 0,08%, a 4.662,85 pontos. O Dow Jones caiu 0,56%, a 35.911,81 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite avançou 0,59%, a 14.893,75 pontos.

Na semana, o S&P 500 caiu 0,3%, o Dow cedeu 0,9% e o Nasdaq perdeu 0,3%.

Europa

As ações europeias caíram nesta sexta-feira após comentários “hawkish” (mais duros contra a inflação) de autoridades de bancos centrais alimentarem preocupações sobre o impacto de uma política monetária mais apertada, enquanto a EDF, da França, despencou depois de intervenção do governo para reduzir os preços da eletricidade.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,28%, a 7.542,95 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,93%, a 15.883,24 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,81%, a 7.143,00 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,08%, a 27.543,96 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,12%, a 8.806,60 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,21%, a 5.636,79 pontos.

Ásia e Pacífico

As ações da China fecharam em baixa nesta sexta-feira, com problemas no setor imobiliário continuando a pesar sobre o sentimento de investidores, enquanto os recentes surtos de Covid-19 no país aumentaram as preocupações sobre o efeito da pandemia na economia.

As exportações e importações da China cresceram mais lentamente em dezembro, mas as exportações ficaram um pouco acima das expectativas devido à contínua demanda global sólida.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 1,28%, a 28.124 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,19%, a 24.383 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,96%, a 3.521 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,82%, a 4.726 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 1,36%, a 2.921 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,18%, a 18.403 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,76%, a 3.281 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 1,08%, a 7.393 pontos.

Com informações da Reuters

Veja também

  • 2022 é realmente o ano da decolagem?
  • Mais negociadas, porém, descontadas: por que MELI34 segue ‘andando de lado’?
  • inflação vai dar trégua em 2022? Veja o que pensam 4 casas de análise
  • BDRS das big techs: é hora de vender? E ainda, Moura Dubeux sobe mais de 13%
ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.