Siga nossas redes

Carteira de Ações Recomendadas Mensal

A carteira de ações Top 10 reflete as dez principais recomendações dos analistas do Nu invest, cujo histórico foi iniciado em junho de 2020 e divulgada no início de cada mês.

Carteira Top 10

Atualizado em 01-12-2021

Delay de 15 minutos

TOP 5 AÇÕES

Código Alocação Potencial Preço Preço Alvo Retorno Data de Entrada
ABCB4 11% +40.8% R$ 17,04 R$24,00
-1.68%
01/12/2021
GGBR4 6% +33.7% R$ 26,17 R$35,70
-0.88%
01/12/2021
TAEE11 11% +25.3% R$ 35,9 R$45,00
+36.45%
31/07/2021
VIVT3 11% +4.04% R$ 49,98 R$52,99
+8.65%
01/11/2021
VALE3 6% +28.1% R$ 70,23 R$90,00
+38.73%
30/09/2020
TRPL4 11% -5.82% R$ 23,36 R$22,80
-0.05%
01/12/2021
WEGE3 11% +10.8% R$ 32,49 R$36,00
-5.56%
01/06/2021
TOTS3 11% +40.8% R$ 29,81 R$42,00
-14.15%
01/06/2021
PETR4 11% +18.2% R$ 29,6 R$35,00
+8.38%
01/09/2021
ASAI3 11% +28.2% R$ 12,48 R$16,00
-34.63%
01/10/2021

Desempenho da carteira

+25.76%

Desempenho do Ibovespa no mesmo período

+16.6%

Objetivo

O objetivo desta carteira é superar o índice Ibovespa em longo prazo. Para isso, a equipe de análise faz criteriosas análises técnica e fundamentalista que buscam maximizar o ganho de capital.

Perfil do investidor

Conservador Moderado Experiente

Diferencial

Simplificação: posicionamento a um grupo selecionado de companhias com tendências de valorização, sem a necessidade de replicar todas as ações do Ibovespa.

Acompanhamento: a dinâmica dos mercados faz com que as ações ganhem ou percam atratividade ao longo do tempo. Monitoramos cada empresa sugerida para garantir o melhor momento de compra e venda das ações e buscar uma performance da carteira acima da média do mercado (índice Bovespa).

Continuidade: mensalmente, o investidor terá acesso a um novo relatório sobre a carteira com os detalhes sobre as ações que a compõem, nossas estimativas para os próximos meses e possíveis trocas dos ativos.

Atualização

Para o mês de outubro realizamos duas trocas na carteira:
✔Saiu: B3SA3 e BPAC11;
✔Entrou: ABCB4 e GGBR4;
✔O setor de maior peso na carteira é: elétrico (22%).

Ibovespa: Caminhamos para reta final do ano e por enquanto temos uma perda aproximada de -14%, com isso cada vez mais a esperança por um fechamento no positivo vai se tornando mais difícil, porém nada é impossível. Destacando que ao longo deste ano o melhor mês teve uma variação positiva de apenas +6,16% o que não seria suficiente para encerrar o ano em alta. Os mesmos setores continuaram a pesar negativamente contra o Ibovespa e mais uma vez o destaque ficou por conta do ICON, índice que relaciona empresas ligadas ao setor de consumo.

Falando do mercado norte americanos as empresas de tecnologia até se saíram bem nesse mês de Novembro com alta no índice Nasdaq. Por outro lado o SP500 fechou perto da estabilidade, e quem foi pressionado foi Dow Jones e Russel, que encerram o mês com uma realização mais expressiva. O Russel é um excelente parâmetro para economia americana como um todo, dado sua diversificação na composição dos ativos.

Comportamento Gráfico: Por enquanto nada muda da perspectiva indicada no relatório anterior, onde temos agora como possível suporte a faixa dos 100 / 98 mil pontos. Se não tiver força para reação neste patamar vamos seguir em busca dos 94 / 90 mil pontos. Caso tenhamos um movimento otimista, uma alta por aqui ainda seria considerada apenas como um respiro, pelo menos no primeiro momento, encontrado logo de cara resistência na faixa dos 111.000.

Trocas do mês:

BPAC11 e B3SA3:

A saída dos dois ativos está fortemente atrelada ao comportamento de longo prazo que até o momento não vem esboçando a reação esperada pelo mercado. Claro que na visão de longuíssimo prazo eles poderiam se recuperar, mas falando com relação ao médio prazo, ABCB4 abre oportunidade com um upside mais expressivo que os dois ativos que faziam parte da carteira e eram do mesmo setor.

