Siga nossas redes

Finanças

Staking: como obter renda passiva com criptomoedas e quais os riscos

Nem todos os criptoativos estão aptos a esta prática e especialistas recomendam conhecimento por parte dos investidores.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 8 minutos

Criptomoedas em cima de uma mesa

Uma carteira de investimentos com foco em dividendos é a estratégia de muitos investidores da bolsa de valores que desejam ter renda passiva. Quem investe em criptomoedas também não está fora da possibilidade de obter rendimentos deste tipo por meio do chamado staking.

O staking nada mais é que deixar parte das criptomoedas travadas na blockchain (sem poder movimentá-las) e, com isso, receber moedas digitais como recompensa pela validação de operações. Ou seja, os investidores fazem como se fosse um “empréstimo” de ativos à rede e, em troca, recebem criptomoedas.

Andrey Nousi, CFA e fundador da Nousi Finance, explica que trata-se de uma maneira de o investidor conseguir renda passiva com os ativos, pelo fato de receber criptomoedas ao validar blocos.

“Staking tem muito a ver com poder monetizar as criptomoedas. Não rentabilizá-las é como se você tivesse um apartamento e deixasse ele vazio. Você tem um ativo que pode monetizar. Hoje, com as criptomoedas é a mesma coisa. E uma das maneiras mais fáceis é o staking”, afirma Nousi.

Como fazer staking

Antes de tudo é preciso entender que as criptomoedas ficam dentro de um ambiente descentralizado. E, por isso, são os usuários que validam as transações realizadas na rede, por  meio dos mecanismos de consenso, ou seja, a regra em que uma rede de criptoativos deve funcionar. E são dois os mais conhecidos: proof-of-stake e proof-of-work.  

O staking acontece por meio do mecanismo de consenso proof of stake (prova de aposta). Nele, o direito de fazer a transmissão do bloco de transações à rede está relacionado à quantia de criptoativos que está travada na rede, ou seja, em staking.

Já no mecanismos de consenso proof of work (prova de trabalho), a segurança da rede blockchain é garantida pela mineração de criptomoedas, ou seja, que exige grande poder computacional  para encontrar uma solução matemática que fornece o direito de transmissão de um bloco de transações. Desta forma, neste caso, quem tiver as máquinas mais potentes possui mais chances de encontrar a solução que garantirá a segurança e confiabilidade da blockchain, obtendo recompensa a cada transmissão de bloco.

Assim como os mineradores são recompensados com criptoativos, os validadores recebem ativos ao fazerem staking.

São duas as maneiras de fazer o staking: centralizada e descentralizada. A centralizada é por meio das exchanges, ou seja, as corretoras que são especializadas na negociação de criptoativos. Nelas, o investidor faz a escolha de quais e quantos criptoativos que possui e que gostaria de deixar em staking. Trata-se da maneira mais simples e comum e há cobrança de taxas pelas plataformas.

Já a forma descentralizada, geralmente, se dá por quem já possui conhecimento mais aprofundado sobre criptoativos e faz pela própria carteira diretamente na blockchain. E, por isso, é preciso saber interagir com protocolos de DeFi. Neste caso, o investidor precisa pagar taxas da rede.

O fundador da Nousi Finance explica que, ao fazer o staking, o investidor continua sendo o dono dos criptoativos, mas se posicionando de que não fará a venda ou transferência deles, ajudando o protocolo a fazer alguma função.

Nousi lembra ainda que as moedas de usuários são escolhidas de forma aleatória dentro do protocolo para a criação de um bloco na blockchain e que, quanto mais criptomoedas o investidor tem em staking, maior é a probabilidade de ele ser o eleito o validador e, consequentemente, receber uma remuneração maior em ativos.

Nem todas as criptomoedas, no entanto, permitem staking, mas, segundo Nousi, é possível fazer com cerca de 95% dos criptoativos existentes atualmente, como a solana (SOL), polkadot (DOT) e ethereum 2.0, por exemplo.

Também existe a possibilidade de fazer staking com as stablecoins, que são as criptomoedas pareadas em algum ativo como o dólar, euro ou real, como, por exemplo, tether (USDT) e USD coin (USDC).

Retorno

Staking

O prazo em que a criptomoeda ficará em staking pode durar de meses a anos. A recompensa também varia e é sempre em criptomoeda e de acordo com a porcentagem oferecida. Antes de fazer o staking, o investidor já tem acesso a todas estas informações.

