Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa encerra em queda, aos 101 mil pontos; dólar avança

O aperto monetário nos Estados Unidos seguiu no radar dos investidores no dia.

Publicado

em

Telão B3 IBOVESPA

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, operou e encerrou o pregão em queda nesta segunda-feira (10), enquanto acompanhou a repercussão das bolsas internacionais sobre as decisões do Federal Reserve (Fed). Já o dólar avançou no dia.

No primeiro pregão da semana, o índice recuou 0,75%, aos 101.945 pontos. O dólar, por sua vez, subiu 0,74%, negociado a R$ 5,6742.

Cenário externo

Os principais índices de ações nos EUA recuaram, após os rendimentos dos Treasuries de dez anos subirem para o maior patamar desde o início de 2020 na manhã. O movimento ocorreu depois que a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed) revelou na semana passada um discurso mais duro da instituição sobre a escalada da inflação, com perspectiva de aumento na taxa de juros do país antes do previsto.

Na sexta-feira, números do mercado de trabalho norte-americano corroboraram com essa tese, na leitura do mercado, e a curva de juros nos EUA precifica chance de mais de 70% de uma elevação de 0,25 ponto percentual na taxa de juros em março. A alta dos juros nos EUA afeta a liquidez dos mercados globais e eleva o custo de capital das empresas, impactando negativamente as bolsas.

Cenário interno

O Ibovespa veio de duas sessões consecutivas de alta, que ainda assim não evitaram um recuo na primeira semana do ano.

Apesar de pregão negativo por conta do exterior, a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que não estariam garantidos reajustes a nenhuma categoria de servidores pode dar algum alívio na cena fiscal doméstica.

Analistas do Itaú BBA, incluindo Marcelo Sá, projetam um ano difícil para o Ibovespa, com o índice fechando em 115.000 pontos — o alvo de 2021 era 120.000 –, segundo relatório a clientes. Eles citam o impacto negativo do maior custo de capital, dada a elevação nos juros, e um menor lucro por ação, com cenário macroeconômico mais desafiador.

A pesquisa semanal Focus do Banco Central com economistas desta semana mostrou elevação na estimativa para a taxa Selic em 2022, de 11,50% para 11,75%, enquanto a projeção do Produto Interno Bruto do país caiu de 0,36% para 0,28.

Destaques da bolsa

As ações do Banco Inter (BIDI11) lideraram as baixas do Ibovespa, e fecharam com queda de 8,57%, comercializadas em R$ 24,44. Já os papéis de Magazine Luiza (MGLU3) cederam 7,72%, negociados a R$ 5,74, enquanto a Méliuz (CASH3) perdeu 5,75%, para R$ 2,46.

Os papéis preferenciais da Usiminas (USIM5) encerraram em alta de 4,77%, para R$ 15,38, e as ações ordinárias USIM3 subiram 3,86%, para R$ 14,27. A CSN (CSNA3) também teve ganhos de 3,32%, para R$ 24,92. Por outro lado, a Vale (VALE3) caiu 1,19%, para R$ 83.

Os papéis de Petrobras (PETR3 e PETR4) operaram em queda. Segundo informações da agência Reuters, o petróleo operou próximo da estabilidade à medida que problemas de oferta no Cazaquistão e na Líbia compensavam receios pela rápida propagação da variante ômicron.

  • Quer saber mais destaques da bolsa no dia? Assista ao Boletim InvestNews:

Bolsas mundiais

Wall Street

Os mercados de ações dos Estados Unidos terminaram em queda nesta segunda-feira, mas bem longe das mínimas intradiárias, com o Nasdaq emplacando uma agressiva recuperação no fim do pregão, quando investidores pareceram caçar pechinchas a despeito dos receios sobre chances de alta nas taxas de juros.

De acordo com dados preliminares, o S&P 500 recuou 0,13%, para 4.671,00 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite avançou 0,08%, para 14.947,76 pontos. O Dow Jones teve queda de 0,46%, para 36.065,01 pontos.

Europa

As ações europeias tiveram sua pior queda diária desde o fim de novembro nesta segunda-feira, com o aumento dos rendimentos dos títulos pesando sobre o setor de tecnologia, enquanto a rápida disseminação da variante ômicron da covid-19 também afetou o sentimento.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,53%, a 7.445,25 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,13%, a 15.768,27 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 1,44%, a 7.115,77 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,96%, a 27.353,71 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,51%, a 8.706,90 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,58%, a 5.567,45 pontos.

Ásia e Pacífico

O mercado acionário da China fechou em alta nesta segunda-feira diante dos ganhos em empresas de consumo e saúde, enquanto o STAR Market, focado em tecnologia, recuperou-se com os investidores se agarrando às expectativas de reformas e melhora da liquidez.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei permaneceu fechado.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 1,08%, a 23.746 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,39%, a 3.593 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,45%, a 4.844 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,95%, a 2.926 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,38%, a 18.239 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,68%, a 3.227 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,08%, a 7.447 pontos.

*Com informações da Reuters.

Veja também

Investir em Ações é ainda mais fácil com taxa de corretagem ZERO! Aproveite agora

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!
ANÚNCIO PATROCINADO   Confira a carteira com as 10 ações recomendadas para Janeiro

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!