Siga nossas redes

Finanças

Fundos captam R$ 206 bilhões no 1º semestre; renda fixa e multimercados lideram

Indústria de fundos cresceu 19,5% no último ano com investidores procurando diversificação.

Publicado

em

por

Katherine Rivas
investimento

Os fundos de investimento tiveram uma captação líquida de R$ 206 bilhões no primeiro semestre de 2021, puxados principalmente pelas categorias renda fixa e multimercados, responsáveis por R$ 180,3 bilhões, segundo dados apresentados pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) nesta quarta-feira (7).

Este foi a maior série histórica de captação dos fundos de investimento para um primeiro semestre, um crescimento de 1723% em comparação ao mesmo período em 2020, quando a captação acumulada somou R$ 11,3 bilhões.

A indústria de fundos também apresentou um crescimento de 19,5% no primeiro semestre deste ano, com um patrimônio líquido de R$ 6,6 trilhões. Segundo Pedro Rudge, diretor da Anbima, este aumento de patrimônio se deu graças a um movimento de diversificação dos investidores, com a renda fixa perdendo espaço, e os fundos imobiliários e multimercados ganhando concentração.

O investimento no exterior também ganhou destaque, com a procura de uma diversificação geográfica e de moeda pelos investidores.

O número de fundos no 1º semestre chegou a 24.169, com 28.295 milhões de contas e 755 gestores.

A melhor captação da indústria para um semestre

A captação líquida dos fundos até junho de 2021 foi a melhor para um primeiro semestre, com R$ 206 bilhões. Segundo Rudge, da Anbima, este resultado exponencial foi fruto de uma base de comparação fraca da indústria de fundos em 2020, fortemente impactada pela pandemia.

O segundo melhor ano da indústria de fundos foi 2019, com uma captação de R$ 147 bilhões para o primeiro semestre e na terceira posição está 2017, com R$ 123,6 bilhões captados.

No primeiro semestre deste ano, a captação foi puxada pelos fundos de renda fixa, responsáveis por R$ 98,9 bilhões, com movimentos concentrados em fundos de baixa duração.

Os fundos multimercados também tiveram uma participação forte, com uma captação de R$ 81,4 bilhões. E na terceira posição estão os Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) com uma captação de R$ 51,7 bilhões, sendo um único fundo concentrou R$ 33 bilhões.

No lado oposto, algumas categorias foram afetadas. É o caso dos fundos de ações com R$ 3,2 bilhões captados, o resultado foi impactado pela amortização de um fundo de pensão no valor de R$ 43,9 bilhões e uma mudança de classe de um fundo com patrimônio de R$ 20 bilhões. “Sem estes movimentos específicos a magnitude da série seria maior”, aponta Rudge.

Distribuição de patrimônio líquido

Do patrimônio líquido total de R$ 6,6 trilhões da indústria de fundos, 35,6% está concentrado na renda fixa, 23,7% em fundos multimercados, 15,3% em previdência e 10,6% em ações.

Segundo Pedro Rudge, a renda fixa vem perdendo espaço para outras classes, em um cenário de juros considerados historicamente baixos, situação que deve continuar no segundo semestre. Enquanto a procura por fundos multimercados e de ações está aumentando, de olho em retornos maiores.

Distribuição de contas

Na distribuição das 28.295.661 milhões de contas também é perceptível este movimento de migração com a renda fixa perdendo relevância, com uma concentração de 35% das contas no 1º semestre de 2021, em comparação a 44% das contas no mesmo período em 2020.

Já os fundos imobiliários ganharam espaço, concentrando 19% das contas no 1º semestre, enquanto em 2020 tinham uma participação de apenas 12% para o mesmo período.

Os fundos multimercados também tiveram um crescimento, com 17% das contas enquanto no primeiro semestre de 2020 tinham apenas 13% destas.

Exterior fica atrativo

O destaque do primeiro semestre foi dos fundos de investimento no exterior, que apresentaram um crescimento de 38,4% em relação a junho do ano anterior. O patrimônio líquido destes fundos chegou a R$ 799,7 bilhões concentrados nas categorias de ações de investimento no exterior e multimercados de investimento no exterior.

A captação líquida dos fundos multimercados com exposição a investimentos no exterior foi de R$ 54 bilhões enquanto os fundos de ações e renda fixa captaram R$ 17,9 bilhões e R$ 1,8 bilhão respectivamente.

O número de contas de multimercados com investimentos no exterior aumentou 15% totalizando 352 mil.

Rentabilidade dos fundos

Em relação a rentabilidade dos ativos desde janeiro de 2020 até junho de 2021, os fundos multimercados e de ações bateram o Ibovespa no período.

Na categoria dos multimercados, os de investimento no exterior tiveram um retorno de 15,6% no período e os multimercados estratégias livre entregaram 11,5%, enquanto o Ibovespa teve um retorno de 9,6% no mesmo período.

Já entre os fundos de ações, todas as categorias superaram o retorno do Ibovespa desde janeiro de 2020: Ações Ativos Livre (15,4%), Ações Investimento no Exterior (13,9%) e Fundos de Ações Small Caps (11%).

O que esperar para o segundo semestre?

Segundo Pedro Rudge, diretor da Anbima, para o segundo semestre de 2021 a tendência para a indústria de fundos segue positiva, com aumento na captação líquida.

Em relação às classes, a renda fixa pode continuar perdendo espaço, considerando que a taxa de juros de 6,5% ao ano até o final de 2021 ainda é considerada historicamente baixa, neste cenário os fundos multimercados e de ações continuam ganhando novos investidores, afirmou ele.

Rudge também apontou que a Anbima está atenta a novos desdobramentos da reforma tributária de olho nos principais impactos nos fundos de investimento. “Nossa ideia é abrir um diálogo com o Executivo para mostrar nossas preocupações sobre os impactos da tributação na indústria de fundos”, afirmou.

Entre os pontos mais sensíveis, ele destacou a tributação dupla que alguns cotistas devem sofrer no pagamento de dividendos e no resgate da cota, que deve aumentar o custo dos fundos. Rudge também destacou a tributação dos fundos fechados, que possuem baixa liquidez e poucos recursos para pagar impostos no momento.

Já entre os pontos positivos, ele citou a alíquota de 15% para a renda fixa, que vai em direção a simplificação.

“A Anbima acredita que a reforma tributária deve caminhar na simplificação e alguns pontos não são coerentes com isso. Mas é importante destacar que a primeira versão não será a final, estamos confiantes de que a proposta seja aperfeiçoada”, apontou o diretor da Anbima.

Diversifique a sua carteira e deixe que um gestor especializado cuida pra você! Invista em Fundos de Investimento!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!