CSAN3:

Temos a retirada de Cosan da carteira pois o ativo poderia ter um comportamento atrelado ao petróleo e que por sua vez já temos PETR4 em carteira. Com isso evitamos uma maior exposição a comodities e voltamos a composição do mês anterior, onde tínhamos dois ativos do setor elétrico.

Banco ABC (ABCB4)

Ler análise completa

O banco tem seu inicio em 1989 a partir de uma joint venture entre o Grupo Roberto Marinho o Banco Arab, tendo originalmente o nome de Banco ABC Roma S/A. Oito anos após o seu inicio, o banco sofre mais uma alteração, onde o Arab Banking compra a participação acionária restante do Grupo Roberto Marinho, tornando-se desta forma o acionista controlador. Desse momento em diante o banco passou a ter o atual nome, Banco ABC Brasil S/A. No passado o foco principal do banco era atuação no Corporate, tendo seus serviços focados em empresas de médio e grande porte. O lançamento do seu IPO veio a ocorrer no ano de 2007 na B3, mas ainda assim o Arab Banking continua sendo o maior acionista, tanto nas ações preferências quanto nas ordinárias. O banco continua tendo como principal trabalho o Corporate como mencionado anteriormente, mas também tem atuação no mercado de capitais na área de fusões e aquisições. Lembrando que sua atuação tem uma visão bastante conservadora e desta forma ela consegue mitigar mais os riscos envolvidos nas operações. Tese de investimento e diferenciais: Neste caso não podemos considerar apenas o ativo retirado, BPAC11 mas também a retirada da B3SA3. Pois todos são ativos do setor financeiro apesar das diferentes formas de atuação. A soma do setor na carteira anteriormente nos levava a uma exposição de 12%, e atualmente vamos ficar com 11%, sendo assim com quase nenhuma alteração setorial para a composição da carteira. Pontualmente falando do Banco ABC Brasil, ele entra para manter a diversificação indicada anteriormente, porém em um ativo de atuação mais conservadora. Já que nesse momento ainda seguimos com muitas incertezas no mercado e também na visão macro econômica do país. Não podemos ignorar o setor dada a sua participação na composição do índice Ibovespa, em grande parte pelos bancos Itaú e Bradesco, mas que atualmente seguem bem confusos e sem determinar bem seu próximo movimento de mercado. Visão Gráfica: O setor como um todo parece travado, o INFC não sai da mesma faixa de preço faz mais de 3 anos. Dado essa situação o fechamento do ativo parece o que ainda mostra mais força compradora, apesar do desempenho parecido do setor. Temos como apoio positivo ao movimento de alta a média 9, mas por outro lado a média de 21 ainda pesa, apesar de servir como suporte ela ainda aponta pra queda.

Gerdau (GGBR4)

Ler análise completa

A história da Gerdau começa em 1901, tendo como seus fundadores João Gerdau e seu filho Johan Gerdau, onde no inicio a empresa consistia basicamente em uma pequena fábrica de pregos em Porto Alegre. Ao longo dos anos a empresa foi evoluindo, onde seis anos depois João expandiu seus negócios abrindo uma fábrica de móveis e anos depois, 1946 foi para o setor de siderurgia. Logo no ano seguinte a empresa faria sua estreia no mercado de Bolsa de Valores, e em diante começaria sua expansão, como por exemplo no Uruguai, Argentina, Canadá. Sua estreia com os ADR´s na NYSE ocorreu no ano de 1999, o que traria ainda mais liquidez para suas ações e mais abertura ao mercado mundial. Atualmente a empresa é uma das maiores produtoras de aços longos e no mundo um dos maiores fornecedores de aços especiais para o setor automotivo. Dentre o leque de produtos que a empresa produz estão, barras, vigas, vergalhões, dentre outros. Nesse momento a empresa atua em 10 diferentes países e o Brasil é o seu maior mercado respondendo por 40% da receita da empresa, mas não muito longe dos 35% do mercado norte americano. Tese de investimento e diferenciais: Sua volatilidade é alta, porém um pouco abaixo do visto com as ações da Vale, sendo assim o ativo chega para distribuir peso e aumentar a diversificação entre empresas e nem tanto se comparado a questão da commodities. Desde que sua máxima histórica foi atingida o ativo realizou aproximadamente -24%, enquanto que a Vale por outro lado realiza -34%. Claro que na alta o desempenho da Vale também foi acima do que foi visto com a Gerdau. Apesar da realização de outros setores nos últimos meses o IMAT consegue fechar esse mês com alta de +3,41%, não parece muita coisa, mas se comparado ao Ibovespa, -1,53% foi um excelente desempenho. Como mencionado anteriormente claro que o setor está fortemente atrelado ao comportamento das commodities, que também foram pressionadas nos últimos meses, também temos a questão cambial com impacto positivo para empresa em caso de desvalorização do Real. Visão Gráfica: Apesar da realização de outros pares do setor, o ativo tem conseguido sustentar o seu preço acima da MME9 do mensal, a médio e curto prazo a briga é outra e ainda muito complicada. Mas de fato é um dos poucos ativos que atualmente no longo prazo ainda opera com as médias apontando para possíveis altas. Se realmente vier para alta a região de topo seria o primeiro alvo.

