Siga nossas redes

Economia

Ata do Copom: BC ponderou subir juros em mais de 1 ponto

A autoridade monetária entendeu que o ritmo de aumento da Selic tem sido suficiente para garantir a meta de inflação em 2022.

Publicado

em

por

Reuters
focus: selic e inflação, imagem decorativa banco central
Prédio do Banco Central em Brasília 20/03/2020 REUTERS/Adriano Machado

O Banco Central ponderou subir os juros para além do ajuste de 1 ponto que acabou adotando, mas chegou à conclusão que, considerando o cenário de incertezas sobre os choques na inflação, era melhor aumentar o ciclo de aperto na Selic.

Na ata do Comitê de Política Monetária (Copom) publicada nesta terça-feira, o BC também apontou que, ao cabo, a avaliação foi de que a elevação em 1 ponto era adequada para garantir a convergência da inflação para a meta em 2022 enquanto avalia com mais cautela o estado da economia após o impacto causado pela crise de covid-19.

“O Copom concluiu que, neste momento, a manutenção do atual ritmo de ajuste associada ao aumento da magnitude do ciclo de ajuste da política monetária para patamar significativamente contracionista é a estratégia mais apropriada para assegurar a convergência da inflação para as metas de 2022 e 2023”, trouxe a ata.

De acordo com o documento, três ponderações foram levadas em conta pelo Copom ao se debruçar sobre os custos e benefícios de acelerar o ritmo da elevação dos juros.

Em primeiro lugar, o BC avaliou que o estágio do ciclo de ajuste é caracterizado por uma política monetária já efetivamente contracionista. Ou seja, que atua no sentido de esfriar a economia.

Em segundo, a autoridade monetária pontuou que simulações com trajetórias de elevação de juros que mantêm o ritmo atual de ajuste, mas consideram diferentes taxas terminais, sugerem que o atual ritmo de elevação na Selic é suficiente para atingir patamar significativamente contracionista e garantir a convergência da inflação para a meta em 2022, a despeito da assimetria no balanço de riscos.

“Finalmente, o peso de itens voláteis nas revisões das projeções de inflação de curto prazo e o ineditismo do processo de readequação econômica pós-pandemia reforçam o benefício de acumular mais informações sobre o estado da economia e a persistência dos choques em vigor”, destacou o documento.

Na semana passada, o BC aumentou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, ao patamar de 6,25% ao ano, e indicou que deverá repetir a dose na próxima reunião do Copom, em outubro, buscando avançar em “território contracionista” ao dar sequência ao seu agressivo ciclo de aperto monetário para domar a inflação.

Veja também

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!