Siga nossas redes

Por Dentro do Negócio

De olho no agronegócio: caminhos para investir em empresas do setor

Confira grandes números do agronegócio e saiba como aproveitar o potencial das ações de empresas como SLC Agrícola, BrasilAgro e São Martinho.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 7 minutos

O sucesso do Brasil no agronegócio pode ser observado na importância que o setor também tem para a economia nacional. De acordo com os últimos dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o PIB do agro cresceu 9,4% em 2021. Com isso, a participação do agronegócio no PIB total do Brasil fica em aproximadamente 28%.

Para dar mais uma ideia da dimensão do setor, as exportações do agronegócio bateram, em 2021, quase US$ 121 bilhões nas vendas externas. Já nas importações, o setor gastou US$ 15,5 bilhões, o que levou a um saldo positivo na balança comercial do agro, com mais de US$ 105 bilhões. Este foi o maior valor da história, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 

Os resultados do agro brasileiro são impressionantes, mas quais são as perspectivas para o setor? Segundo um estudo divulgado pelo Ministério da Agricultura, a produção brasileira de grãos, por exemplo, deve crescer 27% nos próximos 10 anos, alcançando 333 milhões de toneladas.

Por outro lado, há grandes desafios por causa da sensibilidade da demanda e oferta de produtos agro e seus derivados diante de variáveis externas e internas, como econômica, política, naturais e tecnológicas. Dessa maneira, tende a ser mais difícil neste setor, do que em muitos outros, fazer o planejamento estratégico de empresas nas quais a atividade agrícola é predominante. Este é um ponto de atenção importante para quem investe.

Para mencionar algumas dessas variáveis e desafios, podemos falar de adversidades climáticas, como a seca, que trouxe dor de cabeça em várias culturas no agro. No ano passado, as geadas também afetaram as produções de café, cana, hortifrutis, citrus e até a pecuária. Somado a isso, em 2021, os produtores tiveram que lidar com alta nos preços e custos de produção, puxada principalmente pelos insumos e combustível. Houve ainda desafios logísticos com aumento no frete rodoviário e aumento nos custos de transporte.

Como se já não bastassem essas variáveis, 2022 começou com mais desafios no setor, considerando os reflexos do conflito entre Rússia e Ucrânia, países que são grandes exportadores de fertilizantes e trigo.

Esses exemplos mostram a complexidade que está por trás da dinâmica de um dos principais motores da economia brasileira.

A estratégia de empresas de atividades agrícolas na bolsa

Com uma operação mais verticalizada desde o plantio da cana-de-açúcar até a produção de açúcar, etanol e energia pela queima do bagaço da cana, o Grupo São Martinho, um dos destaques do Brasil no setor, reportou perda de produtividade de 11% na safra 21/22, afetada pela estiagem durante o plantio.

Neste caso, a dúvida do mercado é até que ponto os altos preços de etanol e açúcar vão continuar sustentando pioras nos números de produtividade e volume, que mesmo na safra 22/23 podem não se recuperar. De toda forma, a empresa tem uma boa estratégia de comercialização, e apresentou recentemente boa rentabilidade e capacidade de geração de caixa mesmo diante da volatilidade dos preços.

Uma empresa que tem conseguido níveis bons de eficiência é a SLC Agrícola (SLCE3), um dos maiores produtores mundiais de grãos e fibras. Mesmo diante de várias adversidades no mercado, no quarto trimestre de 2021, obteve aumento da receita líquida de quase 12% em relação ao mesmo período do ano anterior. O lucro líquido da SLC atingiu R$ 193 milhões, um aumento de quase 30% em comparação com o ano anterior.

Além de ter conseguido agilizar a colheita de soja e algodão, a companhia também tem sido ágil na fixação de preços e ao fazer toda a compra de insumos necessários no período, protegendo a empresa contra o aumento dos preços dos insumos em virtude de uma série de fatores, incluindo a guerra entre Rússia e Ucrânia. Além disso, a empresa projetou um aumento de quase 50% na área plantada, para próximo de 675 mil hectares ao incorporar alguns negócios.

Ainda assim, os riscos climáticos e volatilidade no preço de commodities relacionadas à produção da SLC são consideráveis.

Quem está aparentemente em um bom momento no setor é a BrasilAgro (AGRO3), empresa tradicional na bolsa, que abriu capital em 2006. Ela atua na produção agrícola, e na compra e venda de terras, ou seja, combina dois modelos de negócios: de produção de commodities e o imobiliário. Isso significa que, de um lado, ela compra terras que não são tão produtivas, mas que têm potencial. Depois, desenvolvem a terra, valorizam e vendem.

Uma vez que a aptidão da BrasilAgro é agregar valor às terras adquiridas, ela tem sido beneficiada pela valorização de suas terras em virtude do cenário favorável para as commodities agrícolas. Ao mesmo tempo, combina estratégias de vendas e de arrendamentos para ter rápidas gerações de caixa. De toda forma, o custo da terra está atrelado à rentabilidade das commodities agrícolas, então, também fica condicionada às variáveis já apresentadas. 

As questões urgentes que investidores e executivos precisam responder

Além de considerar os vários aspectos do agro já mencionados, há três grandes questões que o investidor precisa tentar responder.

A primeira é se as empresas mostram práticas de gestão e níveis de eficiência que minimizam os riscos futuros da atividade agrícola e rápidas variações de preços e custos.

A segunda questão é entender quais as vantagens e desvantagens de investir em empresas altamente especializadas e verticalizadas no agro. E em empresas que diversificam seus modelos de negócios? O que tende a ser melhor no curto e no longo prazo?

Por fim, as projeções e planos de crescimento reportados por empresas do agro são compatíveis com acontecimentos nas variáveis do ambiente econômico, político, de clima e tecnológico?

Empresas como a SLC Agrícola tem apresentado uma gestão que permite mitigar os riscos de mudanças rápidas nas receitas e nos custos. Mas a BrasilAgro pode também atrair atenção por trabalhar com dois modelos de negócios complementares. Sobre a São Martinho, entre prós e contras, é altamente verticalizada e focada no mercado de açúcar e etanol.

*Leandro Guissoni é Ph.D., professor de estratégia no Brasil e Estados Unidos, empresário, palestrante e autor de livros, artigos e casos de empresas por Harvard. Assessora grandes empresas em inovação digital e analytics.

As informações desta coluna são de inteira responsabilidade do autor e não do InvestNews e das instituições com as quais ele possui ligação. 

Veja também

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Probabilidades Samy Dana Probabilidades Samy Dana
ANÚNCIO PATROCINADO      Novidade Carteita TOP FII Junho

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Cripto no App Nu