Taesa (TAEE11)

Ler análise completa

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. (TAESA) é um dos maiores grupos privados de transmissão de energia elétrica do Brasil em termos de Receita Anual Permitida (RAP). A Taesa implementa, opera e mantém serviços e instalações de transmissão de energia elétrica tanto para o Sistema Interligado Nacional do Brasil quanto para os setores de transmissão de energia elétrica de outros países. A maior parte de sua receita é gerada pela empresa na forma de compensação pelos investimentos na construção das linhas de transmissão e pelos serviços de operação e manutenção que presta em todo o Brasil. Tese de investimento e diferenciais: O setor de Energia Elétricas é considerado um dos setores mais defensivos da bolsa e de grande representatividade no índice Bovespa, pagador de gordos dividendos. Além disso, fornece serviços essenciais e de utilidade pública, sofrem menor impacto no atual contexto de pandemia e de outras crises, possui maior previsibilidade de receitas com concessões de longo prazo, demanda resiliente, baixa necessidade de reinvestimentos e elevada barreira de entrada para novos players. Atualmente a Taesa conta com 10.980 km de linhas em operação e 2.599 km de linhas em construção, totalizando 13.579 km de extensão e 97 subestações. A empresa possui presença em todas as 5 Regiões do país (18 Estados e o Distrito Federal). Com R$ 13 bilhões em valor de mercado, atualmente a Taesa detém 39 concessões de transmissão com prazo médio de 16,5 anos. Outro ponto forte da companhia é a distribuição de dividendos consistente, com payout histórico acima de 70%, que só é possível graças a receitas altamente previsíveis, fixas e reajustadas anualmente pela inflação. Visão Gráfica: Pelo diário os preços não sustentaram acima da média de 200 dias o que complica um pouco mais sua perspectiva. Por outro lado o gráfico de longo prazo ainda consegue fechar acima da MME9 e se a máxima do último mês for rompida a pernada de alta pode retornar ao ativo tendo inicialmente o topo histórico como alvo e em seguida a linha de retorno do canal de alta iniciado em 2016.

Telef Brasil (VIVT3)

Ler análise completa

Empresa do setor de telecomunicações com atuação em todo país, com produtos como rede móvel, banda larga fixa e móvel, voz, dados, serviços digitais, TV por assinatura, dentre outros. Atualmente a empresa atende a mais de 95 milhões de clientes, com foco de atuação em dados e atendendo através da sua rede 4G, 90% da população, espalhada em mais de 3100 cidades por todo o país. No ano de 2018 a empresa já atendia quase 20 milhões de clientes com sua rede de fibra, que tem crescido cada vez mais pós pandemia com o maior uso pelos clientes com o home office. Tese de investimento e diferenciais: A empresa vem crescendo ao longo dos últimos anos e tem apresentado uma ótima sinergia desde que a GVT foi adquirida, com intuito de aprimorar a sua atuação na linha de produto ligado a internet fixa. Essa aquisição ocorreu em 2015, mas todo o know-how da empresa tem feito diferença no atual momento de maior demanda por internet de banda fixa, mantendo a qualidade e acelerando o crescimento cada vez mais. As atuais mudanças na regulamentação brasileira de telecomunicações também podem trazer algum beneficio para o setor e por consequência para a empresa. A empresa tem se mostrado resiliente nas últimas crises, superando cada etapa e mantendo seu ritmo de crescimento. Atualmente com a alta das ações no último mês pode parecer meio atrasada a entrada do ativo, mas sua perspectiva de longo prazo continua sendo positiva. Sendo assim em um primeiro momento pode até ter um comportamento mais lento que a média do mercado, mas o ativo ao longo do tempo deve evoluir e buscar inicialmente seu preço histórico. Não temos em carteira nenhum ativo relacionado ao setor com isso ele entra para ampliar ainda mais a diversificação da carteira, substituindo um ativo que continuamos com outra ação do mesmo setor (elétrico). Visão Gráfica: Buscou o topo histórico muito mais rápido que o desejado, isso atrapalha no curto prazo pois podemos sofrer uma maior influência pela volatilidade e o alvo imediato já foi atingido. Agora temos que esperar o ativo trabalhar para saber se continua respeitando as médias como suporte, onde nesse momento elas atuam distantes dos preços atuais.

