Siga nossas redes

Economia

Copom eleva Selic para 5,25% ao ano e prevê nova alta de 1 ponto percentual

Aumento de 1 ponto percentual veio em linha com a expectativa do mercado.

Publicado

em

Sede do Banco Central, em Brasília 29/10/2019 REUTERS/Adriano Machado

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu nesta quarta-feira (3) elevar a Selic, taxa básica de juros da economia brasileira, de 4,25% para 5,25% ao ano. O aumento de 1 ponto percentual veio em linha com a expectativa do mercado, e interrompe uma sequência de 3 elevações de 0,75 ponto percentual, acelerando o ritmo de aperto monetário. 

Em seu comunicado, o BC informou que o cenário básico e o balanço de riscos do Copom indicam ser apropriado um ciclo de elevação da taxa de juros para patamar acima do neutro.

“Para a próxima reunião, o Comitê antevê outro ajuste da mesma magnitude. O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária”, disse o órgão no documento.

Com a alta, as aplicações de renda fixa atreladas ao CDI (Certificado de Deposito Interbancário) ficam mais atrativas. Veja quanto rendem os investimentos e onde aplicar seu dinheiro neste cenário de Selic em 5,25% ao ano.

Esse foi o primeiro aumento de 1 ponto percentual da Selic desde 2003, e o maior para uma reunião do Copom desde 2002. É o quarto aumento seguido da taxa básica de juros. Veja abaixo o histórico de variações:

Aperto da inflação

A expectativa por um aumento maior da taxa Selic ganhou força em meio às preocupações com a inflação, em um cenário com pontos de alerta como conta de luz pressionada pela crise hídrica e aumento das commodities.

“Com a piora dos índices de inflação e possível desancoragem das expectativas, acreditamos que o Banco Central deve ser mais ativo e elevar a taxa de juros de forma mais significativa. Esse comportamento evitaria uma perda de credibilidade e reduziria uma contaminação dos preços deste para o próximo ano”, comentou em relatório o economista Gustavo Sung, da Suno Research. 

Analistas do Itaú Unibanco também esperavam uma alta de 1 ponto percentual, pois, conforme pontuou o banco em relatório, “o risco para inflação continua sendo de alta, justificando um ajuste mais tempestivo”. 

O economista João Beck, sócio da BRA, também acreditava em um aumento de 1 ponto. “O atraso na subida dos juros pós pandemia foi proposital e claramente mencionado nos comunicados. O motivo foi – palavras do comunicado – manter os juros em níveis estimulativos. Agora, no último comunicado, a mensagem mudou. Os juros serão de equilíbrio e, como se diz no mercado, a meta é buscar a meta de inflação“, diz ele. 

Veja também

  • Bradesco desaponta investidores, mesmo com salto de 63% no lucro
  • Pelé fará ‘IPO humano
  • Ações da Robinhood chegam a disparar mais de 80%
  • Auxílio Brasil abarca Bolsa Família e terá transferência do Fundo de Precatórios
  • PEC do governo preverá fundo extra-teto de gastos
  • Real está 19% mais fraco do que deveria e desvio deve persistir, diz FGV

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Invista seu dinheiro no investimento mais seguro do mercado a partir de R$ 36. Invista em Tesouro Direto!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!