Siga nossas redes

Negócios

Ações de varejistas: analistas enxergam cenário difícil para as empresas

Com inflação elevada e juros subindo, ações de varejistas sofrem mesmo com reabertura da economia.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

queda investimentos

Após a divulgação de balanços trimestrais que decepcionaram o mercado na última semana, as ações de varejistas seguem sofrendo na bolsa de valores. Para especialistas ouvidos pelo InvestNews, o cenário macroeconômico deve continuar tornando a situação difícil para empresas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e Americanas (LAME3 e LAME4), além de preocupações com concorrentes como Mercado Livre (MELI34). 

Entre as principais representantes do varejo na bolsa de valores, as ações de Americanas, Magazine Luiza e Via acumulam perdas de 44%, 60% e 64% em 2021, respectivamente, mesmo em pleno processo de reabertura da economia após as restrições impostas pela pandemia de covid-19. Para os próximos meses, a previsão é de mais dificuldades. 

Um dos principais pontos de atenção é a combinação entre inflação elevada e taxa Selic em alta, que corrói o poder aquisitivo da população e inibe o consumo. “Juros mais elevados, inflação mais alta e queda do poder aquisitivo do consumidor afetam empresas que atuam no setor”, resume Rodrigo Crespi, especialista de mercado da Guide Investimentos. 

Nesta terça-feira (16), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o BC precisa ser realista quanto à piora da inflação, que aconteceu tanto em termos quantitativos quanto qualitativos. Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, comenta que  “você pode ler e interpretar que ele esteja, talvez, indicando que as altas de juros podem ser maiores adiante, que a Selic pode ir a patamares um pouco maiores. Com isso, obviamente prejudica um pouco o cenário do varejo”.

Além da inflação, especialistas também citam as preocupações fiscais como fatores que devem continuar puxando as taxas de juros para cima, pressionando ainda mais o setor de varejo. “Vimos um comentário do presidente Jair Bolsonaro, que disse que vai reajustar os salários dos servidores públicos com parte do dinheiro que conseguir disponibilizar com a PEC dos precatórios. Isso acabou pesando bastante”, exemplifica Crespi. “O cenário macro esperado para o médio prazo tem se deteriorado bastante.”

Alexsandro Nishimura, economista, head de conteúdo e sócio da BRA, comenta que “o  desconforto com mais uma sinalização de descompromisso com as contas públicas se refletiu na curva de juros. Este movimento, por sua vez, teve impacto sobre as ações dos setores de tecnologia, construção e varejo”. 

Os especialistas também chamam a atenção para o desaquecimento da economia. De acordo com dados do Banco Central, a atividade econômica brasileira recuou pelo segundo mês consecutivo em setembro. O Índice de Atividade (IBC-Br) caiu 0,27%, após perdas de 0,29% em agosto.

“O varejo (principalmente o de bens semiduráveis) para as classes B e C é o que mais sofre com o encarecimento do crédito, ou seja, alta de juros, assim como desaceleração esperada do PIB”, comenta João Beck, economista e sócio da BRA.

Ações de varejistas x concorrência

Os especialistas ouvidos pelo InvestNews apontam que, além do cenário macroeconômico, existe outro ponto que ajuda a explicar as perdas de Via, Americanas e Magalu na bolsa: o concorrente Mercado Livre (MELI34).

“Essas empresas são impactadas também pela perspectiva de maior concorrência no setor, após o Mercado Livre captar US$ 1,55 bilhão em oferta de ações”, comenta Nishimura, da BRA.

“O Mercado Livre tem sido um concorrente importante. E eles mencionaram que vão abrir um centro de distribuição para linha branca – área em que a gente observava Magazine Luiza e Via sendo bem dominantes”, diz Cruz, da RB Investimentos. “Claro que, toda vez em que você tem um concorrente forte atuando, ampliando seu escopo de atuação para um item que você domina, isso é negativo para os seus resultados.”

O ‘fator Magalu’

Beck, da BRA, afirma que, em meio a todos os desafios do cenário econômico, o papel do Magazine Luiza enfrenta ainda uma dificuldade a mais entre as ações de varejistas: as expectativas já embutidas no preço. 

“O que acelerou a queda de MGLU3 foi de fato o balanço divulgado na semana passada. Mas colocando uma lupa no setor, a empresa sofre de alguns efeitos de curto prazo. O primeiro é que de fato a empresa é, além do que já entregou de crescimento, uma grande promessa de ganho de mercado no segmento online frente às concorrentes e também na penetração do e-commerce do varejo. E por conta dessa promessa é uma empresa em que a ação já embute no preço altos lucros futuros.”

Beck diz ainda que, “em uma queda de bolsa e desânimo geral com o mercado, essas ações (que lideraram as altas no passado) agora seguem na frente também quando a direção é pra baixo”.

Compre Ações em apenas 3 cliques e aproveite taxa ZERO de corretagem! Invista já

Anúncio Patrocinado Probabilidades Samy Dana Probabilidades Samy Dana
ANÚNCIO PATROCINADO      Carteira de Dividendos Agosto

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Cripto no App Nu