Vale (VALE3)

Ler análise completa

A Vale S.A. é uma empresa de mineração e metais criada em 1942 como a estatal Companhia Vale do Rio Doce. Mas a Vale é hoje uma empresa privada que figura entre as maiores mineradoras globais, suas operações estão presentes em mais de 30 países. A atividade principal da Vale é a extração de minerais e produção de metais. Além disso, a companhia também realiza operações de logística em cerca de 38 países, sendo que dentro do Brasil é líder nesta atividade. A operação de logística da Vale inclui ferrovias e portos interligados à sua exploração de minerais e a partir de suas afiliadas, a empresa também possui operações nos setores de energia elétrica e siderurgia. Tese de investimento e diferenciais: A Vale é a maior produtora mundial de minério de ferro e níquel. A vantagem competitiva está na qualidade, pois as rochas encontradas em Carajás são formadas por 67% de teor de minério de ferro, o teor mais alto do planeta. E não para por aí, pois o Brasil possui 10% das reservas mundiais de manganês, destes, 70% são produzidos pela Vale. A companhia também produz carvão, insumo essencial para a transformação de minério de ferro em aço e cobre, que é o terceiro metal mais utilizado no mundo, atrás do ferro e do alumínio. Com um valor de mercado em torno de R$ 500 bilhões, a Vale é a empresa mais valiosa da América Latina e está listada no Novo Mercado da B3, que exige padrões de governança corporativa diferenciadas. Embora ainda haja dúvidas sobre o fim da covid e normalização do comércio e da indústria, a atividade de mineração é considerada pelo governo como uma atividade essencial e provavelmente o segmento terá um impacto menor e está apresentando um bom desempenho. Olhando para o mercado internacional, as economias dos EUA e da Europa podem se recuperar de forma relativamente rápida da recessão e vão se juntar a uma economia já forte na China. Lembrando que ao longo do mês de Setembro o preço do minério de ferro foi impactado por uma preocupação vinda da China. Mesmo que o cenário persista o ativo tem uma alta participação na composição do Ibovespa e com isso seu comportamento como um todo na carteira deve gerar uma correlação. Visão Gráfica: Respeitou quase que cravado a faixa dos 63, onde está a primeira faixa de fibo, de imediato se tiver força para uma reação teria uma importante barreira na casa dos 80,00. Lembrando que continuando as faixas de fibo, 50% estaria em torno dos 54,00 reais e 38,2% lá nos 45,30. O candle deste mês é sugestão de fundo, agora vamos ver se terá força para confirmar ele.

Transmissão Paulista (TRPL4)