Em alguns casos, não existe período mínimo para deixar os criptoativos em staking, podendo resgatá-los a qualquer momento, caso o investidor queira. Ele receberá o saldo proporcional de criptomoedas de maneira instantânea.

Orlando Telles, diretor de research da Mercurius Crypto, afirma que o investidor pode ter rentabilidade de 12% a 15% ao ano, a depender dos ativos.

Quando vale a pena fazer staking?

Ney Pimenta, fundador e CEO da BitPreço, afirma que fazer staking vai depender  do perfil do investidor, do que ele quer no curto, médio e longo prazo. Segundo ele, é recomendado para quem está pensando em investir no médio e longo prazo, deixar a criptomoeda pelo menos de 6 meses a 2 anos em staking, podendo o investidor ganhar de duas formas: na própria valorização da moeda e no staking.

Já Felipe Veloso, economista e fundador da Cripto Mestre, destaca valer a pena fazer staking  quando o investidor tem total conhecimento, experiência no mercado e confiança no projeto, para obter renda passiva em um ativo que não precisa de liquidez imediata.

O que considerar no staking?

Nousi ressalta que o primeiro ponto que o investidor deve analisar antes de optar pelo staking é se ele acredita que determinada criptomoeda vai continuar valorizando com o tempo, ou, no pior caso, se manter estável, além de conhecer o projeto do ativo.

“Sugiro sempre fazer staking de moedas que tenham projetos sólidos, que já são conhecidos, como ethereum 2.0. solana e cardano, e que fazem sentido. Do contrário, no decorrer do médio e longo prazo, o preço da cripto pode cair muito, mais do que o investidor ganhou com o staking”, alerta o fundador da Nousi Finance.

Tasso Lago, gestor de fundos privados em criptomoedas e fundador da Financial Move, destaca que o investidor precisa entender o que está fazendo, como e por quê. “Existem projetos novos em criptos que fornecem retornos altos, mas retorno maior é risco maior. Existem projetos que pagam mais de 20% ao ano em dólar, mas qual é o risco dele? Sempre que o investidor optar por staking de maior rentabilidade, quer dizer que o risco é maior também ”, diz Lago.

Quais são as vantagens do staking?

Para Lago, a principal vantagem é que o investidor consegue exponencializar os ganhos, mas, segundo ele, é preciso ter em mente que trata-se de uma forma de rentabilizar no longo prazo.

Felipe Veloso, fundador da Cripto Mestre, defende que o staking faz com que os usuários utilizem o ecossistema de criptomoedas com boas intenções, já que, por possuírem criptmoedas travadas, tendem a ganhar com o sucesso do projeto e também a perder, no caso de declínio dele.

Leonardo Jaguaribe, fundador da Cripto Holder, acredita que a vantagem do staking está na remuneração acima que a do mercado tradicional. “Ele possui ativos confiáveis que chegam a render mais de 100% ao ano, dependendo do período. Essas oportunidades, na mesma velocidade que aparecem, somem, pois os usuários rapidamente completam as vagas disponíveis para esses ganhos. Diante disso, é fundamental conhecimento e networking dentro desse mercado”, recomenda o fundador da Cripto Holder.

Quais são as desvantagens do staking?

Apesar de suas vantagens, fazer staking também tem seus riscos.

Para Veloso, a  desvantagem é que, nos casos de staking em que as moedas precisam ficar travadas por um tempo determinado, sem flexibilidade de saque, pode fazer com que o investidor perca liquidez. Assim, se o preço do ativo começa a despencar, o investidor não pode fazer nada.

Nousi lembra que existe o risco da corretora ser hackeada e o investidor ter suas criptomoedas roubadas, além da possibilidade de perder dinheiro, caso não conheça bem e entre em um investimento muito arrisco.

Já para Jaguaribe, fazer staking trata-se de um risco elevado, pois, se o usuário não tiver conhecimento, a probabilidade de perder todo o investimento é grande.

“É mais complexo do que operações simples nas bolsas ou corretoras tradicionais. Por isso, é fundamental o estudo. Os riscos a serem avaliados são: do ecossistema cripto, da blockchain, do protocolo, de liquidez, do oráculo, do contrato inteligente, de gestão operacional, entre outros”, alerta Jaguaribe.

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Ganhe dinheiro com hospitais, shoppings e outros empreendimentos, tudo com taxa ZERO de corretagem! Invista em Fundos de Investimento Imobiliários

Anúncio Patrocinado Probabilidades Samy Dana Probabilidades Samy Dana
ANÚNCIO PATROCINADO      Carteira de Dividendos Julho

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Cripto no App Nu