Ler análise completa

Com origem no ano de 1999 após a divisão de ativos da Companhia Energética do estado de São Paulo, a empresa vem ao longo dos últimos anos expandindo sua fatia de mercado através das licitações, como por exemplo em 2006 em Minas Gerais e em 2008 no Sul do país. Como mencionado anteriormente através de sua expansão, a empresa segue com seu maior foco na transmissão de energia elétrica. Pontualmente em São Paulo a empresa é responsável por transmitir 90% da energia consumida. Atualmente a companhia é o maior grupo privado de transmissão de energia elétrica do pais com mais de 18 mil km de linhas de transmissão e atuando em diversas regiões do Brasil. Ativos como este costumam ter maior previsibilidade nos pagamento de proventos e um comportamento mais defensivo, tanto em mercados de alta como de baixa, sendo assim a principio não é esperado nenhuma grande valorização por parte dele a médio / curto prazo. Anteriormente tínhamos em carteira 2 ativos do setor elétrico e voltamos a atuar da mesma forma. Tese de investimento e diferenciais: A retirada do ativo que fazia parte da carteira está diretamente relacionada a questão de commodities, com isso voltamos a ter novamente duas empresas do setor elétrico. Com isso na composição dos ativos temos um peso de 22% do setor, em caso de realização dos mercado isso deveria ser positivo e atuar como um hedge, por outro lado, em caso de recuperação dos mercados no mês de dezembro isso pode trazer muita lentidão para a carteira, já que esse ativos costumam ter uma menor volatilidade que a média do mercado, sendo assim, em alta ele se valoriza menos e em queda costuma desvalorizar menos. Visão Gráfica: O comportamento do ativo lembra bastante a TAEE11, onde segue estagnado nos últimos meses e com suporte na MME9 até o momento. Nos dois casos os ativos parecem precisar apenas de uma empurrão para que eles possam entrar em uma nova pernada de alta. Inicialmente a região de topo histórico seria o primeiro alvo, vencida essa barreia, olho na linha de retorno do canal de alta.

WEG (WEGE3)

Ler análise completa

Fundada em 1961, a WEG é uma empresa global de equipamentos eletroeletrônicos, atuando principalmente no setor de bens de capital com soluções em máquinas elétricas, automação e tintas, para diversos setores, incluindo infraestrutura, siderurgia, papel e celulose, petróleo e gás, mineração, entre muitos outros. A WEG se destaca em inovação pelo desenvolvimento constante de soluções para atender as grandes tendências voltadas a eficiência energética, energias renováveis e mobilidade elétrica. Com operações industriais em 12 países e presença comercial em mais de 135 países, a companhia possui mais de 33 mil colaboradores distribuídos pelo mundo. Em 2020 a WEG atingiu faturamento líquido de R$ 17,5 bilhões, destes 56% proveniente das vendas realizados fora do Brasil. As áreas de negócios são divididas da seguinte forma: Equipamentos Eletroeletrônicos Industriais (52% da receita): esta área inclui os motores elétricos, drives e equipamentos e serviços de automação industrial e serviços de manutenção. Os motores elétricos e demais equipamentos têm aplicação em praticamente todos os segmentos industriais, em equipamentos como compressores, bombas e ventiladores, por exemplo. Geração, Transmissão e Distribuição de Energia (33% da receita): os produtos e serviços incluídos nesta área são os geradores elétricos para usinas hidráulicas e térmicas (biomassa), turbinas hidráulicas (PCH e CGH), aerogeradores, transformadores, subestações, painéis de controle e serviços de integração de sistemas. Motores para Uso Doméstico (10% da receita): o foco de atuação nesta área é o mercado de motores monofásicos para bens de consumo durável, como lavadoras de roupas, geladeiras, aparelhos de ar condicionado, bombas de água, entre outros. Tintas e Vernizes (5% da receita): nesta área de atuação, inclui tintas líquidas, tintas em pó e os vernizes eletro-isolantes. Tese de investimento e diferenciais: resiliência, consistência e lucratividade. Mesmo passado por diversos ciclos desafiadores, a Weg entregou, de 2010 a 2020, um crescimento de receita de quase 15% ao ano, alcançando uma receita líquida de mais de R$ 17 bilhões no ano de 2020. Atuando como fornecedora para diversos setores estratégicos e mercados distintos, ainda há um enorme potencial de crescimento para a WEG nos próximos anos, como por exemplo; a tendência global na busca de fontes renováveis de energia e motores elétricos mais eficientes de carros elétricos. Em todas essas demandas globais, a Weg se encontra preparada e bem posicionada para atuar. Visão Gráfica:Não teve força para romper a máxima do mês anterior o que era muito importante e pior, encerrou perdendo a mínima do candle anterior. Ainda tem a MM21 apontando para alta, mas com o atual movimento a formação complica bastante e na situação mais otimista poderíamos estar formando um triângulo de topos descendentes, com isso o último fundo teria que ser respeitado.

TOTVS (TOTS3)

Ler análise completa

bLíder absoluta em sistemas e plataformas para gestão de empresas, a TOTVS entrega produtividade para mais de 40 mil clientes por meio da digitalização dos negócios. Indo muito além do ERP, oferece serviços financeiros e soluções de business performance, investindo aproximadamente R$ 1,9 bilhão em pesquisa e desenvolvimento nos últimos cinco anos para atender as exigências de 12 setores estratégicos da economia. Como uma empresa originalmente brasileira, a TOTVS apoia o crescimento e a sustentabilidade de milhares de negócios e empreendedores, de norte a sul do país, por meio de sua tecnologia. Com mais de 50% de market share no Brasil e entre os 3 principais players na América Latina, a TOTVS atua principalmente no Brasil, mas possui clientes em mais de 40 países, com presença nos principais centros de negócios, explorando o potencial e as vocações econômicas regionais. Tese de investimento e diferenciais: A Tecnologia é um setor de alto valor agregado e com potencial para contribuir decisivamente para a sustentação de novos ciclos de desenvolvimento no país, impactando positivamente e de modo abrangente todas as cadeias produtivas, contribuindo para um Brasil cada vez mais digital, próspero, produtivo, inclusivo e sustentável. Estamos vivenciando uma nova era digital movida pelo advento de novas tecnologias disruptivas e profundas transformações nos comportamentos dos indivíduos, que passam a consumir os produtos e serviços de uma forma diferente, e das organizações, que são desafiadas a revalidarem seus próprios modelos de negócio. Neste contexto, transformação é a palavra que melhor resume o momento pelo qual a TOTVS e todas as demais empresas, sejam elas grandes ou pequenas, pertencentes ou não ao mundo de tecnologia, estão passando ou irão passar. Quem não incorporar a variável digital ao planejamento estratégico ficará obsoleto, pois a velocidade de transformação do mundo exige respostas cada vez mais rápidas das organizações. Nossa tese é reforçada em alguns pilares da companhia como: posição de liderança e marca forte; plataforma de distribuição eficiente no Brasil e em mais de 40 países atendendo clientes de todos os portes; portfólio amplo, diverso e flexível; modelo de negócios com histórico de crescimento e rentabilidade; histórico de aquisições; time executivo qualificado e experiente e forte governança corporativa. A Totvs vem surpreendendo o mercado mostrando a força e a resiliência de seus resultados. Continua avançando em um modelo de negócio escalável e confirma a percepção de qualidade de seus produtos por parte dos clientes. Visão Gráfica : Comentado no relatório anterior a faixa de importante suporte, média 9 do mensal foi perdida e com isso seria muito importante recuperar essa região para seguir com a força compradora. Em caso de realização de imediato o ativo teria um próximo suporte na faixa dos 29,00 relativo a outra média, de 21 períodos do gráfico mensal.

Petrobras (PETR4)

Ler análise completa

aA Petrobras é uma das maiores produtoras de petróleo e gás do mundo, dedicada principalmente à exploração e produção, refino, geração de energia e comercialização. Tem o expertise na exploração e produção em águas profundas e ultra profundas como resultado de quase 50 anos de desenvolvimento das bacias offshore brasileiras, tornando-se líder mundial neste segmento. O bloco de controle da companhia é composto pela União Federal, BNDES e BNDESPar que detém 36,75% do total de ações e 50,5% das ações com direito a voto. Do saldo remanescente de ações, 21,6% estão com brasileiros na B3, 22,12% com estrangeiros na B3 e 19,53% na bolsa de Nova York (ADRs). Tese de investimento e diferenciais: Com uma desalavancagem bem sucedida, boa geração de caixa, preços do petróleo elevados e a continuidade da redução da dívida frente ao Ebitda com a venda de ativos non-core (não essenciais), a Petrobras voltou a pagar bons dividendos em 2021. Além disso, em comparação com pares internacionais, a Petrobras está negociando a múltiplos descontados, em parte pelos receios de interferência política em suas atividades, que são reais, mas que acreditamos já estarem bastante precificados na cotação atual. Ou seja, entendemos que a Petrobras está barata e não podemos ignorar oportunidades, mesmo colocando o ruído intervencionista na conta. E em relação ao risco político, Joaquim Silva e Luna, novo presidente da companhia, assumiu com um discurso bem mais prómercado que o esperado, o que foi ofuscado pela pressão nos preços do petróleo advindas da segunda onda da pandemia na Índia, na mesma época. Silva e Luna mostrou uma postura conciliatória, mantendo um compromisso com a paridade de preços e a continuidade dos desinvestimentos de ativos não estratégicos. Além disso, o cenário macro positivo, com o petróleo acima de US$ 75 o barril, e os pagamentos de dividendos elevados podem fazer a companhia performar melhor que o Ibovespa no segundo semestre de 2021, motivos pelos quais estamos abrindo espaço para a Petrobras compor a carteira Top 10. Visão Gráfica: Esse seria um dos ativos que mais tem contribuído negativamente para o IBOV nos últimos anos. Atualmente estamos rondando uma importantíssima faixa de preço, que se superada poderia mudar a visão de longo prazo para o ativo e por consequência contribuir positivamente para o IBOV. O próprio canal de alta desenhado na tela ao lado, mostra o potencial.

Assaí (ASAI3)

Ler análise completa

O Assaí é uma empresa com sede no Brasil que atua principalmente no setor de distribuição de alimentos, segunda maior varejista em receita bruta e vigésima marca mais valiosa do país (R$ 25,5 bilhões). Fundada em 1974 por Rodolfo Nagai, a companhia tem sede em São Paulo. A rede de supermercados trabalha com as vendas na forma de atacarejo, ou seja, o cliente pode escolher se comprará seus produtos no varejo ou no atacado. Com mais de 30 milhões de clientes, a empresa é conhecida por ser uma das maiores marcas de seu setor no Brasil. Atualmente são 190 lojas pelo país, em 23 estados, com mais de 50 mil colaboradores e está entre as 17 maiores em faturamento do Brasil. O crescimento anual composto da companhia impressiona e nos últimos seis anos foi de 36% ao ano em relação ao seu Ebitda, um gigante de crescimento, além disso, inaugurou 107 lojas neste mesmo período. Tese de investimento e diferenciais: Dentre os diferenciais da companhia: a mesma possui um modelo flexível que se adapta para diferentes regiões do país e públicos, atualmente 44% das vendas estão fora do sudeste com lojas adaptadas às particularidades de cada lugar, com uma logística eficiente e descentralizada onde o estoque é entregue na loja e ajuda na estrutura de custos baixos e entrega mais eficiência e produtividade. Além disso, conta com serviços financeiros onde já possui mais de 1,4 milhões de cartões Passaí emitidos, que representam 5% das vendas brutas das lojas. Isso se traduz em números, a rede teve alta de 62% no lucro líquido do segundo trimestre ante mesmo período de 2020, para 305 milhões de reais. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de 793 milhões de reais, crescimento de 33% na comparação anual. A companhia, controlada pelo francês Casino, inaugurou no trimestre três lojas e afirmou que tem mais 25 novas lojas em fase de obras em 14 Estados, mantendo o plano de expansão deste ano, que envolve 25 a 28 aberturas. Todo este bom desempenho foi obtido com um crescimento das vendas mesmas lojas 9,2% no período, apesar de restrições provocadas por medidas de isolamento social ao longo do trimestre. Recentemente a empresa adquiriu mais 71 lojas do Extra Hiper, que em um primeiro momento foi interpretado de forma negativa por parte do mercado, que considerou caro o valor pago aos ativos. Porém se a empresa seguir com seu excelente trabalho pode ser uma forma de crescimento ainda mais acentuado em um segundo momento. Visão Gráfica: Segue ainda sendo um ativo de pouco histórico gráfico e a expectativa de seguir com fluxo positivo foi interrompida logo no inicio do mês com a perda das médias e que atualmente continuam trabalhando como resistência. Como indicado no relatório anterior o ativo poderia retornar a região de mínima histórica e por enquanto segue sem padrões gráficos favoráveis.

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.

Sobre o Analista

Hugo Simas Carone

José Falcão C. Castro

Analista de Investimentos na Nu invest com 15 anos de experiência no mercado financeiro, atuando com análise, consultoria de investimentos e mesa de operações Bovespa e BM&F.

Formado em Administração de Empresas com pós-graduação em Gestão Financeira, possui as certificações CFP® e CNPI-P.

Hugo Simas Carone

Eduardo Perez

Profissional do mercado financeiro com carreira iniciada na Easynvest, é graduado em Gestão Financeira e graduando em Economia, tendo iniciado na equipe Easy no atendimento direto ao cliente, passando depois pela mesa de operações e integrando atualmente a equipe de analistas da área de research do Nu invest. Possui as certificações CNPI-P, CEA e PQO de Operações.